Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Melhores receitas equatorianas

Melhores receitas equatorianas

Dicas de compras do Equador

Quão quente é essa pimenta do Chile? Pimentas frescas ficam mais quentes com o envelhecimento; eles adquirem uma tonalidade mais avermelhada e às vezes desenvolvem estrias na pele.

Dicas de culinária equatoriana

Existem 60 variedades de pimentas, muitas das quais são usadas na culinária mexicana. Manuseie-os com cuidado. Ao manusear os tipos mais picantes, luvas são recomendadas. Sempre lave as mãos com água morna e sabão antes de tocar nos olhos.

Emparelhamento de vinho

Malbec, syrah / shiraz, mourvèdre, Rhône se mistura, Zinfandel, petite sirah, primitivo, ou carmà © nère com pratos à base de carne e feijão; viognier ou Grüner Veltliner com pratos de frutos do mar.


Fanesca

Fanesca é uma sopa muito tradicional do Equador, rica em cultura, história e aromatizada com séculos de tradição.

Você pode pensar na fanesca no Equador como sendo muito parecida com a época do Natal para o paladar e a cultura equatoriana como um todo. Esta sopa especial, rica e relativamente complexa é servida apenas durante a Semana Santa (meados de abril), embora nos últimos anos o prazo para este prato sazonal tenha aumentado gradualmente. Em restaurantes, muitos agora podem se deliciar com fanesca um mês inteiro antes de ser servido em casa.

Qual é a origem da fanesca?

A origem deste tradicional prato equatoriano remonta aos tempos pré-colombianos, durante uma das maiores celebrações que girava em torno do equinócio. Este dia, quando o equador da Terra passa pelo centro do Sol, acontece duas vezes por ano, geralmente por volta de 20 de março e 23 de dezembro. Foi um evento astronômico celebrado por muitas culturas antigas ao redor do mundo, como os povos nativos do Equador e o Império Inca (que mais tarde conquistaria parte da região equatoriana).

O equinócio simbolizou o início de um novo ciclo de vida que veio com o ano novo. Junto com esta celebração veio a época da colheita para muitos dos grãos não amadurecidos que mais tarde foram utilizados na preparação deste prato sazonal.

Postagens relacionadas:

O próprio prato fanesca atendia pelo nome quíchua de uchucuta, significando grãos não amadurecidos, cozidos em ervas e especiarias.

Com a chegada dos conquistadores espanhóis, veio a assimilação cultural. Os espanhóis foram astutos o suficiente para combinar as tradições já dominantes dos nativos com suas próprias crenças católicas, resultando na combinação de festividades católicas repletas de simbolismo e imagens indígenas. Em breve, uchucuta mudou seu nome para fanesca. Em seguida, foi incluído como parte do semana Santa (Semana Santa) devido à sua perfeita coincidência com as celebrações do equinócio.

Qual a origem do nome fanesca?

Embora a origem do nome fanesca seja desconhecida, várias hipóteses são compartilhadas entre a população equatoriana. O mistério que rodeia a fanesca, sobretudo pelo facto de nenhum outro país partilhar o prato, nem o costume, resultou numa série de versões históricas (e nem tão históricas). Uma das teorias mais coloquiais afirma que foi inventado na época colonial por alguém chamado Juana, em uma hacienda há muito perdida nos altos Andes, inicialmente batizada Juanesca.

Outra versão é um prato em Portugal muito parecido, feito com feijão e bacalhau (bacalhau).

A outra origem óbvia é pré-hispânica, remontando à celebração de Mushuc Nina ou Dia do Fogo, ritual que marca o início do ano andino no mês de março, quando os grãos são colhidos. O prato associado a esta origem é chamado uchukuta em Kichwa, significa feijão tenro cozido com pimenta e ervas. Como a fanesca hoje, ela supostamente incluía abóbora e abóbora, ervilhas, favas, mellocos, milho e feijão, na receita, tudo colhido no início de fevereiro quando o Pawkar Raymi acontecem festividades (uma espécie de Festa da Primavera). Acredita-se que o uchukuta era servido com carne de porquinho-da-índia selvagem.

Sua origem e significado pouco importam, entretanto, na hora de montar o prato. Cada família tem os seus segredos para a preparação da fanesca (descascar todo o tipo de leguminosas e leguminosas, até lentilhas, por exemplo!) E as avós, presentes ou em espírito, têm a magia de reunir famílias inteiras para preparar e partilhar a tradição. Alguns descascam os legumes, outros cortam cebolas, outros amassam bolas de farinha, outros cortam queijo.

Como fazer fanesca

Segundo o primeiro livro de receitas equatoriano, publicado por volta de 1882 pelo autor Juan Pablo Sanz, a preparação da fanesca já dava sinais de ter uma forma & # 8220 padrão & # 8221 de ser preparada (mesmo que falte algum ingrediente ou use outra receita em sua receita uns). Ele escreveu: & # 8220 feijões-roxos não curados, feijões-de-lima, tremoços e ervilhas são selecionados e cozidos. Arroz, repolho e abóbora também são adicionados. Tudo isso é fervido em uma panela junto com cebola salteada, alho, cominho, amendoim torrado e uma pitada de açúcar. Mais tarde, são adicionados creme e leite e, após uma última fervura com peje peixe e camarão, a sopa é servida com bolinhos de massa, empanadas, banana frita, ovos cozidos, salsa, chili e pimenta. & # 8221

Dependendo da região do Equador onde a fanesca é preparada, a sopa terá certas variações específicas da geografia da região. Em suma, o prato é preparado, compartilhado e apreciado por um grande número de famílias equatorianas durante este feriado especial da Semana Santa.

A sopa consiste em 12 grãos diferentes (representando os 12 apóstolos), bacalhau (representando os ichthys, ou & # 8220 peixe Jesus & # 8221) todos cozidos no leite e embelezados com ovos cozidos e bolinhos de purê de batata (molo) no lado.

Culturalmente, o prato é conhecido por aproximar as famílias, com os membros participando deste coletivo & # 8220laboração do amor & # 8221 que requer tempo, paciência e uma grande variedade de ingredientes diferentes. O próprio prato às vezes é preparado em casa e depois trocado entre as famílias vizinhas depois de pronto.

Não há nada igual no mundo. A sopa fanesca é um daqueles pratos que não dá para inventar duas vezes. Enraizou-se na identidade dos Quiteño e agora define a Páscoa no Equador.

A fanesca começa em fazendas em meio a campos em todo o interior do Equador na corrida para as semanas antes da Páscoa, os ingredientes da sopa, incomparáveis ​​em variedade e quantidade, são colhidos e recolhidos. Os vendedores do Marketplace organizam seus estandes para facilitar a compra. Os compradores então voltam para casa com cestas cheias o suficiente para alimentar um exército por semanas.

Se a Quaresma foi concebida como um período de jejum intenso, com a intenção de reduzir o penitente a nada além de pele e osso, no Equador este prato foi concebido para impedir tal jejum, e isso de forma flagrante. Os ingredientes reunidos são, sem dúvida, demais para os órgãos de um corpo em processo de limpeza espiritual.

Fanesca é geralmente consumido ao meio-dia, que geralmente é a principal refeição do dia na cultura equatoriana. Resumindo, fanesca é uma mistura de sabores que, uma vez degustada, ficará para sempre na memória.


Comida favorita do Equador

Mercado Equatoriano | Foto / Cory Lee

A culinária equatoriana é farta e única, com um turbilhão de sabores diversificados, eu voltei do Equador e estava pronto para compartilhar os sete alimentos equatorianos que todos os visitantes desta nação equatorial devem experimentar.

1. Cobaia

Porquinho-da-índia | Foto / Cory Lee

Se você já colocou os pés em um tradicional mercado de comida andina ao ar livre, uma das primeiras coisas que você notará são as gaiolas cheias de porquinhos-da-índia. Não, não é que as cobaias sejam o animal de estimação favorito dos equatorianos - em vez disso, elas adquirem uma famosa iguaria andina, muitas vezes preparada ou pedida em ocasiões especiais. Como minha viagem ao Equador foi uma ocasião especial, tive que aproveitar essa oportunidade única para experimentar um tipo de culinária que você não encontrará fora dessas montanhas.

Se você comprar em um restaurante equatoriano, simplesmente peça & ldquocuy & rdquo (pronuncia-se koo-ey, rimando com & ldquogooey & rdquo). A cobaia virá assada no espeto com alguns acompanhamentos deliciosos.

Como os animais pequenos geralmente não têm muita carne, você provavelmente precisará usar as mãos para levar as cobaias cozidas à boca para lamber os ossos para limpá-los. O sabor é bastante semelhante ao de pato ou coelho, e é bom lamber os dedos!

2. Bananas fritas

Fried Plantains | Foto / Cory Lee

Bananeiras fritas estão por toda parte no Equador, e há uma razão para isso! As bananas, que se parecem com bananas grandes e devem ser cozidas para serem consumidas, crescem abundantemente neste país tropical.

Não apenas uma comida de rua popular do Equador, eles frequentemente são servidos como acompanhamento de uma refeição ou podem ser pedidos como um aperitivo de um menu equatoriano. Como um viajante, é importante saber que existe mais de uma maneira de saborear banana frita.

Os plátanos amarelos (chamados de & ldquomaduros & rdquo) são plátanos maduros e, quando fritos, ficam moles e doces, quase como uma sobremesa. As bananas verdes não estão maduras, portanto, quando fritas, mantêm uma consistência mais crocante.

Quando os plátanos verdes são fritos duas vezes (esta é a norma), eles são chamados de & ldquopatacones & rdquo e são realmente bons com sal, embora algumas pessoas gostem de mergulhá-los em ketchup ou maionese.

3. Chocolate

Cory Lee com grãos de cacau na floresta amazônica | Foto / Cory Lee

O chocolate equatoriano foi classificado como o melhor do mundo. A marca equatoriana local Pacari ficou em primeiro lugar no International Chocolate Awards mais de uma vez, e por um bom motivo. Experimente sabores únicos como rosa, capim-limão, pimenta, café ou até mesmo Guayusa e ndash uma barra de chocolate que mistura cacau decadente com um famoso chá amazônico.

Claro, existem muitas outras marcas locais de chocolate de classe mundial, e acho que vale a pena experimentar todas elas. Com sua fama recém-descoberta, Pacari e outras marcas de chocolate equatoriano podem ser encontradas em todos os lugares, de mercados artesanais indígenas a antigas prateleiras de supermercados regulares, portanto, é muito fácil para os turistas virem essas sobremesas populares do Equador.

Dica Profissional
O chocolate equatoriano é um grande presente para aqueles que não tiveram a sorte de ir para o Equador com você.

4. Ceviche

O ceviche equatoriano é saboroso e fresco.

Ceviche é algo que pode ser encontrado em vários países da América Latina, mas ninguém mais o faz como os equatorianos. O ceviche vem em várias formas, mas sua base sempre será algum tipo de frutos do mar do Equador com camarão, peixe, lagosta, polvo, caranguejo, ostra, ou às vezes uma mistura de um ou mais desses. Uma vez que o Equador tem uma longa costa do Pacífico, qualquer peixe que você escolher, certamente será fresco!

O peixe fica em um caldo saboroso de seu próprio suco, é temperado com limão e às vezes suco de laranja e é complementado com tomates picados finamente, pimentão verde e cebola roxa. É frequentemente consumido com um lado de chips de banana-da-terra crocantes, que os habitantes locais adoram amassar e misturar.

Em outros países, como Costa Rica e Peru, o ceviche é feito deixando-se o peixe cru assado no limão, mas isso dá um sabor azedo que muitos que são novos neste tipo de culinária não gostam. No Equador, no entanto, o peixe (ou outros tipos de frutos do mar) costuma ser cozido, dando ao ceviche uma consistência muito melhor, com o sabor do limão presente, mas não excessivo.

5. Viche

Viche | Foto / Cory Lee

Como os nomes são tão semelhantes, muitos viajantes confundem viche com ceviche. Na realidade, as únicas coisas que eles têm em comum são que contêm frutos do mar e ambos são excepcionalmente saborosos!

Ao contrário do ceviche, que é servido frio ou em temperatura ambiente, a viche é uma sopa espessa e quente. It & rsquos geralmente feitos com peixe, camarão ou ambos que cozinham em um caldo grosso feito de amendoim moído e água.

Além do peixe, esta sopa equatoriana inclui vegetais como milho, batata doce, abóbora, mandioca, banana doce e uma surpresa de amendoim e banana verde enrolados em um formato rico e almôndega. Frequentemente consumida com um pouco de arroz, esta é uma das sopas mais fortes que você já experimentou. Viche é um excelente combustível para as suas férias.

6. Bolon de Verde

Ao provar um bolon, você testemunha mais uma maneira inovadora de os habitantes locais basearem a culinária do Equador em torno da banana-da-terra. As bananas-da-terra são cozidas e esmagadas, formando uma base pastosa que geralmente é misturada com coentro e com um ingrediente adicional, como amendoim moído, queijo local ou carne de porco. Às vezes, queijo e carne de porco são adicionados à mistura.

Minha parte favorita sobre comer um bolon é que você pode encontrá-lo em qualquer lugar & ndash no menu de restaurantes e cafés (geralmente no café da manhã) ou prontamente disponível como comida de rua. É um excelente pequeno-almoço, um jantar ligeiro ou um lanche recheado.

7. Encebollado

Encebollado pode ser a famosa cura para ressaca do Equador, mas mesmo muitos turistas sóbrios elogiam o Encebollado como um café da manhã perfeito ou um lanche noturno. Encebollado é um daqueles pratos equatorianos que as avós equatorianas melhor cozinham, e muitas famílias do litoral têm suas próprias receitas secretas nas quais juram. Basicamente, trata-se de um guisado feito com atum e mandioca, cozido em um caldo energizante recheado com temperos suaves, cebola roxa e coentro.

Se você for comer Encebollado em Guayaquil, uma das principais cidades do Equador, muitas vezes será servido com arroz e / ou grandes pedaços de milho torrado. Se você preferir comê-lo ao estilo litorâneo, descobrirá que é servido com chips de banana-da-terra que devem ser esmagados e misturados.

Talvez minha parte favorita sobre o encebollado seja que todo mundo gosta de adicionar seu próprio toque e algumas pessoas temperam com um pouco de ketchup ou mostarda, enquanto outros gostam de cobrir com suco de limão, molho picante ou até mesmo óleo.


Empanadas Equatorianas de Queijo Frito

Essas empanadas fritas ao estilo equatoriano têm recheio de queijo, às vezes temperado com um toque de cebola. Eles podem parecer um pouco comuns em comparação com algumas das empanadas mais elaboradas que existem. Mas essas empanadas têm um ingrediente especial que as torna únicas: açúcar granulado, polvilhado por cima logo após serem retiradas do óleo de cozinha quente. Parece uma combinação estranha - queijo, cebola e açúcar - mas é bastante deliciosa.

A palavra viento significa “vento”, e a piada é que essas empanadas (um lanche popular de rua) costumam ter uma quantidade muito mesquinha de queijo e, em sua maioria, estão cheias de ar! As empanadas incham quando são fritas em óleo e encherão de ar, não importa quanto queijo você coloque nelas, então não culpe o seu vendedor de rua local se suas empanadas parecem ter mais ar do que queijo!

O Equador é conhecido por suas empanadas fritas (embora empanadas assadas também sejam populares), especialmente empanadas de morocho (que tem um pastel feito com um tipo especial de fubá). As empanadas são um lanche popular no meio da manhã ou da tarde, e a maioria (doces e salgadas) é coberta com uma camada de açúcar.


15 melhores comida de rua em Quito

Llapingachos

O prato exclusivo do Equador é como minha omelete ideal ficaria quando desconstruída. O prato é tortilhas (omelete de batata) cobertas com ovo frito, beterraba, abacate, salada, chouriço e molho de tomate. Por apenas US $ 2,50, o llapingacho é definitivamente uma das melhores comidas de rua de Quito e uma excelente forma de conhecer os sabores locais.

Encontre: Mercado Central, Quito

Mote con chicarrón

Mote con chicarrón é uma mistura de milho e canjica coberta com chicarrón desfiado e molho. Enquanto a ideia de comer chicharrón de uma cesta de vime demorou um minuto para se acostumar, Mote acabou sendo um dos alimentos de rua mais fartos e amplamente disponíveis em Quito.

Encontre: Mote con chicarrón é mais fácil de encontrar nas praças ao redor de Quito. Procure as multidões aglomeradas ao redor e você receberá uma tigela de isopor cheia até a borda!

Manga verde com sal

O Equador foi o lugar onde eu oficialmente troquei meu hábito de doce azedo por mangas verdes com sal. Como as mangas são servidas verdes, elas são extremamente azedas. Junto com um pacote de sal totalmente desnecessário e um pouco de suco de limão, este lanche é super azedo e super delicioso.

Encontre: Parque El Ejido, Quito

Fritada

A fritada é básica em todas as partes, mas deliciosa quando servida junto. A combinação de equatorianos tortilha (purê de batata) com carne de porco temperada primeiro fervida e depois frita na própria gordura, é um excelente almoço para viagem.

Encontre: Mercado Central, Quito

Fruta ou sumo de fruta

A fruta é provavelmente a transição mais fácil para uma alimentação aventureira. Basta fazer uma viagem ao mercado e escolher o que chamar sua atenção! No Equador, não se esqueça de provar maracuya (suco de maracujá), o muito popular tomate del arbol, ou um dos muitos sucos espremidos na hora!

Encontre: Mercado Central, Quito

Empanadas

Não tenho certeza se voltaria a comer fast food se as empanadas estivessem tão disponíveis em casa. Cada destino na América do Sul tem sua própria opinião sobre o lanche, mas no Equador, não deixe de experimentar as empanadas de viento (uma empanada fofa de queijo frito polvilhada com açúcar) ou de verde (uma empanada de banana verde). Crocantes por fora e moles por dentro, as empanadas são uma opção incrível de comida de rua em Quito.


Encontre: Cafetería Modelo, Quito

Tigrillo

Um purê de bananas cozidas, ovos com queijo e linguiça faz do Tigrillo a segunda melhor opção para quem está perdendo um café da manhã americano mais tradicional.

Encontre: La Hueca Guayaca, Quito

Merienda ou Almuerzo

A sopa, o suco e o prato principal da merienda é o almoço diário para a maioria dos equatorianos. Por apenas uma fração do custo (US $ 2,50 - US $ 3) do menu à la carte, você pode se saciar com um almoço mais barato do que você pode prepará-lo.


Encontre: Em qualquer lugar! Encontre o menu que mais lhe agrada nas placas colocadas do lado de fora antes de escolher um lugar. Procure uma multidão para encontrar os favoritos locais.

Salchipapas

Ame ou odeie cachorro-quente, Salchipapas é uma grande parte da experiência de petiscos do Equador. Batatas fritas são apenas uma base para a maionese, o ketchup, outros molhos e cachorros-quentes estranhamente fatiados que ficam por cima.

Encontre: Meu lugar favorito era na Calle Guyaquil, mas você pode encontrar o prato em qualquer lugar. Um pedido ruim de salchipapas pode ser muito ruim! Confie nos habitantes locais ao procurar um lugar.

Chochos, Chifles e Tostados

Chochos (feijão frito andino), chifles (banana-da-terra frita) e tostados (milho torrado) renovaram o entusiasmo que eu tinha pela pipoca salgada. São opções de comida de rua superviciantes em Quito, e estão disponíveis em quase todos os lugares.

Encontre: Lojas de esquina, esquinas e como aperitivo em muitos restaurantes!

Helado

Em Quito, os vendedores vendem cones de sorvete de baunilha com doce de leite ou amora à beira da estrada, distribuindo-os o mais rápido que os carros podem passar. Claro, tivemos que experimentar nós mesmos! Até os empresários vão tomar um sorvete à tarde em Quito, e isso é algo que podemos ajudar. Gorjeta: Você também com certeza verá uma sobremesa fofa parecida com um sorvete na rua chamada espumillas. É um merengue à temperatura ambiente e bastante decepcionante, então não se confunda!

Encontre: Helados Himalaya, Quito

Humitas

Humitas é um prato envolto em palha de milho semelhante a um pamonha, feito com milho local, cebola, ovo e, ocasionalmente, um pouco de queijo. Normalmente servido no café da manhã, ficaríamos felizes em substituir nossa torrada de pão branco por humitas feitas na hora.

Encontre: Mercado Central, Quito

Comida colombiana

Embora tenhamos tido uma experiência culinária maçante na Colômbia, algumas de nossas comidas de rua favoritas no Equador têm origem no país vizinho. O que poderia ser melhor do que uma banana frita coberta com carne cozida e picante (patacones) ou carne recheada com batatas fritas (papas rellenas)?

Encontre: Mercado Central, Quito

Locro de Papa

Se você achou que a sopa de brócolis e queijo era decadente, espere até experimentar Locro de Papa & # 8212, uma sopa feita com leite, queijo e grandes pedaços de batata.

Encontre: Mercado Central, Quito

Canelazo + Beer

Embora os habitantes locais raramente misturem as refeições com as bebidas, isso não significa que seja difícil encontrar uma bebida. Junte-se à diversão e saboreie um forte pedido de canelazo - uma mistura de aguardiente, suco de naranjilla e especiarias - ou uma boa e velha cerveja (Brahma ou Pilsener). Se você simplesmente não consegue tomar outra cerveja, aproveite uma das cervejarias artesanais descoladas espalhadas pela cidade.


Encontre: Qualquer lugar na cervejaria La Ronda ou Bandidos

Quito Food Tour

Confira o Doces e um tour gastronômico ($ 104) para um vislumbre da melhor comida de rua do Equador & # 8217s. E quando você reservar um tour gastronômico por meio de nosso link, isso ajudará a apoiar este blog sem nenhum custo para você.


Comida tradicional equatoriana

Hornado

Este porco assado no espeto é um prato frequentemente encontrado em festas familiares e eventos maiores.

A carne de porco é geralmente cortada na hora e servida com salada, fatias de banana frita ou llapingacho & # 8211 bolos de batata frita.

Uma das minhas comidas equatorianas favoritas, você pode encontrar uma seção inteira do mercado em Cuenca dedicada ao hornado.

Zarapatoca

Um guisado preparado pelos cariocas da região amazônica do país também é um tanto polêmico.

Zarapatoca aproveita bem as tartarugas da região, não tartarugas marinhas, mas tartarugas de rio.

Esta é uma das refeições comuns em uma área onde as fontes de alimentos são muito diferentes, pois os moradores não têm terra para criar animais e, por isso, comem o que existe na selva.

Llapingachos

Esta comida equatoriana é frequentemente usada como acompanhamento e também frequentemente comida como lanche.

Llapingachos são pequenos hambúrgueres de batata ralada, queijo e temperos que são fritos.

Eles são muito comuns na região andina do Equador, muitas vezes como acompanhamento com hornado.

Se você gosta de batatas com queijo este é o prato para você.

Patacones

Bananas verdes fritas, patacones também são conhecidas como tostones em grande parte da América Central, embora se você estiver comendo em Honduras, irá encontrá-las como tajadas.

Os patacones são usados ​​como o principal amido ao longo da costa do Equador em lugares como Canoa, onde são fatiados ou esmagados e depois fritos.

Uchumanga

Uchumanga é um guisado comumente consumido na região amazônica do Equador.

Como muitos pratos costeiros, é muito versátil e pode incluir qualquer peixe do rio que tenha sido capturado pelos pescadores.

Esta sopa não tem desperdícios porque o peixe é cozinhado com intestinos de animais e guisado.

Encebollado

Outra caldeirada desta vez encontrada do outro lado do Equador, na região costeira.

O encebollado geralmente é feito com atum voador, atum ou bonito, e é cozido com mandioca e cebola roxa para fazer um prato farto que costuma ser comido no café da manhã.

Os equatorianos juram que é o melhor remédio para ressaca que existe. Vale a pena tentar, pois a sopa custa apenas alguns dólares.

Mote con Chicharron

A comida equatoriana inclui muitos lanches baratos. O mote é semelhante à canjica e é descascado, cozido e servido com carne de porco no Equador.

Juntos, eles formam uma refeição indulgente e saborosa que realmente combina com o sabor da casca de porco.

Você pode encontrar mote con chicharron em mercados e em vendedores ambulantes.

Morcilla

Semelhante à morcilla na Argentina, essas salsichas de sangue são um lanche rápido ou parte de uma refeição.

Morcilla é encontrada em muitos churrascos e restaurantes de fast food no Equador, onde arroz e vegetais são adicionados ao sangue de porco para fazer um lanche saboroso e carnudo.

Seco de Chivo

Este guisado de cabra é um dos meus favoritos e feito com cebola, pimentão verde, tomate e ocasionalmente suco de fruta azedo.

Se você nunca comeu cabra antes, esta é a hora de experimentá-la.

Menestra

Um guisado feito com lentilha ou feijão, onde as leguminosas são cozidas com cebola, tomate, alho e pimenta em pó.

A menestra pode ser vegetariana, servida com um ovo ou pedaços de carne.

Chontacuro

Uma das iguarias da região amazônica que não é para os melindrosos. Chontacuro são larvas de besouros grandes e, embora muitos os comam crus e se contorcendo.

Muitas vezes são um pouco mais saborosos para os visitantes, tostados em espetos, com um sabor forte, mas agradável.

Muchin de Yuca

A mandioca é a raiz comestível da planta da mandioca e, embora possa ser picada em batatas fritas ou usada de várias maneiras, como a batata.

Muchin de yuca é basicamente um bolinho de mandioca que pode ter recheio de queijo ou carne de porco.

Locro

Esses guisados ​​saudáveis ​​são o sustento perfeito para os dias frios dos Andes. O Locro costuma ser vegetariano e feito com milho, feijão e batata.

No entanto, às vezes o locro pode incluir carne ou carne seca, como chouriço, portanto, pergunte se você é vegetariano.

Espumillas

Embora pareçam sorvete que nunca derrete. As espumilhas são vendidas na rua e não são sorvete, mas sim uma espuma de merengue e aromatizada com frutas como goiaba, depois coberta com calda e granulado.

Pode ser muito tentador tentar, mas você precisa ser muito cuidado ao comer isso, pois a receita pede clara de ovo.

Essas guloseimas ficam expostas ao sol o dia todo, então pergunte por aí para descobrir quais fornecedores são seguros para comprar.

Imagens (c) Ministério de Turismo do Equador, Mark Schaaf, jpc raleigh

Este é um prato tradicional da costa equatoriana chamado Encocado de Camarones em espanhol. Aqui, o camarão é cozido em um caldo rico com GOYA® Sofrito, GOYA® Coconut Milk e tomates em cubos. Sirva com arroz e maduros (bananas maduras) para uma refeição completa!

cada pimentão vermelho e verde, picado grosseiramente

coentro picado grosseiramente

GOYA® Frozen Ripe Plantains, cozido de acordo com as instruções da embalagem

Agora você pode comprar os ingredientes desta receita online! Depois de selecionar seu mercado, você decide se deseja que seus itens sejam entregues ou se deseja retirá-los na loja!


Pan de Yuca

A comida equatoriana oferece inúmeras possibilidades para os nativos e também para os turistas. Três regiões e Galápagos oferecendo constantes delícias, ao que devemos acrescentar a famosa comida de rua, pan de yuca para nos tentar.

Em toda a região da América do Sul, parece que cada país tem alguma variação deste clássico pan de yuca, pão de queijo ou pão de mandioca. Pan de yuca é um tipo de pão feito de fécula de mandioca e queijo típico do sul da Colômbia e da região costeira do Equador.

Qual é a origem da pan de yuca?

Há uma aquarela de 1856 de Manuel María Paz que mostra pão de mandioca sendo preparado por membros do povo Saliva na província de Casanare. Portanto, presume-se que esta seja a região ou província de origem da pan de yuca.

O que é pan de yuca?

O pan de yuca equatoriano é um pão pequeno e com queijo feito com farinha de mandioca (também conhecida como amido de mandioca ou tapioca) e queijo. Existem variações desses pães deliciosos em muitos países latinos. Eles são conhecidos como chipas no Paraguai e na Argentina. Eles são conhecidos como pan de queso Na colômbia, cuñape na Bolívia, e pão de queijo no Brasil. As variações e os ingredientes exatos variam de um lugar para outro. Nossa receita de pan de yuca é feita com amido de mandioca, queijo, manteiga e ovos.

Postagens relacionadas:

Na Colômbia existe um produto muito semelhante ao pão de queijo brasileiro, exceto pelo seu formato tradicional (achatado) denominado pan de osso ou pandebono. Assim como o pão de queijo, o pandebono tem textura esponjosa, de baixa densidade, e endurece em pouco tempo, características que são atribuídas ao amido de mandioca azedo, conhecido no país como mandioca fermentada de amido e obtido da mesma forma que no Brasil.

Em países onde o lanche é popular, ele é barato e geralmente vendido em vendedores ambulantes, lanchonetes e supermercados.

Pão de mandioca é um delicioso aperitivo quente. Pode ser preparado com antecedência e cozido minutos antes de servir. As sobras de pães ficam duras ao esfriar, mas podem ser reaquecidas no micro-ondas (ótimo para o café da manhã no dia seguinte). A farinha é feita de raiz de mandioca e também é conhecida como amido de mandioca ou tapioca. A farinha pode ser encontrada na maioria dos supermercados, em mercearias latinas ou online.

O que é yuca?

Yuca (pronuncia-se yoo-ka) é a raiz da planta da mandioca. Seu nome pode ser confuso por causa de sua semelhança com a planta nativa do deserto do sudeste dos Estados Unidos chamada yucca (pronuncia-se yuhk-a). Os dois não estão relacionados.

As grandes raízes cônicas da mandioca são semelhantes em tamanho e formato às da batata-doce e podem pesar de um a vários quilos. Nos Estados Unidos, você pode comprar facilmente amido de tapioca (farinha de tapioca), que é a forma em pó dessa tão amada raiz latino-americana. Nos supermercados locais, você também pode encontrar raízes de mandioca no corredor de produtos hortifrutigranjeiros. Eles se parecem muito com seus primos próximos, o inhame e a batata, com uma pele áspera, semelhante a uma casca, que deve ser removida ralando ou descascando.

A mandioca, ou mandioca, é um alimento básico importante no mundo em desenvolvimento, fornecendo uma dieta básica para mais de meio bilhão de pessoas. É uma das culturas mais tolerantes à seca, capaz de crescer em solos marginais. Aqui nos Estados Unidos, o nome “tapioca” geralmente se refere ao amido feito da raiz da mandioca.

Qual é o gosto da mandioca?

A polpa amilácea da raiz da mandioca é de cor branca ou creme clara, com textura granulada semelhante à da batata. A carne carnuda é frequentemente descrita como tendo um sabor suave, doce, um tanto quanto a noz.

A mandioca, por outro lado, é uma planta ornamental. Eles são aquelas plantas com flores pontiagudas comuns no sul e no oeste dos Estados Unidos, incluindo Flórida, Novo México e Califórnia. Mas eles não têm a raiz comestível da mandioca e são comumente confundidos.

Com o que é servido pan de yuca?

No Equador, o pan de yuca costuma ser servido com smoothies de iogurte e há vários restaurantes cuja especialidade é o pão de mandioca com iogurte. Os pães de mandioca costumam ser servidos como aperitivo, mas também são ótimos no café da manhã ou no café ou chá da tarde. Pan de yuca é provavelmente um dos pães mais fáceis de fazer à mão, pois os ingredientes são fáceis de misturar, mas é um pouco pegajoso, então você também pode tentar usar o processador de alimentos moderno que funciona tão bem!

Como fazer pan de yuca

A textura dos pães de mandioca varia de acordo com o tipo de queijo que você usa. No Equador, é tradicionalmente feito com ingredientes frescos queso blanco. Para um pão de queijo com textura mais crocante e sabor de queijo mais forte, você pode usar um queijo mais duro e envelhecido, como parmesão ou gruyere. Embora a raiz da mandioca seja rica em amido, o pão não é. É leve e fofo por fora e em borracha por dentro. Porque o pão de mandioca é feito com queijo, tem um sabor ligeiramente salgado.

Se você quiser que os pães de mandioca tenham um formato perfeitamente uniforme ou se eles tendem a cair depois de assados ​​(isso tende a acontecer mais se eles não tiveram tempo para descansar na geladeira antes ou se o forno não foi pré-aquecido / muito quente ao assá-los) - você pode usar uma pequena forma de muffin para mantê-los no lugar.

Para congelar os pãezinhos de mandioca sem assar, coloque-os sobre uma assadeira com papel manteiga e leve ao freezer. Assim que os pães estiverem congelados, transfira-os para um saco Ziploc e guarde no freezer até que seja necessário. Para assar congelados, pré-aqueça o forno a 400-425F, coloque os pães de mandioca congelados em uma assadeira forrada com papel manteiga e leve ao forno até dourar por cima. Que grande economia de tempo ao dar uma festa ou um lanche rápido para as crianças depois da escola!

Muitos dos lugares em que você vê pão de mandioca sendo vendido também vendem iogurte. I think the cheesy-salty flavor of the yuca bread would go well with some nice cool yogurt. Brazilian pão de queijo and our pan de yuca are void of wheat so they make a great option for kids and adults alike who have an intolerance to gluten.

If you happen to visit Ecuador on your next adventure, be sure to indulge in these little yuca bites, preferably piping hot, the cheesier the better and don’t forget the cooling yogurt!


Patacón con Queso

UMA patacón is a fat slice of green plantain that has been twice-cooked in oil. After the first frying, the patacón is smashed flat before being fried again. The result is a crispy on the outside, tender on the inside thick plantain chip. When they are served with a thin slice of fresh, white and mildly-flavored cheese, they are called patacón con queso. A platter of these delicious snacks is great to share over a large pilsner with friends.


Ecuadorian Food – Typical Dishes

Arroz con Pollo (or Camarones)

Arroz con Pollo (rice with chicken) and Arroz con Camarones (rice with shrimp) are both traditional dishes found throughout Latin America.

There's nothing special about the versions you'll get in Ecuador. Both are tasty staple dishes you can always fall back on if nothing else on the menu catches your eye.

Where to Eat It: Anywhere

Ceviche stand on the beach in Montanita

Ceviche

Ceviche is a mix of raw seafood and shellfish “cooked” in citric juices, especially lime juice.

Typical ingredients include white fish, shrimp, crab, clams, squid (calamari), and onions.

Where to Eat It: Ceviche is often enjoyed at the beach. The surf town of Montanita is filled with ceviche carts where you can order a custom-made bowl for as little as $5. For higher quality ceviche, visit one of the many restaurants in Guayaquil.

Choclo

Dry roasted Andean corn is sold as a snack food on the streets.

Where to Eat It: Street vendors

Cuy (Guinea Pig)

Thanks to TV, and word of mouth, cuy is perhaps the best-known Ecuadorian food.

Sampling this small rodent (and pet in Western countries) is a rite of passage for most backpackers, if not all travelers.

Due to the cost, cuy is often eaten by Ecuadorians to celebrate special occasions.

A whole cuy costs about $20.

However, this is typically too much for a single person, especially one who is merely interested in sampling it.

Instead, order a single piece, or quarter cuy to find out if you like it.

Cuy is very greasy, and there's not a lot of meat. It's mostly skin, bones, and cartilage. Expect to use your hands and get messy.

Locals love to eat everything, with the small and crunchy paws and creamy brains being especially popular.

Where to Eat It:Cuenca is the best-known city in Ecuador for cuy. To sample this traditional dish in an excellent restaurant environment, head to Guajibamba Cuyes (Luis Cordero 12 – 32 Y Gaspar Sangurima).

Alternatively, there are several restaurants next to the Market on the main street in Banos that openly cook cuy.

Langostinos in garlic butter sauce at Tiesto's in Cuenca

Langostinos

Langostinos are one of the many fresh and delicious seafood options on offer in Ecuador.

Because the country is so small, they can easily be sourced from the coast, so don't be afraid to order them if you're in the Sierra mountains.

I had some of the best langostinos of my life at Tiesto's Restaurant in Cuenca. Read my review.

Where to Eat It:Tiesto's Restaurant in Cuenca.

Librillo

Librillo is the cooked and chopped stomach lining of a cow.

It can be prepared and served in many ways, usually with rice. It's popular in the mountain regions of Ecuador.

If you're a fan of tripe or are feeling adventurous, order this Librillo.

Where to Eat It: Banos

Llapingachos, eggs, and chorizo cooking on a grill at the Market in Banos

Llapingachos

Llapingachos are one of Ecuador's best known and most beloved dishes.

They are potato patties made with cheese and cooked on a griddle until golden brown.

Llapingachos are often served as a side, along with pork, such as chorizo, a fried egg, avocado, and salad.

This is one of my favorite dishes from Ecuador.

Where to Eat It: The (lunch) Market in Banos for $2.

An upscale version of Locro Soup at Tiesto's in Cuenca

Locro Soup

Locro Soup is a hearty, potato-based soup made with cheese and avocado.

It's popular in the Sierra, and the perfect Ecuadorian food to warm you up on a chilly night.

This was another of my favorite dishes.

Melcocha (taffy) being made in Banos

Melcocha

Wander the streets of Banos long enough, and you're sure to pass by the candy shops where Melcocheros are busy preparing the colorful local taffy, known as Melcocha.

The stretching and kneading process occurs as the taffy is slapped around wooden pegs located inside the door jambs of the shops.

The candy is sweet but dangerous. I wouldn't recommend chewing on it if you've got loose teeth, or have had a lot of dental work done.

Where to Eat It: Any one of the many candy shops in Banos.

Pan de Yuca

Pan de Yuca is a soft bread made with flour from the yuca root, cheese, butter, and eggs. It's common throughout Latin America and often goes by different names depending on the country.

Served warm, it makes an excellent appetizer or snack.

Where to Eat It:Everywhere

Fried Trucha with yuca and vegetables

Trucha

Trout is a traditional dish served throughout the Sierra and is often accompanied by potatoes or yuca, and vegetables.

Where to Eat It:Restaurants in the Sierra mountains (ex: Banos, Cuenca).


Ecuadorian Food

Ecuador is known for its fabulous exotic fruits, high-quality fish and seafood, and the countless varieties of Andean potatoes. Across the country you’ll find a broad spectrum of national and regional dishes, including shrimp, toasted corn and pastries stuffed with spiced meats. If you’re feeling courageous, you can put your culinary bravery to the test with roasted cuy (guinea pig) or tronquito (bull penis soup).

The regular diet of rice, potatoes, and meat (beef and chicken everywhere, pork in the Sierra) is complimented by another national culinary institution, ají (hot sauce). Most Ecuadorian restaurants and homes have their own version of ají, each with its own intensity of picante (a word derived from the verb to bite or to sting), so sample a bit before smothering your food! If you don’t see a little bowl of ají on your table, just ask they’ve surely got it. In addition to ají, basic dishes are usually accompanied by the proverbial rice, small salad, and potatoes or patacones (squashed, fried green bananas). On the coast and in the Amazon, potatoes are often supplemented or replaced by menestra (beans or lentils) or yucca (manioc, cassava).

Soups are without doubt Ecuador’s specialty. Most lunches and dinners are accompanied by a savory soup as the first course. Locro, made with cheese, avocado and potato, sounds a bit odd, but is actually quite tasty. Chupe de pescado, a fish and vegetable soup with coastal origins, is becoming popular throughout the country. Bolder diners can try yaguarlocro, a potato soup made with sprinklings of blood. Those ready to throw their inhibitions completely to the wind should dip their spoon into caldo de pata, a broth containing chunks of boiled cow hooves, considered a delicacy by locals and believed by hopeful men to increase virility.

Other dishes found in your everyday restaurant or home include: seco de pollo (stewed chicken accompanied by rice and avocado slices) lomo salteado (thin beef steak covered with onions and tomatoes) and seco de chivo (braised goat – or more commonly, lamb or mutton – served with a mound of rice. Tortillas de maíz (thin corn pancakes) and choclo (barbecued corn-on-the-cob) are sold by street vendors and make great snacks any time of day.

If after your share of bull penis soup you find yourself hankering for a familiar brand burger, burrito or pizza, don’t panic – the major cities feature (for better or worse) the omnipresent U.S. fast food chains, such as Pizza Hut, Taco Bell, Burger King and McDonald’s.

Eating on a budget in Ecuador

For those on a budget, the best way to stretch your money is to take advantage of set plate meals, an Ecuadorian institution in many restaurants. Lunches (almuerzos) and dinners (meriendas) usually give you a soup, main course (including meat) and dessert for around $1.50. Vegetarian versions are often available upon request.

At only pennies per bite, bakeries offer a delicious range of breads, sweet pastries and savory snacks, such as empanadas (hot, crispy meat or cheese-filled pastries) and llapingachos (potato and cheese pancakes). Dishes sold in the street are also quite cheap, but hygiene is often questionable, and you may quickly surpass your intestinal limits. A good rule to follow is the “locals rule” – if the place is frequented by many locals, the food probably merits joining the crowd.

If you’re the cook, street markets and stalls in major towns sell a good array of fruit and vegetables. You can also pick up exotic spices, as well as fresh herbs to make sauces, infusions or remedies.

In need of some pre-packaged food? Supermarket chains in the big cities have enough variety to keep the average chef happy. If you’re dreaming of English blue cheese or German sausage, there are a handful of specialty stores and delis, particularly in the smarter districts of Quito, which will comfort those taste buds that don’t realize just how far you are from home.


Frutos do mar

Seafood is popular and plentiful throughout Ecuador. Lobster dinners can be enjoyed along the coast and in major cities for very low prices. In Esmeraldas province on the northern coast, your taste buds will happily discover a new culinary twist with encocados, seafood dishes prepared in coconut milk.

The signature dish of the country, however, is ceviche, a seafood dish marinated in lemon and onions – Ecuador’s answer to sushi. Unlike sushi however, Ecuadorian ceviche is always dished up with popcorn! Ceviche can be made of fish (de pescado), shrimp (de camarones), shellfish (de concha), squid (de calamar) or all of the above (mixta). Exercise caution, however, as improperly prepared ceviche – especially de concha – has become one of the primary vectors for cholera and other nasty bacteria. Most restaurants are aware of this and act accordingly, but choose your dining establishment wisely.

Vegetarians will be pleasantly surprised by the wide selection of vegetarian options in Quito, Otavalo, and Baños. Don’t expect too many menu options outside of these three cities, however. You will often find yourself ordering pollo sin pollo – the chicken plate without the chicken. You may get a few raised eyebrows, but at least your meal will be meat-free.

International Cuisine

As an up-and-coming cosmopolitan city, Quito also offers a good selection of international cuisine. If you fancy Argentine steak, Italian pasta, Japanese sushi or Swiss fondue, you won’t be disappointed. Expect prices substantially lower than those in the United States or Europe. Chinese, Mexican, Cuban, Arabic, Indian and vegetarian meals are available in Quito at reasonable prices. Outside of Quito and Guayaquil, only Baños offers a good mixture of international cuisine.

Vocabulary of food preparation:

A la brasa: grilled
Al vapor: steamed
Apanado: batter-fried / breaded
Brosterizado: deep-fried
Encocado: stewed in coconut
Frito: pan-fried
Hornado: roasted
Reventado: skillet-fried
Seco: stewed meat plate

Ecuadorian Drinks

For the sake of your intestinal happiness, drink only bottled or boiled water, not water from the tap. Distilled and sparkling waters from Ecuadorian springs are available throughout the country and are of good quality. If you head for the tap, you’ll probably be heading for the bathroom, or worse, the doctor a few days later. Remember that tap water is frequently used in ice, so request your beverages sin hielo (without ice) in restaurants.

With the mouthwatering exotic fruits of Ecuador come delicious fruit juices, (jugos) including naranjilla (with a lime-rhubarb taste), tomate de árbol (tree tomato), mora (blackberry), guanábana (soursop), maracuyá (passion fruit) and papaya.

Bottled and canned fizzy drinks (including Coca Cola, Sprite and Fanta) are widely available throughout the country, as are teas and coffees. In spite of Ecuador’s status as a coffee producing country, coffee quality is often rather disappointing, as the best beans are usually sent overseas. But if you can hunt down a good cafe you’ll be able to revel in some first-rate caffeine, made from home-grown beans.

Chicha is a traditional libation found throughout Andean countries, made from fermented maíz (corn), rice or yuca (manioc). In some rural parts of Ecuador, the fermentation process is augmented by human saliva: Chicha makers (typically women) chew the ingredients and spit them back in the pot to brew. It’s not a good idea to sample it though, as hepatitis B is commonly passed with the bowl. A variety of Andean versions of chicha exist that aren’t chewed and may be safe.

Not to be missed is the Andean drink of choice: canelazo (or canelito), a popular fiesta drink similar to a hot toddy, made of boiled water, sugar cane alcohol, lemon, sugar and cinnamon.

Good wine from Chile and Argentina is widely available. The cheapest way to enjoy the grape is in the form of a carton (yes, a box!) from the local supermarket. The quality is not the best and you won´t get the glorious sound of a popping cork, but you’ll pay only half the price. If your palate is a bit more finicky, fine wines from Chile, France, Spain and Italy are also available. Ecuadorian wine tends to be sweet, though some vineyards are now producing fine wines.

Most bars serve pilsner-style beers of decent quality and very good value. The most popular brand is Pilsener, which comes in a large bottle. There are few microbreweries in Quito and the Turtle’s Head on La Niña and Amazonas has a good sampling. If you are a fan of Cuba Libres, Daiquiris or Pina Coladas, the local rum is great, as well as ridiculously cheap. And finally, if you want to develop that W.C. Field’s red face or Jimmy Durante nose, why not try the local firewater, aguardiente. It’s strong, frightfully cheap and guaranteed to keep your toes warm.

Common Sense at the Table: a few tips

Allow yourself a bit of time to adjust intestinally eat very cautiously the first few days and then slowly begin to venture out on a culinary limb. Keeping healthy is not only about avoiding germs, but also about acclimating to new ones. Many Ecuadorians complain about traveling to the States and getting sick from U.S. food or water, so it goes both ways!

Going against popular belief, food, rather than water, is usually the culprit of intestinal problems. Eating well-cooked, piping hot food is possibly the best way to avoid problems. Avoid uncooked and under-cooked foods. Especially salads should be avoided until you’ve developed some local intestinal flora to be able to handle it. Fruits that must be peeled before being eaten, such as bananas, pineapples and oranges, are usually a safe bet.

Most (but not all!) tourist-frequented places understand the limitations of the foreigner stomach and act accordingly in the kitchen. Food bought on the street and in apparently unsanitary restaurants should be avoided.

Assume that water is unsafe to consume unless you know otherwise. Ask for bottled water (agua pura or agua con gas). The easiest and safest way to ensure safe drinking water (other than direct from a sealed bottle) is to boil it. Remember, however, that once the water cools it can be recontaminated, so keep purified water in a covered container. Iodine tablets are an excellent alternative when boiling is impractical. Your local cafe may use water from a variety of sources in making its juices, so exercise caution in your choice of establishments. Milk is often used in fruit juices to lend a creamier texture, but is sometimes not pasteurized, so once again be cautious. Like water, milk can be purified by boiling.