Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Essas pessoas realmente comeram um sapato

Essas pessoas realmente comeram um sapato

É um velho clichê: alguém é tão pobre ou faminto que começa a comer o próprio sapato. Se alguém já fez isso para acabar com a fome está em aberto para debate, mas o conceito definitivamente decolou graças à comédia muda de 1925 A corrida do ouro, em que Charlie Chaplin cozinha delicadamente, pratos, filés, serve e come um sapato, até mesmo enrolando os cadarços de seu garfo como espaguete (sério, você deveria assista a cena se não, é hilário). Mas as chances de Chaplin e sua co-estrela Mack Swain estarem realmente comendo um sapato de verdade são quase nulas; parece muito mais alcaçuz do que couro. Alguém já comeu um sapato de verdade? Sim, de fato: essas pessoas sim.


Em 1980, o cineasta alemão Werner Herzog perdeu uma aposta para o amigo Errol Morris e comeu o próprio sapato, após cozinhá-lo com a ajuda de ninguém menos que a chef Alice Waters, em seu restaurante Chez Panisse. Todo o evento foi transformado em um curta-metragem, apropriadamente intitulado “Werner Herzog Come Seu Sapato.”


Esse cara, que é conhecido por comer alguns coisas idiotas e enviá-los ao YouTube, comprei um sapato chique, refoguei com alguns vegetais e comecei a comer um pouco. Ele não parece gostar a experiência.


Esse cara do YouTube ferve seus sapatos e realmente consegue sufocar a maioria deles. Provavelmente, aconselharíamos a escolha de comer um sapato de couro em vez de um de pano, no entanto.


Um torcedor do Portland Trailblazers chamado Josh Thatcher fez uma aposta que, se o guarda Damian Lillard não conseguisse entrar no elenco do All-Star da Conferência Oeste no início deste ano, ele comeria um sapato. Lillard não o fez, então Thatcher comprou um sapato de tamanho infantil em uma loja Goodwill, ferveu-o, colocou-o no liquidificador e bebeu como parte de um smoothie. Tudo bem, então.


Sammy aqui só consegue comer o molho apimentado de um sapato e roer o cadarço, mas A pelo esforço, achamos. Esse sapato parece nojento.


A comida que alimenta Shalane Flanagan

Em 2017, Shalane Flanagan se tornou a primeira mulher americana em 40 anos a vencer a Maratona da Cidade de Nova York. Seu segredo? Alimentos que são mais do que apenas combustível. Em seu novo livro de receitas, Corra rápido. Cozinhe rápido. Coma devagar, a treinadora de nutrição Elyse Kopecky e Flanagan compartilham as refeições nutritivas e deliciosas que a ajudaram a quebrar a fita no Central Park. Pedimos a eles que compartilhassem seus cinco pratos principais.

Shalane:
Esta é uma das minhas receitas favoritas de todos os tempos. É um dos primeiros que testamos juntos na cozinha Elyse & rsquos em Bend, Oregon. Eu tinha acabado de ser diagnosticado com uma fratura nas costas e tive que desistir da Maratona de Boston de 2017 e não pude correr ou treinar significativamente por 10 semanas. Eu estava me sentindo pra baixo, mas comer isso era animador. Era algo novo e delicioso, e eu soube imediatamente que este livro de receitas seria incrível. Trabalhar no livro me deu um senso de propósito quando me senti um pouco perdido porque não conseguia correr.

Eu amo saladas tailandesas, então esta é uma ótima versão saudável, e ainda mais forte porque é feita com quinua. No verão, adoro adicionar um bife fresco da grelha e não exigente com o corte, desde que seja bovino alimentado com capim. Esta receita foi um grampo durante todo o meu treinamento, e eu comi na semana que antecedeu a Nova York. Eu sabia que tinha os carboidratos de que precisava e seria fácil para o meu estômago, e tento não mudar nada que fiz no treinamento antes de uma grande corrida.

Elyse:
Muitas pessoas não pensam em colocar ervas frescas em uma salada de grãos, mas elas são boas para a digestão e a inflamação e têm muitas vitaminas e minerais. Esta receita traz muito manjericão e hortelã, que também adicionam muito sabor. E a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que o torna um ótimo alimento para vegetarianos. Esta salada não tem glúten e também pode ser facilmente vegana - basta deixar de fora o molho de peixe.

Shalane:
Quando eu treinava muito, eu corria 130 milhas por semana por cerca de oito semanas. Meu sistema imunológico pode sofrer um forte golpe. Esta sopa dá um grande impulso. Cada ingrediente tem um propósito. Elyse me ensinou que o leite de coco integral é antiviral e o curry é ótimo para inflamação. E tem todos esses vegetais: batata-doce, grão de bico, couve. É simplesmente saudável e reconfortante. Durante o inverno, eu estava treinando para Boston, no Colorado, e estava frio, ventoso e com neve. Eu corria duas vezes por dia, e minhas corridas noturnas eram mais difíceis de fazer. Ter uma sopa quente para esperar quando eu voltasse tornava as coisas um pouco mais fáceis. Onde quer que eu esteja treinando, encontro uma padaria local para obter massa fermentada para acompanhar.

Elyse:
As sopas são um alimento incrível para os corredores. Eles são mais hidratantes do que água pura por causa do sódio e dos eletrólitos naturais, e são fáceis de carregar com uma variedade de vegetais ricos em nutrientes. Para esta sopa, a batata-doce fornece um carboidrato complexo de fácil digestão, muitos eletrólitos essenciais e vitaminas B energizantes. O leite de coco é rico em ácidos graxos de cadeia média, que são fáceis de queimar para obter energia, e oferece uma riqueza cremosa sem adicionar laticínios, aos quais muitos corredores são sensíveis.

Shalane:
Preciso de muita proteína no meu treinamento. Eu anseio por isso, e isso me mantém satisfeito. A conveniência e versatilidade das almôndegas são realmente atraentes. Você faz um grande lote e os tem por perto. Meu treinamento é como o Groundhog Day & mdash it & rsquos extenuante, e it & rsquos praticamente a mesma coisa todos os dias durante três meses. Ter uma boa variedade de opções de alimentos que não sejam insossos e enfadonhos é muito importante para manter as papilas gustativas felizes. Estes são tão versáteis & mdash que você pode até jogá-los em saladas ou em tigelas de arroz.

Elyse:
A Turquia fornece proteínas fáceis de digerir, além de vitaminas e minerais essenciais para a produção de energia. Muitas pessoas pensam que apenas frutas e vegetais fornecem vitaminas, mas a carne de alta qualidade é rica em nutrientes. O método de cozimento também os torna uma boa escolha para corredores atarefados: assá-los é rápido e você não precisa dourá-los primeiro e depois observar constantemente enquanto eles fervem.

Shalane:
Eu faço exercícios intensos de pista. Antes de Nova York, eu estava fazendo repetições de milhas por volta das 4:40, por até 12 milhas no total durante o treino. Naqueles dias, eu fazia um grande smoothie e comia uma pequena porção para acompanhar meu mingau de aveia antes da corrida, e então bebia o resto após o treino. Depois de um treino duro como aquele, não estou com muita fome, mas quero uma boa recuperação, e a reidratação é especialmente importante. Portanto, este smoothie é um ótimo intermediário antes de me sentar para uma refeição completa.

Tento integrar beterrabas em minha dieta quando estou treinando duro e mdashscience mostrou que elas podem ser boas para o seu sistema cardiovascular porque contêm nitratos que ajudam a baixar a pressão arterial.

Elyse:
A beterraba é rica em minerais como o potássio, que ajuda na hidratação e na função muscular. A aveia é uma fonte de carboidratos complexos de fácil digestão que fornecem energia para correr. Mas o mais importante é que alimentos energéticos como esses são mais eficazes quando combinados na proporção certa. Por exemplo, podemos absorver as vitaminas solúveis em gordura das frutas e vegetais sem a gordura do iogurte. É por isso que tomar um suplemento não é tão eficaz quanto comer de verdade.

Shalane:
Eu anseio muito por chocolate e manteiga de amendoim. E eu adoro tomar xícaras de pasta de amendoim ao meio-dia, depois do almoço com chá quente e mdashthat & rsquos meio que meu ritual. Quando estou treinando forte, estou ansioso para um doce tratamento e isso realmente acerta o ponto. Eu só preciso de um ou dois, e é realmente satisfatório. Se eu não estiver acumulando uma tonelada de milhas, eu devo fazer isso algumas vezes por semana. Mas quando estou treinando para uma maratona, minhas papilas gustativas se intensificam. Isso é uma coisa obrigatória, todos os dias.

Elyse:
Copos de manteiga de amendoim comprados em lojas estão cheios de açúcar e óleos hidrogenados & mdashthey ​​& rsquore realmente ruim para você. Eles são indulgentes e ricos, mas você pode se sentir bem em comê-los. Eles usam óleo de coco, manteiga de amendoim, cacau em pó e xarope de bordo como ingredientes principais, portanto, todos os alimentos integrais, gorduras boas e adoçantes naturais. Ter isso guardado no meu freezer é uma maneira incrível de obter todas as gorduras boas de que preciso, com uma pequena mordida.


A comida que alimenta Shalane Flanagan

Em 2017, Shalane Flanagan se tornou a primeira mulher americana em 40 anos a vencer a Maratona da Cidade de Nova York. Seu segredo? Alimentos que são mais do que apenas combustível. Em seu novo livro de receitas, Corra rápido. Cozinhe rápido. Coma devagar, a treinadora de nutrição Elyse Kopecky e Flanagan compartilham as refeições nutritivas e deliciosas que a ajudaram a quebrar a fita no Central Park. Pedimos a eles que compartilhassem seus cinco pratos principais.

Shalane:
Esta é uma das minhas receitas favoritas de todos os tempos. É um dos primeiros que testamos juntos na cozinha Elyse & rsquos em Bend, Oregon. Eu tinha acabado de ser diagnosticado com uma fratura nas costas e tive que desistir da Maratona de Boston de 2017 e não pude correr ou treinar significativamente por 10 semanas. Eu estava me sentindo pra baixo, mas comer isso era animador. Era algo novo e delicioso, e eu soube imediatamente que este livro de receitas seria incrível. Trabalhar no livro me deu um senso de propósito quando me senti um pouco perdido porque não conseguia correr.

Eu amo saladas tailandesas, então esta é uma ótima versão saudável, e ainda mais forte porque é feita com quinua. No verão, adoro adicionar um bife fresco da grelha e não exigente com o corte, desde que seja bovino alimentado com capim. Esta receita foi um grampo durante todo o meu treinamento, e eu comi na semana que antecedeu a Nova York. Eu sabia que tinha os carboidratos de que precisava e seria fácil para o meu estômago, e tento não mudar nada que fiz no treinamento antes de uma grande corrida.

Elyse:
Muitas pessoas não pensam em colocar ervas frescas em uma salada de grãos, mas elas são boas para a digestão e a inflamação e têm muitas vitaminas e minerais. Esta receita traz muito manjericão e hortelã, que também adicionam muito sabor. E a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que o torna um ótimo alimento para vegetarianos. Esta salada não tem glúten e também pode ser facilmente vegana - basta deixar de fora o molho de peixe.

Shalane:
Quando eu treinava realmente duro, eu começava a correr 130 milhas por semana por cerca de oito semanas. Meu sistema imunológico pode sofrer um forte golpe. Esta sopa dá um grande impulso. Cada ingrediente tem um propósito. Elyse me ensinou que o leite de coco integral é antiviral e o curry é ótimo para inflamação. E tem todos esses vegetais: batata-doce, grão de bico, couve. É simplesmente saudável e reconfortante. Durante o inverno, eu estava treinando para Boston, no Colorado, e estava frio, ventoso e com neve. Eu corria duas vezes por dia, e minhas corridas noturnas eram mais difíceis de fazer. Ter uma sopa quente para esperar quando eu voltasse tornava as coisas um pouco mais fáceis. Onde quer que eu esteja treinando, encontro uma padaria local para obter massa fermentada para acompanhar.

Elyse:
As sopas são um alimento incrível para os corredores. Eles são mais hidratantes do que água pura por causa do sódio e dos eletrólitos naturais, e são fáceis de carregar com uma variedade de vegetais ricos em nutrientes. Para esta sopa, a batata-doce fornece um carboidrato complexo de fácil digestão, muitos eletrólitos essenciais e vitaminas B energizantes. O leite de coco é rico em ácidos graxos de cadeia média, fáceis de queimar para obter energia, e proporciona uma riqueza cremosa sem adicionar laticínios, aos quais muitos corredores são sensíveis.

Shalane:
Preciso de muita proteína no meu treinamento. Eu anseio por isso, e isso me mantém satisfeito. A conveniência e versatilidade das almôndegas são realmente atraentes. Você faz um grande lote e os tem por perto. Meu treinamento é como o Groundhog Day & mdash it & rsquos extenuante, e it & rsquos praticamente a mesma coisa todos os dias durante três meses. Ter uma boa variedade de opções de alimentos que não sejam insossos e enfadonhos é muito importante para manter as papilas gustativas felizes. Estes são tão versáteis & mdash que você pode até jogá-los em saladas ou em tigelas de arroz.

Elyse:
A Turquia fornece proteínas fáceis de digerir, além de vitaminas e minerais essenciais para a produção de energia. Muitas pessoas pensam que apenas frutas e vegetais fornecem vitaminas, mas a carne de alta qualidade é rica em nutrientes. O método de cozimento também os torna uma boa escolha para corredores ocupados: assá-los é rápido e você não precisa dourá-los primeiro e depois observar constantemente enquanto eles fervem.

Shalane:
Eu faço exercícios intensos de pista. Antes de Nova York, eu estava fazendo repetições de milhas por volta das 4:40, por até 12 milhas no total durante o treino. Naqueles dias, eu fazia um grande smoothie e comia uma pequena porção para acompanhar meu mingau de aveia antes da corrida, e então bebia o resto após o treino. Depois de um treino duro como esse, não estou com muita fome, mas quero uma boa recuperação, e a reidratação é especialmente importante. Portanto, este smoothie é um ótimo intermediário antes de me sentar para uma refeição completa.

Tento integrar beterrabas em minha dieta quando estou treinando duro e mdashscience mostrou que elas podem ser boas para o seu sistema cardiovascular porque contêm nitratos que ajudam a baixar a pressão arterial.

Elyse:
A beterraba é rica em minerais como o potássio, que ajuda na hidratação e na função muscular. A aveia é uma fonte fácil de digerir de carboidratos complexos que fornecem energia para correr. Mas o mais importante é que alimentos energéticos como esses são mais eficazes quando combinados na proporção certa. Por exemplo, podemos absorver as vitaminas solúveis em gordura das frutas e vegetais sem a gordura do iogurte. É por isso que tomar um suplemento não é tão eficaz quanto comer de verdade.

Shalane:
Eu anseio muito por chocolate e manteiga de amendoim. E eu adoro tomar xícaras de manteiga de amendoim ao meio-dia, depois do almoço com chá quente e mdashthat & rsquos meio que meu ritual. Quando estou treinando forte, estou ansioso para um doce tratamento e isso realmente acerta o ponto. Eu só preciso de um ou dois, e é realmente satisfatório. Se eu não estiver acumulando uma tonelada de milhas, eu devo fazer isso algumas vezes por semana. Mas quando estou treinando para uma maratona, minhas papilas gustativas se intensificam. Isso é uma coisa obrigatória, todos os dias.

Elyse:
Copos de manteiga de amendoim comprados em lojas estão cheios de açúcar e óleos hidrogenados & mdashthey ​​& rsquore realmente ruim para você. Estes são indulgentes e ricos, mas você pode se sentir bem em comê-los. Eles usam óleo de coco, manteiga de amendoim, cacau em pó e xarope de bordo como ingredientes principais, portanto, todos os alimentos integrais, gorduras boas e adoçantes naturais. Ter isso guardado no meu freezer é uma maneira incrível de obter todas as gorduras boas de que preciso, com uma pequena mordida.


A comida que alimenta Shalane Flanagan

Em 2017, Shalane Flanagan se tornou a primeira mulher americana em 40 anos a vencer a Maratona da Cidade de Nova York. Seu segredo? Alimentos que são mais do que apenas combustível. Em seu novo livro de receitas, Corra rápido. Cozinhe rápido. Coma devagar, a treinadora de nutrição Elyse Kopecky e Flanagan compartilham as refeições nutritivas e deliciosas que a ajudaram a quebrar a fita no Central Park. Pedimos a eles que compartilhassem seus cinco pratos principais.

Shalane:
Esta é uma das minhas receitas favoritas de todos os tempos. É um dos primeiros que testamos juntos na cozinha Elyse & rsquos em Bend, Oregon. Eu tinha acabado de ser diagnosticado com uma fratura nas costas e tive que desistir da Maratona de Boston de 2017 e não pude correr ou treinar significativamente por 10 semanas. Eu estava me sentindo pra baixo, mas comer isso era animador. Era algo novo e delicioso, e eu soube imediatamente que este livro de receitas seria incrível. Trabalhar no livro me deu um senso de propósito quando me senti um pouco perdido porque não conseguia correr.

Eu amo saladas tailandesas, então esta é uma ótima versão saudável, e ainda mais forte porque é feita com quinua. No verão, adoro adicionar um bife fresco da grelha e não exigente com o corte, desde que seja bovino alimentado com capim. Esta receita foi um grampo em todo o meu treinamento, e eu comi na semana que antecedeu a Nova York. Eu sabia que tinha os carboidratos de que precisava e seria fácil para o meu estômago, e tento não mudar nada que fiz no treinamento antes de uma grande corrida.

Elyse:
Muitas pessoas não pensam em colocar ervas frescas em uma salada de grãos, mas elas são boas para a digestão e a inflamação e têm muitas vitaminas e minerais. Esta receita traz muito manjericão e hortelã, que também adicionam muito sabor. E a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que o torna um ótimo alimento para vegetarianos. Esta salada não tem glúten e também pode ser facilmente vegana - basta deixar de fora o molho de peixe.

Shalane:
Quando eu treinava muito, eu corria 130 milhas por semana por cerca de oito semanas. Meu sistema imunológico pode sofrer um forte golpe. Esta sopa dá um grande impulso. Cada ingrediente tem um propósito. Elyse me ensinou que o leite de coco integral é antiviral e o curry é ótimo para inflamação. E tem todos esses vegetais: batata-doce, grão de bico, couve. É simplesmente saudável e reconfortante. Durante o inverno, eu estava treinando para Boston, no Colorado, e estava frio, ventoso e com neve. Eu corria duas vezes por dia, e minhas corridas noturnas eram mais difíceis de fazer. Ter uma sopa quente para esperar quando eu voltasse tornava as coisas um pouco mais fáceis. Onde quer que eu esteja treinando, encontro uma padaria local para obter massa fermentada para acompanhar.

Elyse:
As sopas são um alimento incrível para os corredores. Eles são mais hidratantes do que água pura por causa do sódio e dos eletrólitos naturais, e são fáceis de carregar com uma variedade de vegetais ricos em nutrientes. Para esta sopa, a batata-doce fornece um carboidrato complexo de fácil digestão, muitos eletrólitos essenciais e vitaminas B energizantes. O leite de coco é rico em ácidos graxos de cadeia média, que são fáceis de queimar para obter energia, e oferece uma riqueza cremosa sem adicionar laticínios, aos quais muitos corredores são sensíveis.

Shalane:
Preciso de muita proteína no meu treinamento. Eu anseio por isso, e isso me mantém satisfeito. A conveniência e versatilidade das almôndegas são realmente atraentes. Você faz um grande lote e os tem por perto. Meu treinamento é como o Groundhog Day & mdash it & rsquos extenuante, e it & rsquos praticamente a mesma coisa todos os dias durante três meses. Ter uma boa variedade de opções de alimentos que não sejam insossos e enfadonhos é muito importante para manter as papilas gustativas felizes. Estes são tão versáteis & mdash que você pode até jogá-los em saladas ou em tigelas de arroz.

Elyse:
A Turquia fornece proteínas fáceis de digerir, além de vitaminas e minerais essenciais para a produção de energia. Muitas pessoas pensam que apenas frutas e vegetais fornecem vitaminas, mas a carne de alta qualidade é rica em nutrientes. O método de cozimento também os torna uma boa escolha para corredores ocupados: assá-los é rápido e você não precisa dourá-los primeiro e depois observar constantemente enquanto eles fervem.

Shalane:
Eu faço exercícios intensos de pista. Antes de Nova York, eu estava fazendo repetições de milhas por volta das 4:40, por até 12 milhas no total durante o treino. Naqueles dias, eu fazia um grande smoothie e comia uma pequena porção para acompanhar meu mingau de aveia antes da corrida, e então bebia o resto após o treino. Depois de um treino duro como esse, não estou com muita fome, mas quero uma boa recuperação, e a reidratação é especialmente importante. Portanto, este smoothie é um ótimo intermediário antes de me sentar para uma refeição completa.

Tento integrar beterrabas em minha dieta quando estou treinando duro e mdashscience mostrou que elas podem ser boas para o seu sistema cardiovascular porque contêm nitratos que ajudam a baixar a pressão arterial.

Elyse:
A beterraba é rica em minerais como o potássio, que ajuda na hidratação e na função muscular. A aveia é uma fonte fácil de digerir de carboidratos complexos que fornecem energia para correr. Mas o mais importante é que alimentos energéticos como esses são mais eficazes quando combinados na proporção certa. Por exemplo, podemos absorver as vitaminas solúveis em gordura das frutas e vegetais sem a gordura do iogurte. É por isso que tomar um suplemento não é tão eficaz quanto comer de verdade.

Shalane:
Eu anseio muito por chocolate e manteiga de amendoim. E eu adoro tomar xícaras de manteiga de amendoim ao meio-dia, depois do almoço com chá quente e mdashthat & rsquos meio que meu ritual. Quando estou treinando forte, estou ansioso para um doce tratamento e isso realmente acerta o ponto. Eu só preciso de um ou dois, e é realmente satisfatório. Se eu não estiver acumulando uma tonelada de milhas, eu devo fazer isso algumas vezes por semana. Mas quando estou treinando para uma maratona, minhas papilas gustativas se intensificam. Isso é uma coisa obrigatória, todos os dias.

Elyse:
Copos de manteiga de amendoim comprados em lojas estão cheios de açúcar e óleos hidrogenados & mdashthey ​​& rsquore realmente ruim para você. Eles são indulgentes e ricos, mas você pode se sentir bem em comê-los. Eles usam óleo de coco, manteiga de amendoim, cacau em pó e xarope de bordo como ingredientes principais, portanto, todos os alimentos integrais, gorduras boas e adoçantes naturais. Ter isso guardado no meu freezer é uma maneira incrível de obter todas as gorduras boas de que preciso, com uma pequena mordida.


A comida que alimenta Shalane Flanagan

Em 2017, Shalane Flanagan se tornou a primeira mulher americana em 40 anos a vencer a Maratona da Cidade de Nova York. Seu segredo? Alimentos que são mais do que apenas combustível. Em seu novo livro de receitas, Corra rápido. Cozinhe rápido. Coma devagar, a treinadora de nutrição Elyse Kopecky e Flanagan compartilham as refeições nutritivas e deliciosas que a ajudaram a quebrar a fita no Central Park. Pedimos a eles que compartilhassem seus cinco pratos principais.

Shalane:
Esta é uma das minhas receitas favoritas de todos os tempos. É um dos primeiros que testamos juntos na cozinha Elyse & rsquos em Bend, Oregon. Eu tinha acabado de ser diagnosticado com uma fratura nas costas e tive que desistir da Maratona de Boston de 2017 e não pude correr ou treinar significativamente por 10 semanas. Eu estava me sentindo pra baixo, mas comer isso era animador. Era algo novo e delicioso, e eu soube imediatamente que este livro de receitas seria incrível. Trabalhar no livro me deu um senso de propósito quando me senti um pouco perdido porque não conseguia correr.

Eu amo saladas tailandesas, então esta é uma ótima versão saudável, e ainda mais forte porque é feita com quinua. No verão, adoro adicionar um bife fresco da grelha e não exigente com o corte, desde que seja bovino alimentado com capim. Esta receita foi um grampo em todo o meu treinamento, e eu comi na semana que antecedeu a Nova York. Eu sabia que tinha os carboidratos de que precisava e seria fácil para o meu estômago, e tento não mudar nada que fiz no treinamento antes de uma grande corrida.

Elyse:
Muitas pessoas não pensam em colocar ervas frescas em uma salada de grãos, mas elas são boas para a digestão e a inflamação e têm muitas vitaminas e minerais. Esta receita traz muito manjericão e hortelã, que também adicionam muito sabor. E a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que o torna um ótimo alimento para vegetarianos. Esta salada não tem glúten e também pode ser facilmente vegana - basta deixar de fora o molho de peixe.

Shalane:
Quando eu treinava realmente duro, eu começava a correr 130 milhas por semana por cerca de oito semanas. Meu sistema imunológico pode sofrer um forte golpe. Esta sopa dá um grande impulso. Cada ingrediente tem um propósito. Elyse me ensinou que o leite de coco integral é antiviral e o curry é ótimo para inflamação. E tem todos esses vegetais: batata-doce, grão de bico, couve. É simplesmente saudável e reconfortante. Durante o inverno, eu estava treinando para Boston, no Colorado, e estava frio, ventoso e com neve. Eu corria duas vezes por dia, e minhas corridas noturnas eram mais difíceis de fazer. Ter uma sopa quente para esperar quando eu voltasse tornava as coisas um pouco mais fáceis. Onde quer que eu esteja treinando, encontro uma padaria local para obter massa fermentada para acompanhar.

Elyse:
As sopas são um alimento incrível para os corredores. Eles são mais hidratantes do que água pura por causa do sódio e dos eletrólitos naturais, e são fáceis de carregar com uma variedade de vegetais densos em nutrientes. Para esta sopa, a batata-doce fornece um carboidrato complexo de fácil digestão, muitos eletrólitos essenciais e vitaminas B energizantes. O leite de coco é rico em ácidos graxos de cadeia média, fáceis de queimar para obter energia, e proporciona uma riqueza cremosa sem adicionar laticínios, aos quais muitos corredores são sensíveis.

Shalane:
Preciso de muita proteína no meu treinamento. Eu anseio por isso, e isso me mantém satisfeito. A conveniência e versatilidade das almôndegas são realmente atraentes. Você faz um grande lote e os tem por perto. Meu treinamento é como o Groundhog Day & mdash it & rsquos extenuante, e it & rsquos praticamente a mesma coisa todos os dias durante três meses. Ter uma boa variedade de opções de alimentos que não sejam insossos e enfadonhos é muito importante para manter as papilas gustativas felizes. Estes são tão versáteis & mdash que você pode até jogá-los em saladas ou em tigelas de arroz.

Elyse:
A Turquia fornece proteínas fáceis de digerir, além de vitaminas e minerais essenciais para a produção de energia. Muitas pessoas pensam que apenas frutas e vegetais fornecem vitaminas, mas a carne de alta qualidade é rica em nutrientes. O método de cozimento também os torna uma boa escolha para corredores ocupados: assá-los é rápido e você não precisa dourá-los primeiro e depois observar constantemente enquanto eles fervem.

Shalane:
Eu faço exercícios intensos de pista. Antes de Nova York, eu estava fazendo repetições de milhas por volta das 4:40, por até 12 milhas no total durante o treino. Naqueles dias, eu fazia um grande smoothie e comia uma pequena porção para acompanhar meu mingau de aveia antes da corrida, e então bebia o resto após o treino. Depois de um treino duro como esse, não estou com muita fome, mas quero uma boa recuperação, e a reidratação é especialmente importante. Portanto, este smoothie é um ótimo intermediário antes de me sentar para uma refeição completa.

Tento integrar beterrabas em minha dieta quando estou treinando duro e mdashscience mostrou que elas podem ser boas para o seu sistema cardiovascular porque contêm nitratos que ajudam a baixar a pressão arterial.

Elyse:
A beterraba é rica em minerais como o potássio, que ajuda na hidratação e na função muscular. A aveia é uma fonte fácil de digerir de carboidratos complexos que fornecem energia para correr. Mas o mais importante é que alimentos energéticos como esses são mais eficazes quando combinados na proporção certa. Por exemplo, podemos absorver as vitaminas solúveis em gordura das frutas e vegetais sem a gordura do iogurte. É por isso que tomar um suplemento não é tão eficaz quanto comer de verdade.

Shalane:
Eu anseio muito por chocolate e manteiga de amendoim. E eu adoro tomar xícaras de manteiga de amendoim ao meio-dia, depois do almoço com chá quente e mdashthat & rsquos meio que meu ritual. Quando estou treinando forte, estou ansioso para um doce tratamento e isso realmente acerta o ponto. Eu só preciso de um ou dois, e é realmente satisfatório. Se eu não estiver acumulando uma tonelada de milhas, eu devo fazer isso algumas vezes por semana. Mas quando estou treinando para uma maratona, minhas papilas gustativas se intensificam. Isso é uma coisa obrigatória, todos os dias.

Elyse:
Copos de manteiga de amendoim comprados em lojas estão cheios de açúcar e óleos hidrogenados & mdashthey ​​& rsquore realmente ruim para você. Eles são indulgentes e ricos, mas você pode se sentir bem em comê-los. Eles usam óleo de coco, manteiga de amendoim, cacau em pó e xarope de bordo como ingredientes principais, portanto, todos os alimentos integrais, gorduras boas e adoçantes naturais. Ter isso guardado no meu freezer é uma maneira incrível de obter todas as gorduras boas de que preciso, com uma pequena mordida.


A comida que alimenta Shalane Flanagan

Em 2017, Shalane Flanagan se tornou a primeira mulher americana em 40 anos a vencer a Maratona da Cidade de Nova York. Seu segredo? Alimentos que são mais do que apenas combustível. Em seu novo livro de receitas, Corra rápido. Cozinhe rápido. Coma devagar, a treinadora de nutrição Elyse Kopecky e Flanagan compartilham as refeições nutritivas e deliciosas que a ajudaram a quebrar a fita no Central Park. Pedimos a eles que compartilhassem seus cinco pratos principais.

Shalane:
Esta é uma das minhas receitas favoritas de todos os tempos. É um dos primeiros que testamos juntos na cozinha Elyse & rsquos em Bend, Oregon. Eu tinha acabado de ser diagnosticado com uma fratura nas costas e tive que desistir da Maratona de Boston de 2017 e não pude correr ou treinar significativamente por 10 semanas. Eu estava me sentindo pra baixo, mas comer isso era animador. Era algo novo e delicioso, e eu soube imediatamente que este livro de receitas seria incrível. Trabalhar no livro me deu um senso de propósito quando me senti um pouco perdido porque não conseguia correr.

Eu amo saladas tailandesas, então esta é uma ótima versão saudável, e ainda mais forte porque é feita com quinua. No verão, adoro adicionar um bife fresco da grelha e não exigente com o corte, desde que seja bovino alimentado com capim. Esta receita foi um grampo em todo o meu treinamento, e eu comi na semana que antecedeu a Nova York. Eu sabia que tinha os carboidratos de que precisava e seria fácil para o meu estômago, e tento não mudar nada que fiz no treinamento antes de uma grande corrida.

Elyse:
Muitas pessoas não pensam em colocar ervas frescas em uma salada de grãos, mas elas são boas para a digestão e a inflamação e têm muitas vitaminas e minerais. Esta receita traz muito manjericão e hortelã, que também adicionam muito sabor. E a quinoa é o único alimento vegetal que contém todos os nove aminoácidos essenciais, o que o torna um ótimo alimento para vegetarianos. Esta salada não tem glúten e também pode ser facilmente vegana - basta deixar de fora o molho de peixe.

Shalane:
Quando eu treinava realmente duro, eu começava a correr 130 milhas por semana por cerca de oito semanas. Meu sistema imunológico pode sofrer um forte golpe. Esta sopa dá um grande impulso. Cada ingrediente tem um propósito. Elyse me ensinou que o leite de coco integral é antiviral e o curry é ótimo para inflamação. E tem todos esses vegetais: batata-doce, grão de bico, couve. É simplesmente saudável e reconfortante. Durante o inverno, eu estava treinando para Boston, no Colorado, e estava frio, ventoso e com neve. Eu corria duas vezes por dia, e minhas corridas noturnas eram mais difíceis de fazer. Ter uma sopa quente para esperar quando eu voltasse tornava as coisas um pouco mais fáceis. Onde quer que eu esteja treinando, encontro uma padaria local para obter massa fermentada para acompanhar.

Elyse:
As sopas são um alimento incrível para os corredores. Eles são mais hidratantes do que água pura por causa do sódio e dos eletrólitos naturais, e são fáceis de carregar com uma variedade de vegetais ricos em nutrientes. Para esta sopa, a batata-doce fornece um carboidrato complexo de fácil digestão, muitos eletrólitos essenciais e vitaminas B energizantes. O leite de coco é rico em ácidos graxos de cadeia média, fáceis de queimar para obter energia, e proporciona uma riqueza cremosa sem adicionar laticínios, aos quais muitos corredores são sensíveis.

Shalane:
Preciso de muita proteína no meu treinamento. Eu anseio por isso, e isso me mantém satisfeito. A conveniência e versatilidade das almôndegas são realmente atraentes. Você faz um grande lote e os tem por perto. Meu treinamento é como o Groundhog Day & mdash it & rsquos extenuante, e it & rsquos praticamente a mesma coisa todos os dias durante três meses. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.


The Food That Fuels Shalane Flanagan

In 2017, Shalane Flanagan became the first American woman in 40 years to win the New York City Marathon. Her secret? Food that&rsquos more than just fuel. In their new cookbook, Run Fast. Cook Fast. Eat Slow, nutrition coach Elyse Kopecky and Flanagan share the nourishing and delicious meals that helped her break the tape in Central Park. We asked them to share their top five dishes.

Shalane:
This is one of my favorite recipes of all time. It&rsquos one of the first we tested together in Elyse&rsquos kitchen in Bend, Oregon. I had just been diagnosed with a fracture in my back&mdashI had to pull out of the 2017 Boston Marathon and couldn&rsquot run or train significantly for 10 weeks. I was feeling down, but eating this was uplifting. It was something new and delicious, and I knew immediately that this cookbook was going to be awesome. Working on the book gave me a sense of purpose when I felt a little lost because I couldn&rsquot run.

I love Thai salads, so this is a great healthy version, and even heartier because it&rsquos made with quinoa. In the summer, I love adding a fresh steak from the grill&mdashI&rsquom not picky about the cut, as long as it&rsquos grass-fed beef. This recipe was a staple throughout my training, and I ate it in the week leading up to New York. I knew it had the carbohydrates I needed and would be easy on my stomach, and I try not to change anything I&rsquove done in training before a big race.

Elyse:
A lot of people don&rsquot think to put fresh herbs in a grain salad, but they&rsquore good for digestion and inflammation, and they&rsquove got lots of vitamins and minerals. This recipe features lots of basil and mint, which also add a ton of flavor. And quinoa is the only plant food that contains all nine essential amino acids, making it a great food for vegetarians. This salad is gluten-free, and can easily be made vegan, too&mdashjust leave out the fish sauce.

Shalane:
When I&rsquom training really hard, I&rsquom running 130 miles a week for about eight weeks. My immune system can take a heavy hit. This soup gives it a huge boost. Every ingredient has a purpose. Elyse taught me that full-fat coconut milk is antiviral, and curry is great for inflammation. And it has all these veggies: sweet potatoes, chickpeas, kale. It&rsquos just hearty and comforting. During the winter, I was training for Boston in Colorado, and it was cold and windy and snowy. I was running twice a day, and my evening runs were harder to get out for. Having a warm soup to look forward to when I got back made it a little easier. Wherever I&rsquom training, I find a local bakery to get sourdough to go with it.

Elyse:
Soups are an incredible food for runners. They&rsquore more hydrating than plain water because of the sodium and natural electrolytes, and they&rsquore easy to load up with a variety of nutrient-dense veggies. For this soup, sweet potatoes provide an easy-to-digest complex carb, lots of essential electrolytes, and energizing B vitamins. The coconut milk is high in medium-chain fatty acids, which are easy to burn for energy, and it delivers creamy richness without adding dairy, which a lot of runners are sensitive to.

Shalane:
I need a lot of protein in my training. I crave it, and it keeps me full. The convenience and versatility of the meatballs are really appealing. You make a big batch, and have them around. My training is like Groundhog Day&mdash it&rsquos grueling, and it&rsquos pretty much the same thing every day for three months. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.


The Food That Fuels Shalane Flanagan

In 2017, Shalane Flanagan became the first American woman in 40 years to win the New York City Marathon. Her secret? Food that&rsquos more than just fuel. In their new cookbook, Run Fast. Cook Fast. Eat Slow, nutrition coach Elyse Kopecky and Flanagan share the nourishing and delicious meals that helped her break the tape in Central Park. We asked them to share their top five dishes.

Shalane:
This is one of my favorite recipes of all time. It&rsquos one of the first we tested together in Elyse&rsquos kitchen in Bend, Oregon. I had just been diagnosed with a fracture in my back&mdashI had to pull out of the 2017 Boston Marathon and couldn&rsquot run or train significantly for 10 weeks. I was feeling down, but eating this was uplifting. It was something new and delicious, and I knew immediately that this cookbook was going to be awesome. Working on the book gave me a sense of purpose when I felt a little lost because I couldn&rsquot run.

I love Thai salads, so this is a great healthy version, and even heartier because it&rsquos made with quinoa. In the summer, I love adding a fresh steak from the grill&mdashI&rsquom not picky about the cut, as long as it&rsquos grass-fed beef. This recipe was a staple throughout my training, and I ate it in the week leading up to New York. I knew it had the carbohydrates I needed and would be easy on my stomach, and I try not to change anything I&rsquove done in training before a big race.

Elyse:
A lot of people don&rsquot think to put fresh herbs in a grain salad, but they&rsquore good for digestion and inflammation, and they&rsquove got lots of vitamins and minerals. This recipe features lots of basil and mint, which also add a ton of flavor. And quinoa is the only plant food that contains all nine essential amino acids, making it a great food for vegetarians. This salad is gluten-free, and can easily be made vegan, too&mdashjust leave out the fish sauce.

Shalane:
When I&rsquom training really hard, I&rsquom running 130 miles a week for about eight weeks. My immune system can take a heavy hit. This soup gives it a huge boost. Every ingredient has a purpose. Elyse taught me that full-fat coconut milk is antiviral, and curry is great for inflammation. And it has all these veggies: sweet potatoes, chickpeas, kale. It&rsquos just hearty and comforting. During the winter, I was training for Boston in Colorado, and it was cold and windy and snowy. I was running twice a day, and my evening runs were harder to get out for. Having a warm soup to look forward to when I got back made it a little easier. Wherever I&rsquom training, I find a local bakery to get sourdough to go with it.

Elyse:
Soups are an incredible food for runners. They&rsquore more hydrating than plain water because of the sodium and natural electrolytes, and they&rsquore easy to load up with a variety of nutrient-dense veggies. For this soup, sweet potatoes provide an easy-to-digest complex carb, lots of essential electrolytes, and energizing B vitamins. The coconut milk is high in medium-chain fatty acids, which are easy to burn for energy, and it delivers creamy richness without adding dairy, which a lot of runners are sensitive to.

Shalane:
I need a lot of protein in my training. I crave it, and it keeps me full. The convenience and versatility of the meatballs are really appealing. You make a big batch, and have them around. My training is like Groundhog Day&mdash it&rsquos grueling, and it&rsquos pretty much the same thing every day for three months. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.


The Food That Fuels Shalane Flanagan

In 2017, Shalane Flanagan became the first American woman in 40 years to win the New York City Marathon. Her secret? Food that&rsquos more than just fuel. In their new cookbook, Run Fast. Cook Fast. Eat Slow, nutrition coach Elyse Kopecky and Flanagan share the nourishing and delicious meals that helped her break the tape in Central Park. We asked them to share their top five dishes.

Shalane:
This is one of my favorite recipes of all time. It&rsquos one of the first we tested together in Elyse&rsquos kitchen in Bend, Oregon. I had just been diagnosed with a fracture in my back&mdashI had to pull out of the 2017 Boston Marathon and couldn&rsquot run or train significantly for 10 weeks. I was feeling down, but eating this was uplifting. It was something new and delicious, and I knew immediately that this cookbook was going to be awesome. Working on the book gave me a sense of purpose when I felt a little lost because I couldn&rsquot run.

I love Thai salads, so this is a great healthy version, and even heartier because it&rsquos made with quinoa. In the summer, I love adding a fresh steak from the grill&mdashI&rsquom not picky about the cut, as long as it&rsquos grass-fed beef. This recipe was a staple throughout my training, and I ate it in the week leading up to New York. I knew it had the carbohydrates I needed and would be easy on my stomach, and I try not to change anything I&rsquove done in training before a big race.

Elyse:
A lot of people don&rsquot think to put fresh herbs in a grain salad, but they&rsquore good for digestion and inflammation, and they&rsquove got lots of vitamins and minerals. This recipe features lots of basil and mint, which also add a ton of flavor. And quinoa is the only plant food that contains all nine essential amino acids, making it a great food for vegetarians. This salad is gluten-free, and can easily be made vegan, too&mdashjust leave out the fish sauce.

Shalane:
When I&rsquom training really hard, I&rsquom running 130 miles a week for about eight weeks. My immune system can take a heavy hit. This soup gives it a huge boost. Every ingredient has a purpose. Elyse taught me that full-fat coconut milk is antiviral, and curry is great for inflammation. And it has all these veggies: sweet potatoes, chickpeas, kale. It&rsquos just hearty and comforting. During the winter, I was training for Boston in Colorado, and it was cold and windy and snowy. I was running twice a day, and my evening runs were harder to get out for. Having a warm soup to look forward to when I got back made it a little easier. Wherever I&rsquom training, I find a local bakery to get sourdough to go with it.

Elyse:
Soups are an incredible food for runners. They&rsquore more hydrating than plain water because of the sodium and natural electrolytes, and they&rsquore easy to load up with a variety of nutrient-dense veggies. For this soup, sweet potatoes provide an easy-to-digest complex carb, lots of essential electrolytes, and energizing B vitamins. The coconut milk is high in medium-chain fatty acids, which are easy to burn for energy, and it delivers creamy richness without adding dairy, which a lot of runners are sensitive to.

Shalane:
I need a lot of protein in my training. I crave it, and it keeps me full. The convenience and versatility of the meatballs are really appealing. You make a big batch, and have them around. My training is like Groundhog Day&mdash it&rsquos grueling, and it&rsquos pretty much the same thing every day for three months. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.


The Food That Fuels Shalane Flanagan

In 2017, Shalane Flanagan became the first American woman in 40 years to win the New York City Marathon. Her secret? Food that&rsquos more than just fuel. In their new cookbook, Run Fast. Cook Fast. Eat Slow, nutrition coach Elyse Kopecky and Flanagan share the nourishing and delicious meals that helped her break the tape in Central Park. We asked them to share their top five dishes.

Shalane:
This is one of my favorite recipes of all time. It&rsquos one of the first we tested together in Elyse&rsquos kitchen in Bend, Oregon. I had just been diagnosed with a fracture in my back&mdashI had to pull out of the 2017 Boston Marathon and couldn&rsquot run or train significantly for 10 weeks. I was feeling down, but eating this was uplifting. It was something new and delicious, and I knew immediately that this cookbook was going to be awesome. Working on the book gave me a sense of purpose when I felt a little lost because I couldn&rsquot run.

I love Thai salads, so this is a great healthy version, and even heartier because it&rsquos made with quinoa. In the summer, I love adding a fresh steak from the grill&mdashI&rsquom not picky about the cut, as long as it&rsquos grass-fed beef. This recipe was a staple throughout my training, and I ate it in the week leading up to New York. I knew it had the carbohydrates I needed and would be easy on my stomach, and I try not to change anything I&rsquove done in training before a big race.

Elyse:
A lot of people don&rsquot think to put fresh herbs in a grain salad, but they&rsquore good for digestion and inflammation, and they&rsquove got lots of vitamins and minerals. This recipe features lots of basil and mint, which also add a ton of flavor. And quinoa is the only plant food that contains all nine essential amino acids, making it a great food for vegetarians. This salad is gluten-free, and can easily be made vegan, too&mdashjust leave out the fish sauce.

Shalane:
When I&rsquom training really hard, I&rsquom running 130 miles a week for about eight weeks. My immune system can take a heavy hit. This soup gives it a huge boost. Every ingredient has a purpose. Elyse taught me that full-fat coconut milk is antiviral, and curry is great for inflammation. And it has all these veggies: sweet potatoes, chickpeas, kale. It&rsquos just hearty and comforting. During the winter, I was training for Boston in Colorado, and it was cold and windy and snowy. I was running twice a day, and my evening runs were harder to get out for. Having a warm soup to look forward to when I got back made it a little easier. Wherever I&rsquom training, I find a local bakery to get sourdough to go with it.

Elyse:
Soups are an incredible food for runners. They&rsquore more hydrating than plain water because of the sodium and natural electrolytes, and they&rsquore easy to load up with a variety of nutrient-dense veggies. For this soup, sweet potatoes provide an easy-to-digest complex carb, lots of essential electrolytes, and energizing B vitamins. The coconut milk is high in medium-chain fatty acids, which are easy to burn for energy, and it delivers creamy richness without adding dairy, which a lot of runners are sensitive to.

Shalane:
I need a lot of protein in my training. I crave it, and it keeps me full. The convenience and versatility of the meatballs are really appealing. You make a big batch, and have them around. My training is like Groundhog Day&mdash it&rsquos grueling, and it&rsquos pretty much the same thing every day for three months. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.


The Food That Fuels Shalane Flanagan

In 2017, Shalane Flanagan became the first American woman in 40 years to win the New York City Marathon. Her secret? Food that&rsquos more than just fuel. In their new cookbook, Run Fast. Cook Fast. Eat Slow, nutrition coach Elyse Kopecky and Flanagan share the nourishing and delicious meals that helped her break the tape in Central Park. We asked them to share their top five dishes.

Shalane:
This is one of my favorite recipes of all time. It&rsquos one of the first we tested together in Elyse&rsquos kitchen in Bend, Oregon. I had just been diagnosed with a fracture in my back&mdashI had to pull out of the 2017 Boston Marathon and couldn&rsquot run or train significantly for 10 weeks. I was feeling down, but eating this was uplifting. It was something new and delicious, and I knew immediately that this cookbook was going to be awesome. Working on the book gave me a sense of purpose when I felt a little lost because I couldn&rsquot run.

I love Thai salads, so this is a great healthy version, and even heartier because it&rsquos made with quinoa. In the summer, I love adding a fresh steak from the grill&mdashI&rsquom not picky about the cut, as long as it&rsquos grass-fed beef. This recipe was a staple throughout my training, and I ate it in the week leading up to New York. I knew it had the carbohydrates I needed and would be easy on my stomach, and I try not to change anything I&rsquove done in training before a big race.

Elyse:
A lot of people don&rsquot think to put fresh herbs in a grain salad, but they&rsquore good for digestion and inflammation, and they&rsquove got lots of vitamins and minerals. This recipe features lots of basil and mint, which also add a ton of flavor. And quinoa is the only plant food that contains all nine essential amino acids, making it a great food for vegetarians. This salad is gluten-free, and can easily be made vegan, too&mdashjust leave out the fish sauce.

Shalane:
When I&rsquom training really hard, I&rsquom running 130 miles a week for about eight weeks. My immune system can take a heavy hit. This soup gives it a huge boost. Every ingredient has a purpose. Elyse taught me that full-fat coconut milk is antiviral, and curry is great for inflammation. And it has all these veggies: sweet potatoes, chickpeas, kale. It&rsquos just hearty and comforting. During the winter, I was training for Boston in Colorado, and it was cold and windy and snowy. I was running twice a day, and my evening runs were harder to get out for. Having a warm soup to look forward to when I got back made it a little easier. Wherever I&rsquom training, I find a local bakery to get sourdough to go with it.

Elyse:
Soups are an incredible food for runners. They&rsquore more hydrating than plain water because of the sodium and natural electrolytes, and they&rsquore easy to load up with a variety of nutrient-dense veggies. For this soup, sweet potatoes provide an easy-to-digest complex carb, lots of essential electrolytes, and energizing B vitamins. The coconut milk is high in medium-chain fatty acids, which are easy to burn for energy, and it delivers creamy richness without adding dairy, which a lot of runners are sensitive to.

Shalane:
I need a lot of protein in my training. I crave it, and it keeps me full. The convenience and versatility of the meatballs are really appealing. You make a big batch, and have them around. My training is like Groundhog Day&mdash it&rsquos grueling, and it&rsquos pretty much the same thing every day for three months. Having a good variety of food options that aren&rsquot bland and boring is really important to keep the taste buds happy. These are so versatile&mdashyou can even throw them on salads or in rice bowls.

Elyse:
Turkey provides protein that&rsquos easy to digest, plus essential vitamins and minerals for energy production. Many people only think fruits and vegetables provide vitamins, but high-quality meat is nutrient-dense. The cooking method also makes these a good choice for busy runners: Baking them is quick, and you don&rsquot have to brown them first and then constantly watch while they simmer.

Shalane:
I do intense track workouts. Leading up to New York, I was doing mile repeats around 4:40, for up to 12 miles total over the workout. On those days, I would make a big smoothie and have a small portion to go with my oatmeal before my run, and then drink the rest after the workout. After a hard workout like that I&rsquom not super-hungry, but I want a good recovery, and rehydration is especially important. So this smoothie is a great in-between before I sit down for a full meal.

I try to integrate beets into my diet when I&rsquom training hard&mdashscience has shown they may be good for your cardiovascular system because they contain nitrates that help lower blood pressure.

Elyse:
Beets are rich in minerals like potassium, which helps hydration and muscle function. Oats are an easy-to-digest source of complex carbs that provide energy for running. But most importantly, power foods like these are most effective when combined together in the right ratio. For example, we can&rsquot absorb the fat-soluble vitamins in the fruit and veggies without the fat in the yogurt&mdashthat&rsquos why taking a supplement isn&rsquot as effective as eating the real deal.

Shalane:
I crave chocolate and peanut butter quite a bit. And I love to have peanut butter cups midday, after lunch with hot tea&mdashthat&rsquos kind of my ritual. When I&rsquom training hard, I look forward to a sweet treat and this really hits the spot. I only need one or two, and it&rsquos really satisfying. If I&rsquom not racking up a ton of miles, I&rsquoll have these a couple times a week. But when I&rsquom training for a marathon, my taste buds are intensified. These are a mandatory thing, every single day.

Elyse:
Store-bought peanut butter cups are full of sugar and hydrogenated oils&mdashthey&rsquore really bad for you. These are indulgent and rich, but you can feel good about eating them. They use coconut oil, peanut butter, cocoa powder, and maple syrup for the main ingredients, so it&rsquos all whole foods, good fats, and natural sweeteners. Having these stashed in my freezer is an awesome way to get all the good fats I need, in one little bite.