Coquetel de gemas

Eu tinha algumas frutas sobrando pela casa e não sabia o que fazer com elas, então combinei e algo delicioso saiu

  • 6 damascos pequenos
  • 3 pêssegos
  • 2 maças
  • uma laranja
  • 100ml de água
  • 350g de açúcar

Porções: -

Tempo de preparação: menos de 30 minutos

PREPARAÇÃO DA RECEITA Coquetel de gemas:

Descasque uma abóbora, rale e esprema o sumo.

Junte a água e mexa bem até formar uma pasta com essas frutas, leve ao fogo com o açúcar e ferva até formar uma massa bem aderente.


Os 15 melhores coquetéis de verão para um clima quente

Seja qual for o seu espírito de escolha, essas bebidas irão mantê-lo fresco durante os meses mais quentes.

Um coquetel no verão tem um propósito único: deve fazer você se sentir bem. Queremos dizer legal no sentido literal da palavra. Legal, como brisas suaves, respingos salgados do oceano e o ar fresco das unidades de CA. Legal, como a mangueira de água daquela piscina inflável que você pode ou não ter comprado em pânico, enquanto previa um verão passado pelo menos em isolamento parcial. Esse é o tipo de cool que um Negroni forte traz para a sua noite, ou um Julep com hortelã fresca. Você o encontrará em qualquer quantidade de bebidas à base de rum, principalmente nos congelados, como Pi & ntildea Colada ou Pain Killer. É o que torna aqueles grampos de tequila de clima quente (oh sim, é a temporada de Margarita) tão refrescantes.

Essas receitas clássicas de coquetéis de verão, que variam de misturas simples a mais intensas, são ideais para beber em clima quente. Domine um punhado e mdasha Mojito é particularmente impressionante e quase bebível quando é bom e você terá um menu de coquetéis de happy hour armazenado em seu cérebro. Portanto, faça logoff, desligue ou desligue. Saia do escritório em casa e vá para a cozinha, no deque traseiro ou na unidade da frente, onde você pode beber o coquetel que acabou de preparar. E, como sempre, fique calmo.

Ingredientes

& touro 2 onças tequila prata
e touro 1 onça. Cointreau
e touro 1 onça. limonada
Sal grosso de touro

Refrigere um copo de coquetel, esfregue sua borda com suco de limão e mergulhe-o em sal grosso. Adicione tequila, Cointreau, suco de limão e gelo em uma coqueteleira. Agite e coe para o copo com gelo.

Ingredientes

e touro 1 onça. Gim seco londrino
e touro 1 onça. Campari
e touro 1 onça. vermute vermelho

Adicione os ingredientes em uma coqueteleira. Mexa bem com gelo picado. Coe para um copo com gelo em cubos. Enfeite com uma rodela de casca de laranja.

Ingredientes

e touro 1/2 onça. vodka
e touro 1/2 onça. Gin
e touro 1/2 onça. rum branco
e touro 1/2 onça. tequila prata
e touro 1/2 onça. Cointreau
e touro de 3/4 onças. suco de limão
& touro 2 colheres de chá. calda comum
e touro de 3/4 onças. Coca Mexicana

Agite os ingredientes (exceto a Coca Mexicana) e depois coe para um copo Collins sobre gelo picado. Cubra com Coca-Cola e decore com um toque de limão.

Ingredientes

e touro 2 onças. rum branco
e touro 1/2 onça. suco de limão (espremido na hora)
& touro 1 colher de chá. Açúcar refinado
& bull 3 mint leavesclub refrigerante ou seltzer

Em um copo Collins pequeno, misture o suco de limão com 1/2 a 1 colher de chá. Açúcar refinado. Adicione as folhas de hortelã, esmagando-as contra a lateral do vidro. Encha o copo 2/3 com gelo picado e despeje o rum. Junte a casca de limão espremida e finalize com club soda ou seltzer.

Ingredientes

e touro 2 onças. rum escuro
e touro 1 onça. limonada
e touro 1/2 onça. cura de laranja e ccedilao
e touro 1/2 onça. Xarope orgeat
e touro 1/8 onças. xarope de doce de rocha

Agite os ingredientes com gelo picado em uma coqueteleira gelada. Despeje em um copo grande Collins (ou caneca tiki) sem coar. Enfeite com meia casca de limão e um raminho de hortelã.

Ingredientes

e touro 2 1/2 onças. rum
e touro 3 onças. suco de abacaxi
e touro 1 onça. Creme de coco
e touro de gelo

Comece com o rum. Em seguida, misture com suco de abacaxi sem açúcar (você pode adicionar em 85 gramas de abacaxi esmagado ou inteiro) e creme de coco no liquidificador. Misture em alta com uma xícara ou mais de gelo picado ou 5 ou 6 cubos de gelo. Despeje em um copo alto. Enfeite com o que você tiver.

Ingredientes

e touro 3 onças. bourbon
& touro 5-6 folhas de hortelã
& touro 1 colher de chá. filho

Coloque as folhas de hortelã no fundo de uma xícara de estanho seca e pré-resfriada. Adicione o açúcar e amasse levemente com um misturador. Encha o copo com gelo bem trincado e despeje generosas 3 onças de bourbon Kentucky sobre o gelo. Mexa rapidamente até o vidro congelar. Adicione mais gelo e mexa novamente antes de servir. Espete alguns ramos de hortelã no gelo para obter o aroma.

Ingredientes

e touro 3 onças. rum escuro ou dourado
e touro 2 1/2 onças. suco de abacaxi
e touro 1 onça. suco de laranja
e touro 1 onça. Creme de coco

Agite bem os ingredientes com gelo na coqueteleira. Coe em um copo de furacão sobre gelo fresco. Enfeite com noz-moscada ralada.

Ingredientes

& touro 1 garrafa de vinho de mesa tinto
& touro 1/2 xícara de conhaque
& touro 1/2 colher de chá de suco de laranja
& bull 1/2 colher de chá de suco de romã
& bull 2 ​​C. água com gás
& touro 1/4 xícara de xarope simples
e fatias de laranja touro
e fatias de maçã touro
e amoras-pretas
e sementes de romã touro

Misture todos os ingredientes em uma jarra. Coloque a jarra na geladeira e deixe repousar durante a noite. Para sangria em copos. Enfeite com uma rodela de laranja.

Ingredientes

e touro 1 onça. rum leve
e touro 1 onça. rum escuro
e touro 1 onça. licor de banana
e touro 1 onça. licor de amora
e touro 1 onça. suco de laranja
e touro 1 onça. suco de abacaxi
e respingo de touro de grenadine

Agite todos os ingredientes com gelo. Coe para um copo com gelo fresco. Enfeite com frutas frescas.

Ingredientes

e touro 2 onças. rum branco
& touro 1/2 colher de chá. Açúcar refinado
e touro 1/2 onça. limonada

Esprema o limão na coqueteleira, acrescente o açúcar e acrescente o rum. Agite bem com gelo picado e depois coe para uma taça de coquetel resfriada.

Ingredientes

e touro 2 onças. tequila
e touro 1/2 onça. limonada
Pitada de sal
& touro toranja refrigerante

Combine a tequila (em repouso, de preferência), o suco de limão e o sal em um copo alto. Adicione gelo, cubra com refrigerante de toranja e mexa.

Ingredientes

e touro 2 onças. rum escuro
e touro 1 onça. xarope de maracujá
e touro 1 onça. suco de limão fresco
e fatias de laranja touro
e cerejas maraschino touro

Misture o rum, a calda de maracujá e o suco de limão com gelo em uma coqueteleira. Agite até ficar gelado. Despeje em um copo de furacão cheio de mais cubos de gelo. Enfeite com rodelas de laranja e cerejas ao marasquino.

Ingredientes

e touro 2 onças. vodka
e touro 2-3 onças. coquetel de suco de cranberry
e touro 1/2 onça. limonada
e refrigerante de clube de touro

Despeje vodka, suco de cranberry e suco de limão em um copo Collins com gelo. Mexer. Cubra com club soda e decore com uma rodela de limão.

Ingredientes

e touro 3 onças. Gin
& touro 3 fatias de limão
& touro 4 onças. água tônica

Adicione o gim a um copo alto cheio de gelo. Esprema em fatias de limão a gosto. Em seguida, adicione água tônica e misture bem. Enfeite com uma fatia de limão.


Coquetel de gemas - Receitas

De terça a quinta das 11h00 às 19h00, sexta-feira às 11h00 às 17h e sábado a partir das 22h às 16h00 Fechamos domingo e segunda-feira.

Para sua segurança e a segurança de nossos outros clientes e funcionários, respeitosamente pedimos que você use uma máscara ao visitar nosso showroom.

Propriedade e administração familiar desde 1918, The Gem Printing Company tem atendido a área de Nova Orleans por 100 anos! Agora, pela Internet, atendemos todos os Estados Unidos Continentais. Nós o convidamos a tomar seu tempo e navegar em nosso site. Temos certeza que você ficará satisfeito com nossa qualidade, acabamento e atendimento super rápido.

Se você tiver alguma dúvida ou comentário, por favor o email ou ligue para (504) 834-9580 ou (504) 831-1762. Nossa página Sobre nós contém nossos horários e informações de contato.

Sobre Nossa Loja

Propriedade e administração familiar desde 1918, a The Gem Printing Company atende a área de Nova Orleans há 100 anos! Agora, pela Internet, atendemos todos os Estados Unidos Continentais. Nós o convidamos a tomar seu tempo e navegar em nosso site. Temos certeza que você ficará satisfeito com nossa qualidade, acabamento e atendimento super rápido.


Como fazer um coquetel de Mojito em casa

Quer se refrescar no estilo cubano, mas no conforto da sua casa e não em um bar? Você pode saborear um coquetel de Mojito em casa, com alguns ingredientes que você encontra em qualquer supermercado!

E se você seguir esta receita de coquetel de Mojito, você ganha 4 porções, para dividir com seus amigos visitantes.

1. Em 4 copos diferentes coloque meio limão lavado, cortado em quartos.
2. Adicione 1 colher de sopa de açúcar a cada copo e 4-5 folhas de hortelã.
3. Esmague bem o conteúdo do copo com o cabo de uma colher ou um utensílio de cozinha mais duro.
4. Em seguida, adicione 50 ml de rum em cada copo, gelo picado (com torneira ou no processador de alimentos) e complete com água mineral.
5. Enfeite cada copo com um pouco de hortelã e sirva os coquetéis Mojito imediatamente.


Espeleologia urbana: Bryant's Cocktail Lounge

Você e eu sabemos que o Bryant’s Cocktail Lounge, 1579 S. 9th St., está tudo menos escondido. Na verdade, por quase um século, o lugar tem sido um robusto South Side, combinando coquetéis artesanais com música e iluminação que aumentam o clima.

Você e eu sabemos que Bryant & rsquos Cocktail Lounge, 1579 S. 9th St., está tudo menos escondido. Na verdade, por quase um século, o lugar tem sido um robusto South Side, combinando coquetéis artesanais com música e iluminação que aumentam o clima.

Desde julho de 2008, John Dye & ndash, cujo portfólio de bares agora também inclui The Jazz Estate on the East Side e At Random em Bay View & ndash, segue a tradição.

Quando ele assumiu o lugar do proprietário anterior, Debbie Malmberg & ndash, cujo pai Carl administrou o lugar por algumas décadas até sua morte, Dye prometeu deixá-lo em paz. majoritariamente.

"Nós o mantivemos o mais próximo possível da autenticidade", disse Dye ao OnMilwaukee naquela época. & quotEstamos tentando reviver como era nos & # 3970s quando foi aberto pela primeira vez (em sua forma atual). & quot

E 12 anos depois, ele ainda se sente da mesma maneira.

As cabines e as mesas ainda estão lá, os painéis ainda estão lá. A iluminação é a mesma. As bebidas estão deliciosas como sempre. It & rsquos ainda é chamado de Bryant & rsquos.

Mas a idade está fazendo seu trabalho martelando neste edifício de taberna do século 19 & ndash por dentro e por fora & ndash, então Dye está constantemente trabalhando para consertar e atualizar o lugar sem ninguém realmente perceber.

“É meio bonito do jeito que é”, ele me diz enquanto estamos no salão principal durante um tour pelo lugar. & quotEstamos começando a fazer algumas atualizações, mas sabemos que temos que fazer isso lenta e cuidadosamente. & quot

Isso & rsquos porque desde que o proprietário homônimo, Bryant Sharp, assumiu em 1936, Bryant & rsquos tem sido amado como é.

Antes de Bryant, havia muita vida neste edifício.

O prédio do Bryant & rsquos data de cerca de 1890, no mínimo, e talvez até um pouco antes.

O primeiro proprietário da propriedade que pude encontrar foi Oscar Steinhoff e sua esposa Johanna, que comprou um pedaço de lotes contíguos ali em 1874 e começou a vender pelo menos alguns deles. Em 1880, alguns quando foram para Carl Limbrecht, enquanto em 1882, outros & ndash incluindo o local do futuro Bryant & rsquos & ndash para George Dantzmann, que trabalhava como carregador e vivia na Scott Street, embora em 1884 ele vivesse do que parece ser o lote ao norte do lounge de coquetéis.

Curiosamente, uma atualização de 1892 de um mapa de seguros de 1888 observa que o prédio no local, que parece ser a estrutura atual, era uma padaria, embora nenhum negócio desse tipo pudesse ser encontrado naquele endereço nos diretórios da cidade entre 1887 e 1894.

Em 1897, um Adam Tump & ndash que anteriormente dirigia um saloon na Plankinton Avenue (então East Water Street) & ndash comprou o local, o que sugere que ele mudou seu negócio de taberna para o prédio, embora dentro de alguns anos ele estivesse de volta nas mãos de Dantzmann & rsquos, o que pode ser um sinal de que Tump não cumpriu o contrato de venda de um terreno.

Em 1902, Dantzmann vendeu o prédio para a Fred Miller Brewing Co., que imediatamente gastou US $ 800 para sustentar o prédio com uma fundação de tijolos e adicionar uma pequena adição.

Em seguida, alugou o lugar para Joseph Lang por um ano, antes de ele dar lugar ao dono do bar Anton Bialk, que também passou apenas um ano atrás do bar antes de partir para enfrentar um saloon na Ilha Jones.

Herman Hoerres dirigiu o local de 1905 a 1908, seguido por Mathias (Mathew) Mahnke por dois anos, seguido por Rudoph Weber de 1911 a 1915.

Miller alugou o lugar para H. F. Stiemke em 1915 e dois anos depois observou que o valor do negócio era de $ 3.631,35 e que o aluguel era de 10% desse montante. Em 1917, Stiemke teve $ 544 em vendas.

Nesse mesmo ano, Miller transferiu a propriedade para a Oriental Investment Co., uma das várias empresas imobiliárias de propriedade da família Miller, que atuava no mercado imobiliário. Na verdade, foram as propriedades imobiliárias da família cervejeira que a ajudaram a sobreviver aos 13 anos de Lei Seca, que matou muitas cervejarias.

A empresa alugou o local para o ex-fabricante de charutos e revendedor de bebidas da Mitchell Street Daniel Manning para uma casa de refrigerantes de 1920 até 1922 e, em 1923, Bruno Damling o alugou.

Mais tarde, em 1923, com os Estados Unidos secos já há três anos, Oriental vendeu o prédio para Herman Zastrow em um contrato de terra e ele e sua esposa Blanche seriam os proprietários e operariam o lugar & ndash primeiro como uma sala de refrigerantes e então, após a Revogação , como uma taberna & ndash até 1937.

Herman Zastrow morreu em 1934 e Blanche alugou o salão para a Sra. Lottie Wiza (nee Janowiak), que, com seu marido Martin, também administrava uma taverna na Avenida W. Lincoln, 1720. dos anos 1930 aos & lsquo40s.

Como mencionei antes, Bryant Sharp chegou em 1936 e alugou de Zastrow até comprá-lo em 1940.

Bryant do lado de fora na 9th Street, por volta de 1940 (acima), e do lado da 9th Street hoje (abaixo).

Sharp, que obviamente transformou o lugar no que é hoje, tanto visual quanto esteticamente, parece ter mudado de sobrenome, por razões desconhecidas. Seu obituário observou que o sobrenome de seus pais era Stremke, e outra fonte nomeou seu filho como Conrad Stremp.

O que sabemos sobre Bryant, além de que ele era apaixonado por coquetéis, é o que é igualmente apaixonado por música e equipamento de som. Ainda hoje, Dye parece muito satisfeito quando mostra o sistema vintage que continua em uso até hoje.

Tão conhecida era a audiofilia da Sharp & rsquos que chegou a sair nos jornais.

Em 1953, o Sentinel & rsquos Edward P. Haline escreveu:

& quotUm salão equipado com reprodução de alta fidelidade dificilmente pode se dar ao luxo de lidar com essas palhaçadas (jitterbugs de cabelo comprido), ele deve ter o melhor e o melhor em hi-fi geralmente é música sinfônica e coral também. Já existe uma dessas tabernas nesta cidade, Bryants, dirigida por um gênio amante da música de gostos amplos, Bryant Sharp, que já foi um barman de navios e rsquos em vapores transatlânticos, agora se dedicando ao cultivo de gemuetlichkeit de alta fidelidade. Bryant tem uma ampla seleção de registros de longa data, no valor de cerca de US $ 1.000, ele estima, e ele é o criador do programa, criterioso, discreto e persuasivo. Se um cliente reclamar que uma fuga de Bach está subindo por suas costas, e isso é o que às vezes se sente no bar com tratamento acústico, Bryant agradável muda para algo como & quotSouth Pacific & quot ou uma valsa de Strauss. O próprio Bryant diz que gosta de todas as músicas, e está particularmente inclinado para as coisas grandes e climáticas que só a alta fidelidade pode capturar em todos os seus efeitos avassaladores. Em seguida, ele larga a napette de bar para agarrar uma batuta imaginária para a passagem dramática. Ocasionalmente, Bryant tem que recusar porque algumas clientes, um pouco sensíveis a sons que não sejam suas próprias vozes, não querem muita concorrência. & Quot

De acordo com uma história no site do Bryant & rsquos, & quot pouco se sabe sobre & quot Sharp & ndash, que Dye sugere que era um neatnik e extremamente particular sobre os detalhes de quase tudo & ndash & quotPessoas que o conheciam o descreveram como quieto e sério , com talento e paixão pela mixologia. Ele é creditado por ter inventado o Esquilo Rosa, a Mosca da Cauda Azul e a Banshee, todos os três que se tornaram bastante populares naquela época. Ele também era conhecido por criar sabores únicos, que vendia para empresas cordiais. & Quot

Em 1940, Sharp gastou US $ 850 para reformar a taverna, incluindo um novo revestimento de madeira externo, reconstruiu as escadas para o segundo andar, que foi transformado de um apartamento em outro espaço lounge (mais um escritório) e para realocar os banheiros no andar principal . Ele investiu outros US $ 1.500 no reforço do porão, colocando um novo telhado e um "recondicionamento geral exterior", de acordo com uma licença apresentada à prefeitura.

A fachada em 1957. (FOTO: Cidade de Milwaukee)

Dezessete anos depois, ele tornou o salão principal maior, fechando uma varanda no lado oeste do edifício.

Dois anos depois, em outubro de 1959, Sharp morreu, de 61 anos, e sua esposa Edna dirigiu o bar por alguns anos antes de vender para o empregado de longa data Carl Malmberg, que todos chamavam de Pat (foto abaixo).

Pat rebatizou o espaço do andar de cima (foto abaixo em 1965) de Velvet Lounge em 1968, mas apenas três anos depois, na rua St. Patrick & rsquos Day, o fogo rasgou o Bryant & rsquos, destruindo tudo, exceto o casco do edifício.

“Enquanto muitos proprietários de bares olhavam para tal devastação sem esperança e seguiam em frente, Pat respondeu ao incêndio com determinação para reconstruir Bryant melhor do que antes”, observa a história de Bryant. “Ele mandou reconstruir o bar usando apenas o melhor material e habilidade. Ele reconstruiu os registros e substituiu o aparelho de som Mcintosh por um novo modelo, mas desta vez ele os banhou a ouro. Ele não poupou despesas, querendo que o Bryant & rsquos fosse o melhor salão de coquetéis da cidade.

& quotQuando Bryant & rsquos reabriu, era apenas isso, o melhor cocktail lounge Milwaukee já tinha visto. Quase todos os dias havia pessoas esperando para entrar assim que o salão abrisse. Nos fins de semana, não era incomum ter pessoas enfileiradas no quarteirão, esperando para vir ao Bryant & rsquos. Acreditamos que o tempo mostrou que Pat teve sucesso em sua missão. O bar ainda está intocado. & Quot

Dezembro de 1971, remodelado após o incêndio.

Prístina, então. E a atenção aos detalhes nos coquetéis, na manutenção do espaço e na preservação de sua identidade, história e atmosfera, certamente seria aprovada e apreciada por seu homônimo fundador, o sempre tão peculiar Bryant Sharp.


Primeiro cuidamos do camarão, se for usado fresco, limpe bem e enxágue em água fria corrente Deixe 12 pedaços com o rabo para enfeitar.

Se tiver congelado, coloque direto na água fervente e, a partir do momento em que começar a ferver, deixe por apenas um minuto.

Em seguida, coloque uma panela com água fervente e, quando ferver, coloque os camarões e cozinhe por no máximo dois minutos, não exagere, pois eles ficam pegajosos, eles esfriam completamente.

Enquanto isso, prepare o molho. Misture a maionese com ketchup, conhaque, suco de limão, sal e pimenta a gosto. Em vez de pimenta você pode colocar algumas gotas de molho Tabasco. E um pouco de molho Worcestershire dá um sabor especial à mistura.

Em seguida, pique o camarão e misture com o molho.

Em seguida, prepare 6 xícaras (se tiver para o coquetel, são perfeitas), coloque as folhas de alface lavadas e secas e divida a composição por igual em cada uma.

Decore as xícaras com os camarões que você deixou com o rabo e rodelas de limão e deixe esfriar até o momento de servir.

Se você já se deu conta do gostinho das receitas deste blog, fico te esperando todos os dias no página do Facebook. Lá você encontrará muitas receitas postadas, novas ideias e discussões com os interessados.

* Você também pode se inscrever em Grupo de receitas de todos os tipos. Lá você poderá enviar suas fotos com pratos experimentados e testados deste blog. Poderemos discutir cardápios, receitas de comida e muito mais. No entanto, recomendo que você siga as regras do grupo!

Você também pode nos seguir no Instagram e no Pinterest, com o mesmo nome "Receitas de todos os tipos".


Índice:

  • Avaliando cor e qualidade em gemas azuis
  • Pedras preciosas azuis ideais para uso diário
    • Safira
    • Turmalina (Indicolita e Paraíba)
    • Aquamarine
    • Spinel
    • Turquesa
    • Diamante azul
    • Calcedônia
    • Jeremejevite
    • Dumortier
    • Safirina
    • Olho de Falcão
    • Jadeite Azul
    • Tanzanita
    • Moonstone
    • Iolite
    • Apatita
    • Larimar
    • Benito
    • Zircão
    • Lápis lazúli
    • Topázio
    • Opala
    • Lazulite
    • Grandidier
    • Pérolas Azuis de Akoya
    • Azurita
    • Kyan
    • Labradorita
    • Sodalita
    • Silliman
    • Shattuck
    • Smithsonite
    • Viviane
    • Halit
    • Hemimorfita
    • Scorodite
    • Cavansite

    Avaliando cor e qualidade em gemas azuis

    Os gemologistas avaliam a cor considerando matiz, tom e saturação. As gemas costumam ter um matiz secundário além de um matiz primário. Para gemas azuis, os matizes secundários comuns são o verde e o violeta. Em geral, um tom de azul mais puro é desejável e, quando uma pedra se afasta mais do azul, ela é menos valiosa. Ainda assim, as gemas do azul esverdeado e do azul violeta são bastante atraentes! Safiras azuis com leves matizes violetas ainda são a cor superior. Outras gemas, como a turmalina paraíba, exibem mais comumente tons secundários de verde.

    Como muitas gemas azuis, este topázio azul suíço tem uma tonalidade verde secundária. © CustomMade. Usado com permissão.

    Os tons de azul atingem a saturação máxima, ou intensidade, em tons médio-escuros, cerca de 85%. Isso é chamado de limite de gama. A saturação vívida é uma cor que arregala os olhos. Os tons mais escuros aparecerão como tinta ou aço, enquanto os tons mais claros podem aparecer desbotados ou cinza. No entanto, belas gemas azuis ocorrem em uma ampla gama de tons, desde tons claros e azuis celestes até cores escuras e profundas.

    Poucas joias podem rivalizar com a profundidade da cor desta safira de Madagascar. © Tesouro da Terra. Usado com permissão.

    Os graus de clareza têm muito menos importância nas gemas azuis do que nas incolores. Uma vez que a cor pode mascarar inclusões, torna-as menos perceptíveis. No entanto, evite grandes inclusões ou fraturas, pois elas ainda podem tornar a pedra mais frágil. Para gemas de tom azul mais claro, um grau de clareza um pouco melhor melhorará a aparência da gema. Nesses casos, evite inclusões escuras, pois elas serão facilmente aparentes em uma gema clara.

    As águas-marinhas são geralmente gemas azuis muito claras. Uma inclusão sombria em uma gema como essa prejudicaria sua beleza. © CustomMade. Usado com permissão.

    Se você está pensando em usar uma gema azul para um anel de noivado ou joias finas, considere projetar uma peça exclusiva com CustomMade. Seus especialistas podem ajudá-lo a encontrar uma pedra de alta qualidade, e você evitará a má qualidade que a maioria dos grandes varejistas oferece (como esta safira excessivamente escura de James Allen).

    Pedras preciosas azuis ideais para uso diário

    Se você está procurando uma gema azul para um anel, os seguintes tipos são suas melhores apostas. Cada uma dessas pedras tem pelo menos 6,5 na escala de dureza de Mohs, tornando-as resistentes a arranhões. Melhor ainda, eles são menos propensos a quebrar quando acidentalmente caem ou batem contra uma mesa. Essas pedras duras azuis resistem ao uso diário, tornando-as ideais para anéis de noivado. Com a limpeza regular, eles também continuarão com a mesma aparência do dia em que você os comprou.

    Safira

    De longe a gema azul mais popular para lapidação, a safira azul pode ter uma saturação muito alta. Os noivados reais também o tornaram uma das escolhas mais populares para os anéis de noivado! Este birthstone de setembro pode ocorrer em qualquer cor, exceto vermelho (que é rubi), mas seus tons clássicos e mais conhecidos vão do azul ao violeta. Esses tons surgem de traços de titânio e ferro na estrutura de cristal da gema. As safiras costumam ser submetidas a um tratamento térmico, o que melhora sua clareza e cor.

    Se uma safira natural está fora de sua faixa de preço, considere uma pedra criada em laboratório. Estas têm a mesma durabilidade e beleza das pedras naturais, mas por uma fração do preço.

    Brilhantes e brilhantes, as safiras Montana geralmente têm um matiz verde secundário, mas a falta desta pedra & # 8217s de um cinza metálico é excepcional. © Tesouro da Terra. Usado com permissão.

    Turmalina (Indicolita e Paraíba)

    Uma opção moderna para o birthstone de outubro, as turmalinas aumentaram recentemente em popularidade e preço. As turmalinas ocorrem em todas as cores, mas os espécimes azuis, chamados indicolitos, são raros e altamente valorizados. Devido à sua raridade, as gemas de indicolita acabadas conterão inclusões e fraturas com mais freqüência do que outras variedades coloridas de turmalina.

    A maior parte da turmalina azul contém pequenas quantidades de ferro, que lhe dão cor. Alguns indicolitos são submetidos a tratamento térmico. Este processo indetectável cria uma cor mais clara, mas estável.

    Alguns indicólitos brasileiros exibem uma cor intensa conhecida como & # 8220Mutaca blue. & # 8221 © Kat Florence. Usado com permissão.

    Alguns indicolitos contêm cobre. Essas pedras, encontradas pela primeira vez no Brasil na década de 1980, foram chamadas de “turmalina paraíba” em homenagem à área de origem original. No entanto, os mineiros descobriram turmalinas contendo cobre em outras partes do mundo. As turmalinas da Paraíba têm cores azul-esverdeadas brilhantes, parecidas com neon, que impressionaram a indústria de gemas quando chegaram ao mercado. Essas gemas são rotineiramente submetidas a tratamento térmico para melhorar a cor, e algumas até têm aprimoramento de clareza semelhante às esmeraldas.

    Essas turmalinas de paraíba vêm da veia original da mina da Batalha. Eles não são reforçados com calor. Uma impressionante gema de 4,15 ct fica no anel, e o pingente carrega uma pedra de 15 ct. Foto cedida por Shelly Sergeant, Somewhere in the Rainbow Collection.

    Aquamarine

    Conhecida pelos azuis aquosos e verdes azuis, a água-marinha nunca atinge os tons escuros e a alta saturação das safiras e turmalinas. No entanto, os tons mais escuros têm mais valor, mesmo que a pedra seja um pouco cinza. No passado, a amada pedra de nascimento moderna de março era usada como um talismã para manter os marinheiros seguros no mar.

    Essas pedras são rotineiramente submetidas a tratamento térmico para diminuir os tons de verde, resultando em um azul mais puro. No entanto, algumas águas-marinhas não se alteram com este tratamento e permanecem com uma espuma do mar incomum, mas atraente, azul esverdeado.

    Pingentes e anéis de água-marinha antigos. © A pulga parisiense de Hampden. Usado com permissão.

    Spinel

    Há muito esquecido pelo público, mas um dos favoritos entre os gemologistas, o espinélio está aos poucos ganhando o reconhecimento que merece. Declarado recentemente uma opção moderna para o birthstone de agosto, o espinélio ocorre em uma ampla variedade de cores, incluindo o azul. Embora muitos sejam muito escuros para ver a cor corretamente, os tons médios de saturação intensa são bonitos de se ver. As espinelas de cor cobalto são particularmente apreciadas por suas cores azuis brilhantes e intensas. Os espinelos sintéticos, comuns e baratos, são freqüentemente usados ​​como simuladores ou imitações de muitas gemas.

    Harry Tutunjian projetou este anel, & # 8220Ocean Tides & # 8221, com um espinélio azul com corte de almofada de 15 quilates e vidro marinho colorido representando as ondas. Foto de Darryl Alexander e Sean Milliner. Imagem cortesia de Shelly Sergeant, Somewhere in the Rainbow Collection.

    Turquesa

    Muito difundido tanto em joias baratas quanto em peças de design, a turquesa é a gema azul mais popular. Sua dureza varia de 3 a 7,5, dependendo da mineralogia de sua rocha hospedeira. Portanto, algumas turquesas são altamente resistentes a arranhões, mas a maioria as arranhará facilmente. Uma birthstone de dezembro com simbolismo antigo, a turquesa é amada por muitos. No entanto, turquesa de baixo grau frequentemente sofre estabilização ou recebe tinta para intensificar sua cor. Algumas imitações são vendidas até como turquesa reconstituída. Cuidado, comprador.

    A turquesa também é comum em joias antigas como este anel, por volta de 1870. © A pulga parisiense de Hampden. Usado com permissão.

    Diamante azul

    Do lado mais caro, os diamantes azuis de cores extravagantes são bastante raros, mas têm um belo brilho e dispersão, ou fogo. Embora as gemas naturalmente coloridas raramente atinjam alta saturação, as gemas tratadas com irradiação e calor, ou através do processo HPHT, podem ter uma cor forte com pouco cinza. Os diamantes criados em laboratório também podem ser azuis.

    Este diamante tem uma cor excelente, mas contém muitas inclusões. Fancy Intense Blue Diamond HPHT 3 quilates Princess cut # 31854 da R. Rothem Diamonds no Vimeo. Licenciado sob CC por 3.0.

    Calcedônia

    A translucidez encantadora e o baixo custo levaram a um ligeiro ressurgimento da popularidade da calcedônia. A calcedônia em tons de azul, chamada crisocola, pode apresentar tons secundários de cinza ou lilás. Uma nova variedade, colorida por níquel e cromo, apresenta tons de azul esverdeado brilhantes. Você & # x20AC; & # x2122; você o encontrará comercializado como aquapraseâ & # x20AC; & # x2122; Os lapidários costumam criar cabochões ou esculturas a partir dessas pedras para melhor mostrar a cor e a translucidez.

    Com uma atraente cor azul-esverdeada, o aquaprase & # x2122 está causando sucesso na comunidade de joias. © Sam Woehrmann. Usado com permissão.

    Jeremejevite

    Um dos minerais mais raros do mundo, a jeremejevita ocorre em apenas alguns lugares. Espécimes de qualidade de gema da Namíbia exibem tons claros de azul água-marinha. Cristais transparentes de outros locais são incomuns. Apesar de sua raridade, alguns lapidários lapidaram esta joia. Com uma dureza de 6,5 a 7,5 e sem clivagem relatada, esta gema ultra-rara é durável o suficiente para ser usada em joias normais!

    Um espécime raro e facetado de jeremejevita da Namíbia. Foto de DonGuennie. Licenciado sob CC By-SA 4.0.

    Dumortier

    Se você preferir um cabochão mais exclusivo, a dumortierita é uma excelente opção de joia. Azul a violeta-azul, este material geralmente massivo é incomum, mas pode ser muito bonito. Sua rara ocorrência na forma cristalina significa que poucas peças podem ser facetadas. Em alguns espécimes, as inclusões de dumortierita no quartzo criam estruturas hipnotizantes que lembram um recife de coral.

    Inclusões fibrosas de dumortierita neste cabochão de quartzo parecem fogos de artifício no céu noturno. Anel desenhado por Michael Endlich. Foto de Sarah Francis. © Pavé Belas Joias. Usado com permissão.

    Safirina

    Nomeado para tons de azul que podem se assemelhar a safira, safirina pode ter tons claros a escuros, de azul a azul esverdeado. Cristais finos e facetáveis ​​são raros e colecionáveis. Alguns espécimes transparentes ocorrem no Sri Lanka, mas outros locais geralmente não produzem gemas azuis de alta qualidade. No entanto, com uma dureza de 7,5 e clivagem pobre, esta gema é durável e se mantém bem em joias.

    Safirina 1,13 ct. Foto de Donna Rhoads. © D & ampJ Rare Gems, Ltd. Usado com permissão.

    Olho de Falcão

    Com uma deliciosa chatoyancy, as pedras dos olhos do falcão são um prazer de observar. Essas pedras são a versão azul do olho do tigre. Enquanto o ferro coloriu o olho do tigre de marrom dourado, isso não ocorreu no olho do falcão. Assim, o azul titânio da pedra fica visível.

    Neste anel arquitetônico, um cabochão de olho de falcão & # 8217s mostra acidez acentuada. & # 8220Anel de parafuso Metropolis & # 8221 © Gina Pankowski. Usado com permissão.

    Jadeite Azul

    Outrora a favorita dos antigos maias, a jadeíte azul é muito rara. Essa pedra, que ocorre apenas na Guatemala, costuma ser um tanto cinza. No entanto, a jadeíta é uma das joias mais resistentes e é ainda conhecida por suas qualidades musicais. Se você acertar o jade com um martelo, ele soará como um sino!

    Jadeíte azul celeste e quartzo rosa formam uma combinação delicada. © The Jade House. Usado com permissão.

    Gemas azuis para uso ocasional

    Infelizmente, nem todas as gemas azuis são resistentes. Alguns são moles ou propensos a lascar. As gemas a seguir são mais adequadas para brincos, pingentes e broches. If you’re creating a ring with one of these gems, use a protective setting to minimize wear.

    Tanzanite

    Found only in a small area of Tanzania, this stone’s popularity has skyrocketed in recent years. Intense blue and violet hues, the result of heat treatment, mimic fine sapphire at a fraction of the price. However, tanzanite can easily chip or break if knocked against a surface. Still, this rare stone makes a beautiful alternative to sapphire.

    This top-quality tanzanite has an intense blue color with slight violet hues. © Aharoni Jewellery. Used with permission.

    Moonstone

    This June birthstone option has an unusual sheen called adularescence. In many specimens, this appears as a cloud of blue floating within a milky white stone. Top-quality moonstone has a bright, medium blue adularescence on a colorless body. Lapidaries usually carve such stones or cab them with high domes. This variety of feldspar is somewhat soft and prone to chipping, so be sure to store it away from other stones.

    Moonstone cabochons often have a high dome to best show adularescence. This ring features a large moonstone with bright blue adularescence with diamond and sapphire accents. © The Gem Vault. Used with permission.

    Iolite

    Though it never reaches the saturation of fine sapphire, iolite can serve as an excellent and inexpensive alternative. With low prices and a lack of known gem treatments, some gemologists consider iolite an underappreciated stone. This gem’s intense pleochroism, appearing dark blue from one angle but light yellow from another, is wonderful to behold. Furthermore, this mineral may have some historical importance. Some historians suspect this was the “Viking Sunstone,” used for navigation at sea. Nevertheless, this stone can break in two if improperly handled.

    This setting will protect its dark and violet blue iolite gem very well. © Aharoni Jewellery. Used with permission.

    Apatite

    The term “apatite” refers to an entire group of minerals. However, you’ll often see it used alone to refer to apatite gems. Though these gems occur in almost any color, the bright, neon blue-green material from Brazil is especially spectacular. Still, apatites are heat sensitive and brittle, so use caution when setting them in jewelry. Never clean them with mechanical or heated cleaning systems.

    Bright blue-green hues in this Caribbean apatite sparkle like tropical waters. © Kat Florence. Used with permission.

    Larimar

    In the Dominican Republic, the fibrous mineral pectolite grows in a dense blue form known as the gemstone larimar. While quite tough, this gem rates at best a 6 on the Mohs hardness scale, making it somewhat prone to scratching. This rare gem makes for a great souvenir and a unique gift for gem collectors.

    A large, dreamy sky blue piece of larimar adorns this pendant, which also features tanzanite accents. © Market Square Jewelers. Used with permission.

    Benitoite

    If a blue diamond is out of your price range, consider benitoite. This gem has more dispersion, or fire, than diamond, and, in spite of its rarity, is less expensive, too! While still not a cheap gem, this unique California stone will turn heads for its deep blue color and bright fire. However, with a hardness of 6.0-6.5, it may develop scratches over time. Due to its brittle nature, this blue stone should be well protected in a jewelry setting.

    This 2.40-ct benitoite has some flaws, but its violet-blue color hides them well. © Earth’s Treasury. Used with permission.

    Zircon

    Another underappreciated gem, zircon has dazzling brilliance and fire. Often confused with the synthetic material cubic zirconia, buyers may overlook this natural stone in favor of another gem. Still, bright blue hues in this modern December birthstone are attractive and often have a strong green component. While this stone may chip, its beautiful sparkle makes it an attractive and affordable choice for jewelry.

    Properly cut zircon gems have a sparkle that few gems can rival. © Pebble Sprout. Used with permission.

    Lapis Lazuli

    With symbolism thousands of years old and bold royal blue hues, lapis lazuli is one of the most popular blue gemstones. While somewhat prone to scratching, lapis is tough and, due to its abundance and low cost, can be easily replaced if damaged. While most of the world prefers a solid, even blue color, some American connoisseurs prefer a smattering of pyrite inclusions, which appear in the dark blue stone like stars in the night sky.

    A smattering of pyrite in this piece of lapis lazuli gives the gem a cosmic appearance. “Transforming Necklace” © Gina Pankowski. Used with permission.

    Topaz

    This November birthstone is best known for reddish and yellow hues, but the advent of irradiation and heat treatment has given rise to inexpensive and attractive blue topaz stones. Treatment produces stable colors in gems that remain perfectly safe for wear. While topaz is somewhat prone to chipping, proper cutting angles should reduce this risk.

    Several trade names describe the color of topaz. This gem is “London blue,” darker in tone than “Swiss blue” and “sky blue,” and has a strong secondary green hue. © Pebble Sprout. Used with permission.

    In a class of its own, this October birthstone is one of the most eye-catching gems. Opal also has a rich folklore. In blue hues, a precious opal’s play of colors can resemble sunlight on the ocean’s surface. Even common opal in blue hues is quite attractive. Nevertheless, these stones are soft and may be scratched when exposed in jewelry. Furthermore, opals from some mines may craze, or crack, when they dry out. Covering an opal with a hard top stone as a triplet will protect it from scratches, and proper care will go a long way in keeping your gem beautiful.

    Swirls of green in this deep blue opal fit perfectly in a pendant design inspired by nature. Pendant design by Michael Endlich. Photo by Sarah Francis. © Pavé Fine Jewelry. Used with permission.

    Lazulite

    Though faceted lazulites are very rare and too brittle for jewelry, cabochons of massive material are more stable. Often mistaken for other blue gemstones, lazulite is difficult both to identify and cut. Still, the attractive blue hues of this gem make for an excellent addition to a collection.

    A dark toned 1.53-ct lazulite. Photo by Donna Rhoads. © D&J Rare Gems, Ltd. Used with permission.

    Grandidierite

    One of the world’s rarest gemstones, gem-quality grandidierite above 2 carats is extremely rare. While most gem specimens are only translucent, a 2016 find in Madagascar is bringing more transparent material to the market. This blue-green stone is resistant to scratching but may chip if knocked or accidentally dropped. With its extreme rarity and high prices, replacing such a stone would be no easy task.

    At over 1-ct and internally flawless, this faceted piece of grandidierite is an item of true rarity. © JL White Fine Gemstones. Used with permission.

    Blue Akoya Pearls

    When most people think of pearls, they think of white or ivory colors. Meanwhile, aficionados have been drooling over rare blue pearls in recent years. These gems have a blue tint but the same coveted luster as white Akoya pearls. In addition, they’re much rarer. Long rejected by pearl farmers, these blue pearls have gained traction. Today, consumers are searching for something natural yet more unusual than a typical white pearl strand. However, like all pearls, blue Akoyas are soft and require special care.

    Strands of baroque blue Akoya pearls with very high luster. © Pearls of Joy. Used with permission.

    Azurite

    Bold blue colors in azurite make it a popular stone for collectors and hobbyists. Often confused with lapis lazuli, this gem often forms with malachite, and lapidaries cut opaque blue and green cabochons from this material. Facetable crystalline material is rare, and cut gems above a carat would be too dark. Still, the intense color lends itself well to cabochons. As with any soft material, store azurite jewelry away from harder stones.

    Azurite cabochons can bring bold color to jewelry, like these earrings. Photo by Deidre Woollard. Licensed under CC By 2.0.

    Kyanite

    Kyanite is an unusual gem. Its hardness varies from 4 to 7.5 on the Mohs scale, depending on the crystal axis. Often a grayish blue, it also usually contains inclusions. Still, some lapidaries have managed to facet kyanite, in spite of its cleavage and designation as a brittle stone.

    Kyanite cabochons in these earrings have attractive, silky inclusions. “Kyanite Comet Earrings” © Gina Pankowski. Used with permission.

    Labradorite

    Certain specimens of labradorite feldspar exhibit a delightful blue sheen when properly oriented. This effect, called labradorescence, arises from twinned mineral planes. When this phenomenon covers the entire stone, the result is spectacular. With low costs and relative abundance, labradorite can be a part of any gem collection.

    With a bright and uniform sheen, this labradorite is sure to turn heads. A paraiba tourmaline adds sparkle and complements the labradorite’s color. © The Gem Vault. Used with permission.

    Sodalite

    Sodalite is another opaque blue option for jewelry. Lapidaries often use this material for carvings, cabochons, and beads. A component of lapis lazuli, sodalite has long been treasured for its lovely color. However, it remains inexpensive, even in large sizes. With a relatively low hardness, it may scratch easily but is unlikely to break.

    Beads of sodalite bring an appropriate color to this mermaid necklace. © Laurel Moon Jewelry. Used with permission.

    Sillimanite

    Sometimes known as fibrolite, due to the fibrous form in which it sometimes occurs, sillimanite can have beautiful crystals. Although fairly hard (6.5-7.5), this material is also brittle and may cleave or fracture easily. This makes it a challenge for lapidaries and a risky choice for jewelry. Though more common as a pale yellow stone, sillimanite can have pale blue hues like a light-tone aquamarine. Most dark blue specimens have been dyed.

    A lightly blue tinted 3.1-ct sillimanite gem adorns this cocktail ring. © Market Square Jewelers. Used with permission.

    Shattuckite

    First discovered in the Shattuck Mine in Bisbee, Arizona, this copper silicate often exhibits colors similar to turquoise. This mineral rarely grows as a large crystal form. Instead, it often pseudomorphs after malachite. While soft and brittle on its own, shattuckite often occurs mixed with quartz in a massive deposit. When this happens, the resulting gem material with bright blue and blue-green colors becomes durable enough for wear.

    Blue and blue-green swirls in this shattuckite stone are mesmerizing. Ring by Leslie Zemenek. Image courtesy of RiverSea Gallery.

    Blue Collector’s Gemstones

    Some gems are best for display only, safe from the bumps and scratches that can arise from jewelry wear. Although these blue gemstones may not be ideal for jewelry, they can bring color and interest to a viewing collection.

    Smithsonite

    Made of zinc carbonate, smithsonite is both brittle and soft. However, faceted stones can exhibit spectacular dispersion. This fire makes it highly desirable for gem enthusiasts. While this mineral can have a variety of colors, blue to blue-green material is a favorite for mineral collectors.

    Blue, banded, and cloudy smithsonite cabochons on display at the Mineralogical Museum, Bonn, Germany. Photo by Ra’ike. Licensed under CC By-SA 4.0.

    Vivianite

    Vivianite is so soft, a fingernail could scratch it! Even more unusual, this mineral darkens when exposed to light. Most specimens come out of the ground colorless or with only a pale green hue. Over time, they can darken into a deep blue. In spite of the challenges vivianite poses, a few lapidaries have succeeded in cutting this gem.

    How long have these vivianite cabochons been exposed to light? Photo by Brittany Tucker. Public Domain.

    Halite

    Possibly the tastiest gem, halite is the mineral term for sodium chloride, best known as salt. Defects in its crystal lattice can result in spectacular royal blue and violet colors. Mineral collectors seek perfect cubic crystals. Due to its solubility, brittleness, perfect cleavage in three directions, and low hardness, lapidaries would have difficulty faceting this stone.

    Deep blue hues and an almost artificial-looking cubic form make blue halite a delightful addition to any collection. © Rob Lavinsky, www.iRocks.com. Used with permission.

    Hemimorphite

    This zinc silicate mineral can show pale to rich blue colors. Crystalline hemimorphite is rare, but some cabochons of massive specimens exist. Some mineral specimens have microcrystalline material, and a few large, facetable crystals have been mined. However, this stone is brittle and soft, so any faceted stones may be best suited to a collection.

    Blue and bright, a hemimorphite like this specimen from China is perfect for any collection. Photo by James St. John. Licensed under CC By 2.0.

    Scorodite

    This iron arsenate mineral is soft and somewhat brittle, making it too fragile for jewelry wear. However, scorodite’s arsenic content may be a better reason not to wear this gem. Although not highly poisonous in its mineral state, exposing scorodite to water (such as sweat) could allow arsenic to leach out. Crystals large enough to facet do occur, though rarely. Nonetheless, lapidaries have used their skills to show off the blue colors of this dangerous mineral. If you choose to cut this stone, take precautions. Don’t inhale any dust or mist and wash your hands thoroughly.

    Gemmy specimens of scorodite from Tsumeb, Namibia. © Rob Lavinsky, www.iRocks.com. Used with permission.

    Cavansite

    Most often found in Pune, India, cavansite crystals can have a beautiful blue hue. However, specimens large and transparent enough to facet are extremely rare. Sometimes druzy or massive cavansite is worn as jewelry. However, these stones are soft and brittle.

    Bright greenish blue cavansite crystals on stilbite from the Pune district, India. Photo by Géry Parent. Licensed under CC By-SA 3.0.


    The Rosemary Hound

    Ingrediente

    • 2 părți de vodka
    • ½ parte suc de grapefruit roz
    • 1 parte sirop (după preferințe)
    • Frunze proaspete de rozmarin
    • 2 felii de grapefruit roz.

    Mod de preparare

    Sucul de grapefruit se amestecă cu vodka, siropul și frunzele proaspete de rozmarin și se pun într-un shaker și se amestecă bine. Se adaugă și gheață mărunțită și se toarnă totul într-un pahar care se ornează cu felii de grapefruit.


    Sex On The Beach

    Tot pentru iubitorii de vară, care au nevoie să își potolească dorul de vacanță, recomandăm și celebrul Sex on The Beach. Acesta este iubit indiferent de sezon, însă bineînțeles că în anotimpul cald este mai potrivit.

    Ingrediente:

    • 200 ml de suc de merișoare
    • 100 ml de suc de portocale
    • 75 ml de vodcă
    • 75 ml de lichior de portocale.

    Mod de preparare:

    Amestecă toate ingredientele cu ajutorul unui shaker. Toarnă apoi cocktail-ul în paharul plin de cuburi de gheață, adaugă un pai și servește într-o companie plăcută. Dacă locuiești singur în această perioadă de distanțare socială, poți savura cocktail-ul în timpul unui apel video cu o persoană dragă.

    Menținerea echilibrului psihic este esențială în această perioadă în care ni se recomandă distanțarea socială, însă asta nu înseamnă că trebuie să uităm de vechile obiceiuri care ne făceau să ne simțim bine. Dacă, de pildă, în fiecare vineri seară ieșeai în oraș cu gașca de prieteni și vă bucurați împreună de câteva cocktail-uri, nu trebuie să renunți la acest obicei. Folosiți aceste rețete de cocktail pentru a vă prepara singuri, în intimitatea propriei case, o băutură savuroasă, de care vă puteți bucura împreună, dar de la distanță, prin intermediul aplicațiilor care permit apeluri video.


    Cocktail de creveti reteta clasica – aperitiv cu creveti si sos cocktail

    Cocktail de creveti reteta clasica – aperitiv cu creveti si sos cocktail. Reteta de salata de creveti cu sos picant din maioneza, ketchup si TABASCO ® sos ardei rosu. Cum se face cocktail de creveti? Cum se face sos cocktail pentru fructe de mare? Aperitiv cu creveti, salata verde, maioneza si sos picant preparat dupa reteta clasica.

    Cred ca toata lumea stie de acest cocktail de creveti (shrimp sau prawn cocktail) devenit celebru in anii 󈨊-󈨔 atat in Europa cat si in Statele Unite. Romanii au auzit mai tarziu de el, vazandu-l mai intai prin reviste, la televizor sau prin filme, la cinema. Este o reteta simpla de salata de creveti asezonata cu un dressing cremos si picant (sos cocktail) si garnisita cu fasii subtiri de salata verde sau iceberg.

    In mod traditional acest cocktail de creveti se serveste ca aperitiv si este montat in pahare sau cupe. Mergand pe firul istoric al acestei salate de creveti am descoperit doua surse ale orginii ei: prima ar fi America anilor 󈧘, in plina prohibitie (de acolo si ideea folosirii paharelor de cocktail) iar a doua, ceva mai recenta, in anii 󈨀, in Marea Britanie. Timp de aproape 3 decenii a tronat in meniul restaurantelor britanice sau americane, fiind considerat o mare „hipstereala” iar acum a devenit un fel clasic, un aperitiv „retro”, foarte gustos de altfel.

    La finalul retetei gasiti un video marca Gordon Ramsay in care prepara acest dish clasic in cadrul unei serii de emisiuni cu retete din anii 󈨊. Chiar el mentioneaza ca acest cocktail de creveti se servea inainte de un alt fel celebru, foarte la moda in acei ani – Steak Diane – antricot de vita cu sos de ciuperci (gasiti reteta aici).

    Gustul tipic al acestui aperitiv cu creveti vine din sosul cocktail care contine maioneza de casa, ketchup (de casa e cel mai bun!), TABASCO ® sos ardei rosu, cognac sau brandy precum si sos Worcestershire (la englezi) respectiv hrean ras la americani. TABASCO ® sos ardei rosu este un „must have” al acestui cocktail de creveti, fara el neexistand aceasta reteta.


    Video: COCKTAIL OF BEADS - PERLE COCKTAIL (Dezembro 2021).