Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Cereal Killer Café Lands em Londres

Cereal Killer Café Lands em Londres

A primeira barra de cereal de Londres acaba de abrir suas portas no bairro badalado de Shoreditch, no leste de Londres. O Cereal Killer Café, com sede em Brick Lane, oferece mais de 100 marcas diferentes de cereais de origem global, 20 coberturas como granulado arco-íris e fatias de banana e 30 variedades de leite para clientes nostálgicos e gulosos. Esta “barra de cereal” oferece pequenas tigelas de cereal por £ 2,50 ($ 4), tigelas médias por £ 3 ($ 4,75) e tigelas grandes por £ 3,50 ($ 5,50) - todas disponíveis para café da manhã, almoço e jantar. Gary Keery, o coproprietário do café (junto com seu irmão, Alan), explicou: "Nós pensamos,‘ Bem, por que não há nenhum lugar onde você possa simplesmente sentar e comer uma tigela de cereal? ’”

Surpreendentemente, a novidade do café continua. Também estão disponíveis “coquetéis de cereais”, misturas não alcoólicas de diferentes cereais, leites e coberturas. Seu coquetel “Double Rainbow”, por exemplo, combina Trix, Fruity Pebbles e leite de morango, coberto com marshmallows liofilizados.

Destinadas a ser um sucesso hipster, os clientes estarão cercados por uma atmosfera totalmente vintage: pense em recordações e revistas da velha escola, brinquedos com caixas de cereais, desenhos animados antigos passando em suas TVs e uma trilha sonora das décadas de 1980 e 1990. “Queremos que as pessoas venham e pensem:‘ Deus, você se lembra disso? ’E se sintam como uma criança de novo”, disse Keery.

Ainda está para ser determinado se este empreendimento em Londres será uma força ou uma moda passageira, mas a chance de alimentar sua criança interior faminta por açúcar nunca foi tão emocionante ou literal.


Colheres prontas: a primeira cafeteria de cereais de Londres & # 8217s abrirá em dezembro

Lembra quando dissemos que os irmãos gêmeos Gary e Alan Keery estavam tentando arrecadar £ 60.000 para abrir uma cafeteria em Londres?

Bem, meus amigos, esse dia chegou.

Sim, o Cereal Killer Café (ainda um grande nome) deve ser inaugurado em Brick Lane, em Shoreditch, East London, no dia 10 de dezembro - bem a tempo de acalmar as ressacas da festa de Natal da desgraça.

Os visitantes do café poderão escolher entre cerca de 100 cereais, que Gary e Alan adquiriram de todo o mundo.

Gary nos disse: ‘O cereal mais obscuro que temos é provavelmente o cereal Oreo O's da Coreia do Sul. Foi descontinuado em todos os outros lugares do mundo em 2003, mas ainda está disponível lá e temos alguns. '

E isso não é tudo. Você poderá personalizar sua tigela com 13 tipos diferentes de leite (não podemos nem citar 13 tipos diferentes de leite) e 20 coberturas.

Juntamente com a extravagância internacional de cereais, o café também servirá outros favoritos do café da manhã, incluindo 18 sabores de Pop-Tarts (sim! Apenas sim!), Torradas e café da Allpress na vizinha Redchurch Street.

Então, o que fazem os meninos que amam tanto cereal que estão abrindo um café inteiro dedicado a ele como em suas tigelas? Gary confessou: "meu favorito são os cereais com sabor de manteiga de amendoim da América!"


Manifestantes enfurecidos visam o café moderno de cereais de Londres

LONDRES - Um dos bairros que mais mudam de Londres está ecoando no estalo, crepitar e estalar do conflito.

Um café no East End que serve 120 variedades de cereais matinais - junto com 30 tipos de leite - se tornou um surpreendente ponto de conflito para protestos em uma cidade cada vez mais polarizada entre ricos e pobres.

O Cereal Killer Cafe atraiu escárnio e grandes multidões desde que foi inaugurado, nove meses atrás, oferecendo uma cornucópia de flocos, pops e puffs a partir de cerca de 3 libras (US $ 4,50) a tigela. No fim de semana, atraiu a ira dos manifestantes anti-gentrification, que cercaram o negócio com tochas acesas e rabiscou "escória" em suas janelas enquanto os clientes se abrigavam no porão.

"É um pouco estranho", disse Gary Keery, que dirige o café com seu irmão, Alan. "Eu não nos vejo como pessoas odiosas - mas muitas pessoas parecem."

Gêmeos de 33 anos com barbas elegantes de Belfast, Irlanda do Norte, os irmãos Keery estão entre a última onda de migrantes para esta parte diversa do leste de Londres. Ao longo das décadas, judeus europeus, muçulmanos de Bangladesh e descolados de todo o mundo trouxeram lojas de bagel e restaurantes de curry, bares de café expresso e butiques de moda independentes para Brick Lane e a vizinha Shoreditch.

É essa diversidade que fez os irmãos Keery escolherem a área para o seu negócio de café da manhã.

Notícias populares

"Há muitas coisas criativas acontecendo", disse Gary Keery. "Um café para gatos acabou de abrir na esquina. Nós sabíamos que se fosse funcionar, funcionaria em Brick Lane."

Esse palpite estava correto, a julgar pelas multidões de estudantes, turistas e famílias fazendo fila para uma tigela de comida reconfortante encharcada de leite no café peculiar, onde as prateleiras estão alinhadas com caixas de cereais coloridas e um retrato de Hannibal Lecter feito de pendurados Cheerios em uma parede.

"Isso leva as pessoas de volta à infância, quando os cereais eram divertidos", disse Gary Keery.

Mas nem todo mundo é fã. No sábado, manifestantes antipobreza miraram no café como um símbolo de tudo o que há de errado com o desenvolvimento de Londres. Imagens filmadas de dentro mostraram um grupo, alguns com máscaras de porco e carregando tochas, gritando do lado de fora enquanto a equipe dizia aos clientes para descerem.

A polícia disse que um policial foi ferido por uma garrafa voadora durante o protesto, organizado pelo grupo militante anarquista Guerra de Classe.

Tony Travers, especialista em capital da Grã-Bretanha na London School of Economics, diz que a tempestade de cereais é "uma guerra por procuração sobre algo muito, muito maior": o aperto no espaço em uma cidade em expansão cuja população, já de 8,6 milhões, é crescendo em 120.000 pessoas por ano.

Os incorporadores estão construindo apenas 20.000 a 25.000 novas casas a cada ano, de modo que os aluguéis e os preços dos imóveis sobem cada vez mais.

No East End, uma população de classe trabalhadora há muito estabelecida foi juntada - e às vezes deslocada - por milhares de jovens profissionais ricos em prédios reformados e novos empreendimentos reluzentes. O resultado é uma área onde lojas de alimentos orgânicos ficam ao lado de lojas de tudo por um quilo. Os apartamentos de um quarto são vendidos por 500.000 libras (US $ 750.000) ou mais, mas quase metade das crianças no bairro local, Tower Hamlets, vive na pobreza.

Travers disse que a cafeteria é "uma vítima inocente de uma luta mais ampla por território na cidade".

A Class War diz que está encantada com a publicidade que recebeu e planeja mais protestos fora das empresas independentes.

"A luta contra a gentrificação foi basicamente perdida e está acelerando o tempo todo", disse o fundador do Class War, Ian Bone, ao jornal The Guardian. "Portanto, nossa filosofia é voltar às áreas que já foram gentrificadas e começar a lutar contra elas."

Os irmãos Keery são destemidos. Recentemente, eles abriram uma segunda filial em Camden Town, em Londres, com muitos turistas, e um livro de receitas de cereais será lançado no mês que vem.

E o ataque trouxe novos clientes ao café.

“Existem coisas piores no mundo do que pessoas comendo cereais”, disse Tess Hoey, de Sussex, no sul da Inglaterra, que veio mostrar seu apoio.

Ela disse que as pessoas preocupadas com a crise imobiliária de Londres deveriam "falar sobre os oligarcas russos - não sobre os meninos de Belfast".

Publicado pela primeira vez em 1º de outubro de 2015 / 10:47

e cópia 2015 da Associated Press. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.


Londres recebe o primeiro Porridge Cafe: & # x27Comparativamente com o Cereal Killer Cafe, oferecemos mais valor e menos novidades & # x27

Se a sua necessidade de um obscuro café da manhã em uma tigela não foi satisfeita pelo Cereal Killer Café, não procure mais - as mais recentes alternativas de café da manhã saudável chegaram na forma do primeiro Porridge Café de Londres.

Os amantes do café da manhã não terão mais que se esforçar para encontrar o mingau para suas necessidades dietéticas, pois o restaurante oferece uma escolha de onze grãos diferentes em um menu rotativo. Com pratos doces e salgados em oferta, os ingredientes incluem maçã, canela, chouriço, pimenta e alho-poró.

Os fundadores do Café, Nik Williamson e Elly Harrington, que anteriormente dirigiam a empresa de comida de rua Bow Street Kitchen, consideram o renascimento nórdico do mingau como motivo para abrir o café. Durante um voo para a Suécia, o Sr. Williamson parou em Copenhague, onde descobriu seu primeiro café de mingau.

“Eu me apaixonei pelo lugar. Parece que há lugares fazendo mingaus interessantes e únicos em toda a Suécia e na Dinamarca e achei que seria ideal para cá. ”

Recomendado

O café Shoreditch oferece mingau "saudável e interessante" que espera ampliar as perspectivas das pessoas sobre como elas encaram o mingau. O fundador do café acrescentou: “As pessoas nos criticam por fazer algo específico, mas o peixe com batatas fritas existe desde os anos 1940 e ninguém se importa. São os grãos que nos dão uma verdadeira variedade. Até chamar a opção salgada de mingau é um trecho, é realmente um prato de risoto. Esperamos que o produto fale por si. Estamos tentando evitar truques e nos concentrar em fazer mais e mais mingau. ”


17 dos cafés de cereais mais legais do mundo

Existem poucos alimentos para o café da manhã com memórias tão universais para os americanos além dos cereais.

Por gerações, crianças serviram Cap'n Crunch antes de assistir a desenhos animados em um sábado ou pegaram o Lucky Charms antes de irem para a escola.

Muitos adultos ainda apreciam a simplicidade deste pequeno-almoço, que farta e fica pronto em minutos.

A popularidade dos distribuidores de cereais e cereais convencionais chamou a atenção de empresários, desde o Cereal Killer Cafe em Londres até o KITH Treats em Nova York.

Bares de cereais, caminhões e eventos surgiram em toda a América e no mundo. Confira nossa lista das 17 melhores barras de cereais em todo o mundo e pare para visitar uma na próxima vez que estiver na área.

Cerealidade

Fundado em 2003, o Cereality se orgulha de ser mais do que um restaurante de cereais, mas sim um estilo de vida. Com sede em Houston e franquias em todo o país, Cereologists de pijama ajudam os hóspedes a montar suas criações e, em seguida, os clientes adicionam o tipo e a quantidade de leite que desejam para uma experiência perfeita de café da manhã.

Mix N Munch

Pulando na tendência de feed de conforto, Mix N Munch abriu em 2010 como a primeira barra de cereal e café de queijo grelhado do mundo. Localizado em South Pasadena, Califórnia, este é um dos restaurantes de brunch mais baratos da área. Comece com uma tigela de cereais no café da manhã e depois peça um queijo grelhado para o almoço.

Guloseimas KITH

KITH Treats na cidade de Nova York oferece 23 tipos diferentes de cereais, 22 coberturas variadas e quatro opções de leite. No entanto, eles estão apenas começando quando se trata de pedir combinações. Eles se especializam em combinar sorvete com cereais, transformando este doce café da manhã em uma sobremesa divertida.

Papaccino

Papaccino tem algo para adultos, crianças e crianças no coração. Há uma área para as crianças brincarem durante a visita, opções criativas de café com leite e uma barra de cereais para todas as idades. Com sede em Portland, Oregon, o Papaccino’s é conhecido por ter uma ampla seleção de cafés, chás, doces e cereais para escolher.

Bowl-N-Spoon

A primeira barra de cereais em Oklahoma, a Bowl-N-Spoon oferece cereais e paninis para os hóspedes. Passe o sábado de manhã aqui com 30 tipos diferentes de cereais, 20 coberturas diferentes e todos os desenhos animados matinais que lembram sua infância. Você pode encontrá-los em Tulsa.

R U Cereal Food Truck

De acordo com o site deles, o café da manhã com sobremesa e teve um food truck filho chamado R U Cereal. Você pode encontrá-los em Denver, normalmente abastecido com suprimentos de empresas locais e oferecendo opções veganas e sem glúten para seus clientes. Uma coisa é certa: seu caminhão com pinturas brilhantes é difícil de perder, então você não terá dificuldade em encontrá-los pela cidade.

Cereal De uma Van

Se você ver Irwin, um Dodge A108 1969, passando por ele, você pode segui-lo para uma boa tigela de cereal. Os fundadores da Cereal from a Van vendem 50 tipos diferentes de cereais e viajam para festivais de arte, eventos e celebrações em todo o país. Até agora, eles estiveram em Portland, Santa Bárbara e Austin.

O Java Break

Encontre o Java Break em Lawrence, Kansas, aberto 24 horas e uma das barras de cereais mais acessíveis do mercado. Escolha até três tipos de cereais, escolha uma cobertura e um pouco de leite e, em seguida, você estará definido por menos de $ 4. Eles também oferecem outros alimentos e café para você experimentar.

Cereal Cinema

Embora não seja tecnicamente um restaurante, o Cereal Cinema é um evento no primeiro sábado de cada mês no The Athenaeum e no Museu de Arte de Indianápolis (IMA). Por US $ 5, os clientes podem assistir a um filme clássico e fazer uma criação na barra de cereais, combinando dois elementos clássicos e criando ótimas lembranças para as famílias.

Cereal Killer Cafe

Este foi o primeiro café de cereais a chegar ao Reino Unido e continua a ser uma parada popular para turistas em Londres. Eles vendem mais de 100 tipos diferentes de cereais de todo o mundo, juntamente com 30 variedades de leite e 20 coberturas diferentes. Eles também têm um livro de receitas do Cereal Killer Cafe com as melhores receitas.

Cereal de Leite Preto

O cereal é apenas um aspecto da oferta do Black Milk Cereal. Eles também têm milkshakes enormes, sundaes, s'mores e tigelas de chocolate comestível. Os hóspedes podem preparar o seu próprio ou pedir um de seus enormes coquetéis criativos. Atualmente, eles têm três locais em Manchester, Inglaterra.

Pop Cereal Café

Pouco depois de chegar à Inglaterra, a tendência dos cafés de cereais se espalhou pelo resto da Europa. Localizado em Lisboa, Portugal, o Pop Cereal Café abriu com mais de 100 tipos e combinações de cereais. Estão localizados num dos bairros mais animados de Lisboa, o Bairro Alto, o que tem contribuído para o seu sucesso.

Bol e Bagel

Localizada em Clermont-Ferrand, França, a Bol and Bagel é uma barra de cereais sofisticada. Eles também têm uma variedade de coquetéis, doces e sanduíches, se você não quiser comer algo doce. Esta é uma ótima opção de encontro e também um lugar divertido para levar seus filhos.

Cereal Anytime

Cereal Anytime abriu em Melbourne, Austrália, e foi o primeiro café de cereais na área. Também é conhecido por seus waffles recheados (sinta-se à vontade para adicionar qualquer coisa, desde pedacinhos de chocolate a Pebbles Fruity), junto com barras de chocolate, Pop-Tarts e outros alimentos extravagantes. É uma ótima parada se você quiser se conectar com algumas das suas guloseimas favoritas de infância.

Cereal Killa

Você está procurando milkshakes que transbordam dos copos no seu prato? Você quer que esses milkshakes tenham a crocância satisfatória que vem com o seu cereal favorito? Se sim, experimente o Cereal Killa em Auckland, Nova Zelândia. Este restaurante tem milkshakes enormes e outros alimentos para satisfazer seus desejos.

Cereal Killers DBN

Junto com tigelas de cereais, este café na África do Sul orgulhosamente serve café local e criações de seus padeiros e chefs. Cereal Killers foi o primeiro café de cereais na África do Sul e colocou a fasquia alta. O café é de propriedade familiar e querido pelos moradores da vizinhança, o que o torna um ponto de encontro local e também um destino turístico.

Amantes de cereais

O bar Cereal Lovers foi inaugurado em Madrid, Espanha, em 2016 e tem crescido rapidamente em popularidade. Eles podem ter uma das maiores seleções do mundo, com mais de 150 tipos de cereais, 60 coberturas e 25 bebidas. Eles oferecem muitas opções sem laticínios, então quase qualquer pessoa pode encontrar algo para comer neste café.


1. Faça um tour pelo London Loo

Russell Square Loo PC Flickr Gail Frederick

Você pode aprender muito sobre Londres descobrindo a história de seus banheiros ou banheiros. É inacreditável como muitos dos Loos London & rsquos vêm com uma história.

Esse Tour London Loo também cobre Loo & rsquos antigos com novos usos. Vários dos banheiros públicos subterrâneos mais antigos agora foram transformados em cafeterias e bares. Na verdade, o passeio termina em um antigo Loo que agora é um bar.

& rArr Um dos meus sites favoritos para encontrar coisas incomuns para fazer em Londres (incluindo o London Loo Tour) é Funzing . Funzing oferece uma variedade de passeios, aulas, eventos noturnos e muito mais, tudo a preços muito razoáveis.

2. Faça seu próprio London Gin

Você sabia que era ilegal destilar Gin em pequenas quantidades em Londres antes de 2008? Em 1720, a destilação do Gin foi legalizada em Londres.

Isso era para compensar a popularidade do conhaque francês e os impostos pagos à França sobre o produto, que financiava o exército francês. Bem, infelizmente Londres enlouqueceu com Gin.

Aqueles que não se tornavam alcoólatras frequentemente acabavam com sérios problemas de saúde, pois não havia regulamentos sobre a fabricação de gim ou o que entrava no gim. Uma nova lei foi introduzida proibindo a destilação de gin em qualquer coisa abaixo de uma destilaria de 1.800 litros.

De qualquer forma, felizmente o time da minha marca favorita de gim de Londres, Sipsmiths , assumiu a causa e teve essa lei revogada em 2008.

Melhor dica: Sipsmiths dirige um fantástico tour e degustação noites em sua destilaria em West London.

Sem Sipsmiths A destilaria não existiria. A Destilaria é um templo de Gin de três andares na Portobello Road, em Notting Hill.

Entrada na Portobello Road

O piso térreo do The Distillery contém o maravilhosamente intitulado bar The Resting Room. Este bar acolhedor tem uma parede de cabines de couro vermelho muito confortáveis ​​nas quais nos sentamos muito felizes.

Que cardápio na sala de descanso. São páginas de bebidas deliciosas e emocionantes. Que tal um pouco de gim com manteiga?

Existem muitas variações únicas em destilados bem conhecidos na The Distillery & ndash uma coisa que eu realmente gostei no menu foi que eles sugeriram um coquetel que melhor se adequa a esse sabor de destilados & ndash pode ser um pouco demais para ter algo assim puro.

Comecei com o Lemon Fizz & ndash adorável, mas possivelmente mais para um dia de verão do que para uma noite fria de fevereiro.

Lemon Fizz

Em seguida veio o Gin and Tonic. Uau uau uau. É servido com cargas de gelo e casca de laranja e grãos de pimenta em um belo copo grande e tinha um sabor incrível. Eu então tive que ter outro desses que era tão bom.

No andar de cima fica o restaurante The Distillery & rsquos Gin Tonica. Aprendi que os espanhóis são grandes consumidores de gim & ndash, quem sabe? Gin Tonica é uma sala fabulosa & ndash agitada e confortável, com uma cozinha aberta e um pequeno bar.

O último gim e tônica

Algumas portas abaixo da Destilaria fica o Ginstitute . Uma sessão de três horas no Ginstitute irá educá-lo em todas as coisas do gin. Depois de preenchido, você será convidado a uma sala de mistura, onde poderá farejar uma variedade de vegetais e escolher a mistura ideal.

Estes serão então usados ​​para fazer o seu próprio gin personalizado. Além de sair do Ginstitute com sua garrafa de gim personalizada, coquetéis de gim são servidos durante toda a sessão.

Por um custo de £ 120, os hóspedes recebem quatro coquetéis à base de gim, uma garrafa de gim personalizado e uma garrafa de Portobello Road Gin & ndash com uma fantástica relação custo-benefício.

Sala de Jantar GinTonica

& rArrSe você conhece alguém que adora um Gin and Tonic tanto quanto eu, confira esta postagem no Melhor conjunto de gim para amantes de gim

3. Volte no tempo para o século 18

Uma das minhas atrações turísticas favoritas em Londres é a fantástica Dennis Sever e casa rsquos . A casa de Dennis Sever & rsquos é um museu que vive e respira.

É composto por dez salas diferentes, decoradas com detalhes intrincados. O que torna este museu de Londres tão único é que ele foi projetado para todos os seus sentidos.

Dennis Sever e rsquos House PC Flickr Matt Brown

Ao entrar em cada cômodo, parece que as pessoas que moravam naquele cômodo acabaram de sair. A casa de Dennis Sever & rsquos usa cheiros para dar vida a como seria no século 18.

O som também é muito bem usado com ruídos de bondes e ruídos de fundo dentro da casa, todos contribuindo para uma sensação de completa imersão.

Por dentro de Dennis Sever e rsquos House PC Flickr Mick

Uma visita típica à casa de Dennis Sever & rsquos dura cerca de 45 minutos. O horário de funcionamento é um pouco aleatório, então verifique o site deles.

A casa também hospeda muitas noites especiais que muitas vezes são temáticas ao longo do ano. Normalmente, isso envolve a adição de champanhe e / ou tortas picadas.

4. Participe de uma festa de chá do Chapeleiro Maluco e rsquos

Londres é famosa por seus fantásticos chás da tarde. Há tantos para escolher hoje em dia que pode ser um pouco opressor.

Se você quer experimentar o chá da tarde, mas está procurando algo diferente, então a Mad Hatter & rsquos Tea Party é para você.

A seção doce

O Mad Hatter & rsquos Tea Party é realizado em um restaurante superestiloso Hotel sanderson no Soho. O chá da tarde é servido em sua adorável área coberta ao ar livre (com aquecedores, etc. no inverno).

De acordo com as outras atividades nesta postagem do blog, este é um chá da tarde envolvente. Seu menu de chá da tarde vem dentro de um livro vintage. Todas as louças têm como tema Alice no País das Maravilhas.

A seleção saborosa

Uma mistura de receitas de chá baseadas em Alice no País das Maravilhas está em oferta, como o Coelho Branco. O chá da tarde consiste em uma variedade deliciosa de itens salgados interessantes e o verdadeiro wow & ndash dos itens doces.

De lagartas de chocolate a macarons temáticos de relógios de bolso, este é um verdadeiro banquete para os olhos e também para o seu paladar.

& rArr Gostei tanto do Chá da Tarde do Chapeleiro Maluco que escrevi um post inteiro sobre ele! Confira aqui.

5. Viaje em Londres com Mail Rail

Acontece que o tráfego de Londres era tão ruim há 100 anos quanto hoje. O Royal Mail estava lutando para fazer a correspondência atravessar a cidade com ruas congestionadas e neblina. Foi recomendada a construção de uma ferrovia elétrica com trens sem maquinista.

A ferrovia foi inaugurada em 1927. Embora tenha sido projetada para o correio, e não para as pessoas, as estações na verdade se assemelhavam a estações de metrô, assim como os sons.

Os trilhos do London Postal Museum

& rArr Adoro ver um marco histórico. Veja quantos marcos famosos você viu em minha série de postagens: 60 marcos mais famosos do mundo, 27 principais marcos australianos, 25 Marcos da Ásia, 61 Marcos Magníficos do Reino Unido, 13 marcos da China, 35 marcos famosos do Japão, 60 marcos mais famosos da Europa, 25 marcos da América do Norte, 25 Marcos Canadá e 15 marcos famosos nos EUA.

A correspondência continuou a ser entregue pela ferrovia até 2003, quando o sistema foi suspenso. O antigo depósito de engenharia da Mail Rail foi reaberto como Ride Mail Rail em 2017.

O destaque de qualquer visita é entrar em um desses trens em miniatura e experimentar a mesma jornada que o correio teria sob Londres. Não é um para o claustrofóbico.

Dentro do ex-trem postal muito pequeno!

Há um museu com exposições interativas para ajudar a recriar a época em que este era um sistema ferroviário movimentado e todas as histórias daqueles que criaram e administraram a ferrovia. Há também a oportunidade de vestir-se com alguns dos antigos trajes dos trabalhadores do correio ferroviário. [separador type = & rdquothick & rdquo]

O Museu Postal tem até fantasias!

6. Faça seu próprio Breaking Bad

Eu gosto de bares peculiares em Londres. Então, quando ouvi falar de um bar de coquetéis baseado em Breaking Bad e coquetéis de nitrogênio líquido, eu entrei.

Devo admitir que não era o maior fã de Breaking Bad, mas eu tinha assistido episódios o suficiente que entendi a essência do enredo. E eu sempre quis me envolver com coquetéis de nitrogênio líquido de alguma forma.

Então eu fui para ABQ Londres para experimentar seu Immersive Molecular Cocktail Bar. Constrangedoramente, tivemos um tempo desafiador para encontrar o ABQ London & ndash devido ao fato de que perdemos totalmente que ele estava em um ônibus / Winnebago de acordo com o laboratório de metanfetamina no show.

Nós passamos por ela e tivemos que perguntar & ndash e então percebemos que estávamos bem na frente dela e muito menos modernos do que poderíamos ter pensado. Há um food truck no local da ABQ que serve comida italiana, então você pode pegar algo lá, mas não há comida no ônibus.

O trailer

Nosso anfitrião do ABQ London veio nos cumprimentar em Breaking Bad & ndash muitos high fives, referências a drogas etc. Entramos no ônibus e tínhamos macacões amarelos esperando por todos nós.

Não são as coisas mais fáceis de vestir e o tecido está longe de respirar, mas é essencial colocá-las para uma experiência total. Você também pode obter fotos tiradas com várias máscaras, etc.

Balançando o macacão amarelo!

Há um mural brilhante de Walter no final do ônibus que vale bem a pena uma foto.

Walter assiste no & hellip & hellip

Uma vez lá dentro, as coisas começaram com uma bebida de boas-vindas. Esta é uma mistura do tipo mojito que é servida em um béquer & ndash uma idéia tão boa.

Ele também vem com uma seringa de plástico com um pouco de líquido azul dentro & ndash até você quanto você coloca em seu copo. Eu injetei a coisa toda e ainda estava de pé, fique à vontade para fazer a mesma coisa.

A bebida de boas-vindas

Em seguida, fomos solicitados a escolher 2 coquetéis de 12 no menu de coquetéis de primavera / verão do ABQ London. Todos tinham nomes fabulosos, como Walter JR Breakfast, La Tortuga etc.

Você se envolve na preparação dos coquetéis que pede. O garçom traz vários ingredientes e você usa uma espécie de cavitação de nitrogênio ou gelo seco para terminar o coquetel.

Essa mistura de ingredientes e utensílios

Minha primeira escolha foi La Tortuga, que era mezcal, agave, limão e abacaxi. Em seguida, infundi a bebida com sálvia e pimenta jalapeño.

Isso foi feito usando o tipo de recipiente que você normalmente vê chantilly. Coloquei os ingredientes e mexi um pouco e saiu minha infusão que coloquei por cima da minha bebida.

Nitrogênio pronto para usar!

Em seguida, eu queria algo com gelo seco, pois isso havia sido demonstrado anteriormente e era a opção mais dramática. Eu pedi o CRT Fix que era Gin, sabugueiro, limão, pepino e hortelã.

Em uma proveta, misturei o tomilho e o alecrim com o gelo seco e depois usei um tubo de líquido para colocar as saídas do gelo seco no topo da bebida. Esta foi definitivamente a opção mais fotogênica.

Quão bom é o gelo seco.

E devo acrescentar que as bebidas também tinham um gosto fantástico.

Quase como cappucino

Os funcionários dão instruções excelentes quando trazem os ingredientes para cada bebida e o anfitrião mantém o personagem durante a noite.

Depois de tomar suas três bebidas (que estão incluídas na taxa de inscrição), você pode passar para um menu de coquetéis mais & ldquonormal & rdquo ou experimentar alguns dos outros da lista.

7. Use uma máquina Enigma da vida real para pegar suas bebidas

Eu sou um pouco geek da 2ª Guerra Mundial. Irei ver qualquer coisa relacionada à 2ª Guerra Mundial e ndash de museus a memoriais e filmes. Então, quando soube que havia um novo bar temático da 2ª Guerra Mundial sendo inaugurado em Londres, baseado no famoso Bletchley Park, eu estava online imediatamente garantindo uma reserva.

E tenho o prazer de dizer que The Bletchley London não decepcionou. The Bletchley London é tudo sobre uma imersão total na 2ª Guerra Mundial. Isso começa em seu site, onde você deve quebrar um código para até mesmo fazer uma reserva.

Em seguida, você receberá um comunicado essencial para confirmar sua reserva. Todo o conceito de The Bletchley Bar é baseado em códigos e códigos de cracking & ndash de acordo com Bletchley Park. Em seguida, você terá que decifrar os códigos assim que chegar para pedir suas bebidas.

A lista de coquetéis e tubos de ensaio

& rArr Aqui estão alguns dos melhores lugares do mundo para assistir o nascer e o outono: 10 lugares para assistir ao pôr do sol na Califórnia, 7 melhores lugares para assistir ao pôr do sol em Sedona, 18 locais espetaculares para o melhor pôr do sol em Seattle, 5 deslumbrantes pôr do sol em Santorini, 8 pôr do sol em Ibiza, 11 lugares para ver o pôr do sol em Veneza, 6 lugares para assistir ao nascer do sol em Paris, 11 lugares para ver ao estilo Sunset Edimburgo, 15 lugares para ver o pôr do sol em Londres e 9 locais para assistir ao nascer do sol em Londres.

Entrar no Bletchley Bar é como voltar no tempo. Isso é adicionado quando você recebe uma jaqueta estilo WW2 para usar na chegada. A equipe por trás do Bletchley fez um trabalho fantástico ao criar um tema no estilo de sala de quebra de código / bunker com quadros-negros e equações e maquetes de máquina de enigma para quebrar o código.

Todos os funcionários do The Bletchley Bar estão imersos na experiência, desde o concierge até os bartenders. Eles usam a linguagem do estilo da 2ª Guerra Mundial e estão sempre falando como se a guerra estivesse acontecendo lá em cima.

Comunicando os Códigos

Você recebe uma reserva de duas horas no The Bletchley. Na chegada, além de sua jaqueta, você recebe menus com dicas e 3 & ldquocodes & rdquo para descobrir.

As chaves para quebrar os códigos estão em alguns dos diagramas nas paredes ou usando as máquinas Enigma. Eu não quero revelar muito, pois é parte da diversão e isso e esses caras estão falando sério e podem me localizar.

Tubos de teste de quebra de código

Os coquetéis estavam deliciosos. Uma das maneiras de quebrar um código é cheirar tubos de ensaio que levam às suas bebidas. O resultado da quebra do código leva a certos coquetéis, mas você pode escolher o seu próprio, se preferir.

Sua máquina de enigma

O Bletchley London fica em Chelsea, escondido atrás de um pub na área de Worlds End. Há uma porta e você desce um lance de escadas para chegar ao bar estilo bunker.

São 36 libras por pessoa pagas no momento da reserva e isso cobre toda a experiência e três coquetéis. [separador type = & rdquothick & rdquo]

& rArr Planejando uma viagem para a Inglaterra ou País de Gales? Não perca minhas postagens no 40 principais marcos ingleses, Locais de filmagem da Coroa, Maioria Belos castelos na Cornualha e Hotéis Boutique em Cornwall, Hotéis Boutique em Kent, Onde ficar em Cotswolds, 61 Marcos Magníficos do Reino Unido, Lugares para visitar em South Wales, Coisas divertidas para fazer em Cardiff, Hotéis de luxo em Yorkshire, Hotéis Spa no Sudoeste, Viagem de um dia para Brighton, Coisas para fazer em Exmouth, Cafés em Exeter, Pubs com salas em New Forest, Spa Ockenden Manor e a Melhores coisas para fazer em Winchester.

Amando aqueles botões!

Dica principal para geeks da segunda guerra mundial

Eu recomendo uma viagem de um dia para Bletchley Park . É cerca de uma hora de trem da estação de Euston. Definitivamente, faça o tour.

E não perca o Salas de guerra de Churchill & ndash minha experiência turística favorita número um em Londres. Estas são as salas de onde Churchill comandou a guerra e foram mantidas completamente intactas.

E por último, mas não menos importante, veja se você pode participar de um Blitz Party. Esses eventos fantásticos acontecem a cada dois meses e farão você viajar no tempo com coquetéis e dança.

Todos se arrumam e se sua mulher aparecer no cabeleireiro e pegar alguns rolos de vitória para realmente entrar no clima. [separador type = & rdquothick & rdquo]

8. Crie Street Art

Londres tem uma cena de arte de rua próspera, especialmente no leste da cidade. Embora muitos já tenham ouvido falar de Banksy, poucas de suas peças ainda estão no ar e disponíveis para serem vistas. Em vez disso, novos artistas e técnicas vêm e vão com grande frequência.

É por isso que a melhor maneira de conferir a arte de rua de Londres é por meio de uma visita guiada. Pessoalmente, não sei muito sobre arte, mas gosto de ver e fotografar. Gostei muito de ouvir do guia por que certas técnicas foram introduzidas e as histórias por trás da arte.

Arte de rua em East London

Best of all there are now options available to create your own street art. Alternative London combines a street art tour of the area around Brick Lane with time in their studio. Here you can make your own stencils and then use their spray paints to make your own street art in their garden area.

Brick Lane street art

Or forget the tour and just head straight to the quirky Nomadic Community Gardens to experience a graffiti and street art workshop with an actual local street artist.

You&rsquoll get an introduction to the main tools of the street artist (spray paint, stencils) plus have a lesson in basic art theory before you get going on your own creation.

9. Take a Rubbish Tour

Dotmaker Tours is a fantastic local tour company that run some genuinely inventive and unusual tours in London. My favourite is their Rubbish Trip. This fantastic and unique tour basically tells the history of how rubbish gets taken care of in London and uses it as a theme to show visitors lesser-known parts of London.

Sheep as seen against Canary Wharf on the Rubbish Tour PC Dotmaker Tours

The 2-mile tour covers the seldom visited Isle of Dogs in East London as well the more well known and very lovely Greenwich. The walk was devised by the founder of Dotmaker Tours, Rosie Oliver, a former environmental lawyer.

I have lived in London for a long time and I found out many new and interesting things about my favourite city.

Pig on the London Rubbish Tour

10. Learn how to Flirt

Here is a tour with a difference. The amazing Jean Smith is a flirtologist. She has a master&rsquos degree in anthropology that was obtained via a multi-city study of how women and men flirt.

She has taken her extensive knowledge in this area and turned it into a brilliant fearless flirting tour to help all the rest of us that are rather terrified when it comes to how to express interest in someone who we find attractive.

Fearless Flirting in Action

What makes this tour so fantastic is Jean. She is incredibly warm and funny and has a knack of saying out loud exactly the doubt or blocker heading into your mind the moment you think it.

She combines flirting theory with flirting practice (and you will do the same) providing lots of ways to start a conversation with confidence. And the tour takes in some key sights around London. You don&rsquot need to be living in London to apply the benefits of this tour.

Aspiring flirters will try out their skills on the street as well as in a supermarket &ndash scenarios which take place all around the world. So why not experience more of London as well as developing an important life skill?

11. See 68,000 zoological specimens at the Grant Museum

OK so maybe you won&rsquot see all 68,000 specimens at the Grant Museum but it is always good to have a goal. The Grant Museum is one of those wonderfully quirky places that only exist in London and isn&rsquot featured in many guidebooks. The Grant Museum was established in 1827 as part of London&rsquos biggest (and fantastic!) University UCL.

Best insta shot in the Grant Museum

The Grant Museum includes everything from the world&rsquos rarest skeleton to dodo bones to what I am sure was the largest penis bone of any mammal. It feels like walking into something from a Harry Potter movie with shelves and books and tables and unusual items in glass all over the place yet organized.

Skeletons in the Grant Museum PC Flickr Neil Turner

And entry is free! The Grant Museum is open from 1300 &ndash 1700 Monday through Saturday.

12. Have lunch at the Cereal Killer Cafe

Yes, that is its name. And yes it does serve cereal. It was &ndash and maybe still is &ndash the world&rsquos first international cereal cafe. The Cereal Killer Cafe was opened in 2014 by cereal obsessed twin brothers.

In addition to, of course, ordering bowls of cereal, cereal is an ingredient in everything else served at the Cereal Killer Cafe. It is used as part of the batter for cereal fried chicken, cornflake burgers and my favourite, cereal Chillers.

The Cereal Bar at the Cereal Killer Cafe

The original Cereal Killer Cafe is on Brick Lane in East London.

13. Enjoy a Gourmet Meal on a Double Decker Bus

London is famous for its red double-decker buses. However, they are seldom associated with food &ndash let alone fine dining. Well, the team at Bustronome has changed all of that with its fantastic black double-decker buses that offer gourmet lunch, afternoon tea, and dinners.

The Bustronome Bar

All seating is on the top floor so as to maximize the views. I enjoyed an outstanding dinner on Bustronome whilst the bus drove throughout the middle of London and passed many key London sights.

The aesthetic is upmarket with wooden floors and clean lines &ndash and a fantastic plastic glass holder for your wine.

No spilled drinks here!

Dinner was a six-course tasting menu which was delicious. From a crab and artichoke gateau to seared tuna to strawberry and ginger pavlova, it was an outstanding meal with an ever-changing interesting view.

Champagne is served on arrival and then the staff is quite generous with their pouring on the red and white wine throughout the meal.

The Pavlova

Boutique Hotels in Londons

Artist Residence is located in Pimlico which is fabulously central. It is in a gorgeous 5 store regency building and has a cute bar.

o Portobello Hotel is located in one of London&rsquos best known and cutest neighbourhoods Notting Hill. This is also the hotel where Kate Moss and Johnny Depp filled up the bath with champagne. The hotel is located on a quiet street but is a great location.

Chickens on the Rubbish Tour

o Great Northern Hotel is ridiculously close to Kings Cross and St Pancras stations which is incredibly convenient. The hotel dates back to 1854 but has had a major refurb so it feels fresh and modern.

o Hoxton hotel is in the heart of East London in Shoreditch and a perfect base for exploration. The rooms aren&rsquot huge but the location makes up for it &ndash as does the great value for London with rooms starting at £99 a night.

Getting to London and Getting Around:

Best Ways to get from the airport to London

London has several airports. It can be confusing and expensive to get from each of the airports into central London. And the last thing you need after a flight! It is much easier to organize tickets before you fly.

Heading into the London Postal Museum

Heathrow is the most common airport for international flights. The fastest way to get from Heathrow into Central London is the Heathrow Express.

This train only takes 15 minutes to get from Heathrow to Paddington Station and runs 4 times an hour. The Heathrow Express is much faster than a cab or any other option.

&rArr Save £5 per standard ticket on Heathrow express tickets

The lowest cost way to get from Heathrow to central London is the tube. The tube is actually one of the fastest options as well &ndash and will get you the closest to your final destination.

&rArr Avoid the Queue &ndash Book Your Heathrow airport to London tube

Há também um bus or coach option which drops passengers at Victoria Station. This is a cheap option but you will have to deal with London traffic! If you are taking this option during peak hour it could take up to 2 hours each way.

Milkshake at the Cereal Killer Cafe

Gatwick Airport is south of London and can be quite the distance in a car. o Gatwick Express is the fastest option into London and runs directly from Gatwick to Victoria Station.

&rArr Book Here and Save £5 per standard ticket on your Gatwick express eticket

If you don&rsquot need the express option there is a slightly slower-moving Comboio that has several more options in terms of stops including Clapham Junction, Kings Cross St Pancras, and London Bridge.

The third option is the national express Gatwick airport coach transfer . This is the least expensive option but it can take some time with London traffic. There is one departure an hour and the average journey time is 90 minutes.

There are a number of Brit Rail passes available. o BritRail London Plus Pass is the best option if you are planning to base yourself in London and take a few day trips. o Britrail England pass covers all of England including getting to and from the airport.

If you are planning on travelling around the south-west of England then BritRail South West Pass is the best option. Finally, if you&rsquore planning on travelling around England and Scotland then the best option is to buy the BritRail GB Pass.

A London public toilet PC Flickr Tara Hunt

Tonight we were attacked with paint and fire by an angry mob of 200. Riot police are on the scene.

Staff and customers unharmed, although children were in the cafe, mob still around so stay away from shoreditch.

08:39 PM - 26 Sep 2015

Whatever happened in Shoreditch tonight is making my life exceedingly difficult


Is Gentrification a Human-Rights Violation?

The West Is Failing Belarus

The Costly Success of Israel’s Iron Dome

Strange as all this may seem, it’s not uncommon to “see people who look like gentrifying classes participating in protests against gentrification,” according to Japonica Brown-Saracino, a professor of sociology at Boston University who studies gentrification in U.S. cities.

“There are people who move into a neighborhood because they’re attracted to certain qualities of a place,” she said. “On moving, they recognize that they are part of transforming the things that they value about a place. And they end up working to forestall some of the transformation, protesting in the streets for affordable housing, trying to hold onto community centers or certain commercial institutions that they regard as linked to longtime populations.”

In the East London case, wrote Paul Cheshire, an emeritus professor of economic geography at the London School of Economics, via email, “the very early relatively poor but mainly educated/drop-out pioneer gentrifiers—typical of most processes of gentrification moving into areas of architectural interest in mainly inner city neighborhoods when those are still rundown and largely occupied by working class or refugee poor—are being replaced by richer and more market-oriented still mainly liberal professional and successfully university educated successor gentrifiers, who are a good bit richer and (commercially) fashion-conscious.” The “pioneer gentrifiers” were attracted not just to East London’s cheapness but also its edginess, which they believe the richer groups are eroding.

Variations on this trend, with or without pronounced economic and cultural differences between gentrifying groups, are actually the norm in gentrification debates, not just in England but in the United States. In fact, Brown-Saracino said, “In most of the instances [of vehement demonstration] I can point to [in the United States], it’s probably not the longtime residents who’ve been in the neighborhood for generations peopling these protests.”

Nor is this kind of semi-violent targeting unusual. Brown-Saracino pointed to protests against Google Buses in San Francisco as the “nearest example” of incidents like that of the Cereal Killer mob. Commercial institutions in particular, she said, tend to find themselves at the center of these debates, being more ready symbols than the latest in a string of residential moving vans, for instance: “a lot of neighborhood reputation and branding depends upon commercial institutions, and I think everyday actors sense that.”

But in London, there may be something at stake beyond a changing neighborhood.

“The way I’d read these protests is something slightly different than the issue of gentrification,” said Nancy Holman, an associate professor of urban planning at the London School of Economics. “It’s more to do, to be honest, with a very sick housing market.”

Holman said she’s seen the resentment firsthand. “Certainly I see at the university lots of people who graduate from the [master-of-science program] with a good job and prospects, living in a house with several other people living with them, and they’re doing that into their thirties. Really, what we’re seeing isn’t so much about gentrification but about feeling priced out—people who are in their twenties and thirties feeling that there’s not a lot of hope in their being a part of life in the capital despite the fact that they work and contribute.” (In fact, The Times of London identified one Cereal Killer demonstrator as a research fellow at the London School of Economics.)

Holman’s interpretation lends clarity to the parts of the anti-Cereal Killer activists’ Facebook manifesto that aren’t about “brioche buns.” Other paragraphs focus on “Russian oligarchs, Saudi sheiks, Israeli scumbag property developers, Texan oil-money twats and our own home-grown Eton toffs” messing with the housing market: “Soon this City will be an unrecognisable, bland, yuppie infested wasteland with no room for normal (and not so normal) people like us,” the event description reads. “Working class people are being forced out of our homes but we won’t go out without a fight.”

The problem, according to Holman, is that London has had a “chronic undersupply of housing” since the late 1970s, when the government got out of the housing game.

“The housing market, which is now driven by the private market, is incredibly sensitive to shocks. Even in boom times it doesn’t necessarily expand as much as you might think,” said Holman. That’s in part, she noted, because the government and smaller developers tend to produce housing most quickly. Large-scale builders frequently construct and release homes relatively slowly—a process that is typically more profitable. As obtaining “planning permission” has become more expensive, small homebuilders have been priced out.

Things have gotten so bad that “there’s a big problem with people living in sheds in people’s gardens,” Holman added.

As for those Texans, Israelis, Saudis, and Russians referred to in rather ugly terms in the group’s Facebook manifesto?

“We also have a problem with housing right now being seen as a safe asset class,” Holman said. “So you do have foreign investors who come in and invest in housing as an assert, which also drives up prices.”

Holman acknowledges that there’s a “planner” and a “developer” side to the debate over what’s wrong with London housing, and cops to being a planner. The opposing side, she noted, “would say that there’s an issue with land banking, with people not developing sites as quickly as they could. They would say it’s all about planners being slow, about having a green belt around London, about historic conservation regulations.” She thinks both sides are probably clinging too tightly to their creeds, and will have to “come together. Otherwise you just get people pulling tiny levers that don’t work.”

All of this isn’t to suggest that the Cereal Killer Cafe was an entirely arbitrary target of anger over the housing market. Cheshire, for instance, is skeptical of a pure housing-resentment model for the protest. “Although the seriously high cost of housing in London is fuel for this,” he wrote, “my—not perfectly informed—reading of this is that it had far more in common with the ‘Occupation’ movement of a year or two ago (i.e. considered quasi-anarchic, ‘Leveller-type’ and politically intended direct action) than with [a] popular outburst of resentment,” which might look more like England’s 2011 riots, triggered by the police shooting of a Tottenham man. In the Cereal Killer case, the demonstrators, or at least the organizers, appeared to have a specific political-cultural agenda.

Then, too, the Cereal Killer Cafe did seem to court controversy. Last December, when a reporter pressed Gary Keery, one of the twin brothers who own the eatery, about opening such a cheekily niche, high-end enterprise, Keery responded testily, and then posted an open letter: “You obviously don’t understand business if you think I don’t have to put a mark-up on what I sell. It may be the poorest borough in London, but let’s not forget Canary Wharf [one of the city’s financial centers] is also in the borough,” wrote Keery, before citing his own origins in “the most deprived areas in Belfast.” The letter also included the memorable line: “If you want someone to solve the poverty crises in London I don’t think I’m the man to do that as I am too busy trying to cure Ebola and get Kim Kardashian to keep her clothes on.”

The day after the attack on Cereal Killer Cafe, London Mayor Boris Johnson tweeted his support for the institution: “Small businesses like @CerealKillerUK are lifeblood of London’s thriving economy—any violent protest is unacceptable.” The tweet echoed Cereal Killer Cafe’s own Twitter response to the incident: “Unhappy with the state of the country? Why not attack a small business #smart.”

If it’s overly simplistic to say these protests were about retaliating against hipsters, it’s equally unhelpful to make Cereal Killer Cafe’s critics out to be anti-business, or London’s economy out to be flawless. Given that a Cereal Killer-style attack could soon be coming to a hipster establishment near you (pretty much regardless of where you’re reading this from, judging by the latest reports on global housing crunches and international urban gentrification), everyone’s got a stake in this fight.


London Cafe Dedicated to Cereal Will Close Permanently Due to the Pandemic

The two London cafes dedicated to retro cereal and committed like no other to the novelty, fluorescent aesthetic of mid 2010s hipsterism, will close as a result of the coronavirus pandemic.

Twin-brother owners Alan and Gary Keery wrote on Instagram that it was “A sad Cheerio” for the Shoreditch and Camden branches of Cereal Killer Cafe.

After 5.5 years we will be saying Cheerio to our Cafes, for now. After a long period of closure due to Coronavirus, and with the future of the hospitality industry looking very uncertain, we have made a decision that our Cafes on Brick Lane and Camden will not reopen their doors.

The first cafe, which would later be on the receiving end of protests against gentrification in East London, opened on Brick Lane in late 2014, four years after this was uploaded to YouTube. It was billed as the first cereal-only cafe in the country, selling rare and retro cereal varieties from America, Australia, France, South Africa, and South Korea, with a load of different milks and toppings like Oreos and marshmallow. There was more than a little 90s Richie Rich kid-dream about the whole enterprise, which the owners say served over one million bowls of cereal in its five and a half years of trading.


Hipster Cafe Attacked In London, 'Class War' Will 'Shut Down' Jack The Ripper Museum Next [Video]

A British political party calling itself Class War had a hipster cafe attacked simply because because the two owners of Cereal Killer Cafe saw fit to charge rich prices for a single bowl of cereal. Now, Class War has announced plans for a second so-called "F**k Parade," and they plan on shutting down the Jack The Ripper museum on Cable St, London due to its alleged "glorification of sexual violence."

In a related report by the Inquisitr, the Cereal Killer Cafe is seen as a symbol of gentrification, which is when the wealthy buy and renovate houses and stores in deteriorated urban neighborhoods like the East End in London. While property values do increase based upon such community improvements, gentrification is seen as part of class warfare since the process can displace low-income affordable housing.

"Our communities are being ripped apart - by Russian oligarchs, Saudi Sheiks, Israeli scumbag property developers, Texan oil-money twats and our own home-grown Eton toffs. Soon this City will be an unrecognizable, bland, yuppie infested wasteland with no room for normal (and not so normal) people like us," Class War said on their Facebook page.

Numbering around 200 people strong, the Class War supporters grabbed their banners and torches, put on pig masks, and marched toward their target. Gary Keery, who founded the Cereal Killer Cafe with his twin brother, Alan, described the attack on his business by the so-called "F**k Parade," which left customers, including children, "terrified for their lives."

A day later, Cereal Killer cafe was back up and running just like normal, but Class War managed to get their point across about inequality in London. The store generated controversy when it first opened because a simple bowl of cereal can cost as much as $6.68, and some questioned whether the low-income residents of East London could actually afford to buy breakfast at Cereal Killer Cafe.

Still, Keery says he does not understand why his small business was targeted by the anarchist political group, and he claimed the attack was simply "senseless violence."

"We've had some letters through the letterbox saying 'die hipsters' and stuff but nothing to this extreme," he said. "It just doesn't make sense."

"There is a class war waging and we are losing it. The rich are getting richer and the gilded elite who have ruled us since Norman times remain in power and dominate land ownership just as they did when they first robbed it," their website says. "We are [standing Class War candidates in order] to launch a furious and coordinated political offensive against the ruling class with the opportunity an election gives us to talk politics to our class. We in no way see the election as an alternative to direct action. By the brick and the ballot."

Their policies are short and to the point. They call for double the dole, pension, and all other benefits for workers. In addition, they want a 50 percent mansion tax on the rich, and they desire to abolish the British monarchy and all public schools.

But even some of Class War's followers questioned whether having the hipster cafe attacked was the best plan, with some claiming that banks or other big businesses should be targeted, not a small business like Cereal Killer Cafe. Critics on Facebook have been even harsher, calling for the anarchist political group to get out of the East End entirely.