Receitas de coquetéis, destilados e bares locais

Taco Bell abrirá seu primeiro restaurante na China ainda este ano

Taco Bell abrirá seu primeiro restaurante na China ainda este ano

A cidade de Xangai receberá o primeiro Taco Bell da China, inaugurado no final de 2016

Yum! Brands, que também é dona do KFC e da Pizza Hut, finalmente trará seu terceiro restaurante para a China este ano.

A Taco Bell abrirá seu primeiro restaurante na China até o final de 2016, executivos da controladora Yum! Marcas anunciaram.

As duas outras redes da empresa, KFC e Pizza Hut, se expandiram bem na China, e a KFC acaba de abrir sua primeira localização no Tibete - tornando-se a primeira rede ocidental a fazê-lo.

O China Taco Bell ficará localizado em Xangai, a maior cidade do país em população, com cerca de 24 milhões de pessoas.

“Este será o início do que poderia ser uma grande ideia em potencial para a China”, disse Greg Creed, CEO da Yum! Marcas. “Saberemos rapidamente” se os mercados chineses estão receptivos à Taco Bell, acrescentou Creed.

No ano passado, Yum! Brands anunciou planos de desmembrar suas operações na China em uma empresa separada chamada Yum! China, que supervisionará as operações de todos os três Yum! restaurantes. Os franqueados da KFC, Pizza Hut e Taco Bell pagarão apenas três por cento da receita à Yum !, enquanto os franqueados em outros países pagam seis por cento.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não fez Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que está expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Os sucessivos escândalos da qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado a fornecedores que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem uns modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior compromisso com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado a se firmar na China, mas podemos vê-lo crescer lá no futuro.

A Taco Bell teve grande sucesso onde quer que abrisse suas portas (com exceção da Índia, onde continua a apresentar um atraso terrível e as vendas nas mesmas lojas parecem ir continuamente de mal a pior), então, em vez de ver essa mudança como um erro, os investidores deveria elogiar Yum! Marcas por terem certeza de que ainda tem uma conexão direta com a China.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que está expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Os sucessivos escândalos da qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado com o fornecedor que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem uns modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior compromisso com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado para se firmar na China, mas podemos vê-lo crescer lá no futuro.

A Taco Bell teve grande sucesso onde quer que abrisse suas portas (com exceção da Índia, onde continua a apresentar um atraso terrível e as vendas nas mesmas lojas parecem ir continuamente de mal a pior), então, em vez de ver essa mudança como um erro, os investidores deveria elogiar Yum! Marcas por terem certeza de que ainda tem uma conexão direta com a China.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que ele está fazendo expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Os sucessivos escândalos da qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado com o fornecedor que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior compromisso com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado para se firmar na China, mas podemos vê-lo crescer lá no futuro.

A Taco Bell teve grande sucesso onde quer que abrisse suas portas (com exceção da Índia, onde continua a apresentar um atraso terrível e as vendas nas mesmas lojas parecem ir continuamente de mal a pior), então, em vez de ver essa mudança como um erro, os investidores deveria elogiar Yum! Marcas por terem certeza de que ainda tem uma conexão direta com a China.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não fez Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que está expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Sucessivos escândalos de qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado a fornecedores que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem uns modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior compromisso com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado a se firmar na China, mas podemos vê-lo crescer lá no futuro.

A Taco Bell teve grande sucesso onde quer que abrisse suas portas (com exceção da Índia, onde continua a apresentar um atraso terrível e as vendas nas mesmas lojas parecem ir continuamente de mal a pior), então, em vez de ver essa mudança como um erro, os investidores deveria elogiar Yum! Marcas por terem certeza de que ainda tem uma conexão direta com a China.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não fez Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que está expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Os sucessivos escândalos da qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado a fornecedores que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior compromisso com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado para se firmar na China, mas podemos ver seu crescimento lá no futuro.

A Taco Bell teve grande sucesso onde quer que abrisse suas portas (com exceção da Índia, onde continua a apresentar um atraso terrível e as vendas nas mesmas lojas parecem ir continuamente de mal a pior), então, em vez de ver essa mudança como um erro, os investidores deveria elogiar Yum! Marcas por terem certeza de que ainda tem uma conexão direta com a China.


Is Yum! Marcas prestes a repetir seus erros na China?

Rich é um tolo desde 1998 e escreve para o site desde 2004. Após 20 anos patrulhando as ruas mesquinhas do subúrbio, ele pendurou seu distintivo e arma para pegar uma caneta em tempo integral. Tendo tornado as ruas seguras para Truth, Justice e Krispy Kreme donuts, ele agora patrulha os mercados em busca de empresas que possa encerrar como participações de longo prazo em uma carteira. Sua cobertura reflete sua paixão por motocicletas, bebidas e armas (embora normalmente nem todas exercidas ao mesmo tempo), mas seus escritos também cobrem os setores mais amplos de bens de consumo, tecnologia e indústrias. Portanto, acompanhe enquanto ele tenta decompor tópicos complexos para torná-los mais compreensíveis e úteis para o investidor médio. Tem uma ideia para uma história? Contate Rich aqui. Posso não ser capaz de responder a todas as sugestões, mas leio todas! Acha que um artigo precisa de uma correção? Alcance Rich aqui.

Yum! Brands quer que a China dê um passo à frente na chalupa. Ela planeja abrir seu primeiro Taco Bell no país até o final de 2016.

Não fez Yum! Marcas (NYSE: YUM) resolveu reduzir seu risco de exposição na China concordando em cindir a divisão que opera seus restaurantes KFC e Pizza Hut no país? Então, o que ele está fazendo expandindo a rede Taco Bell lá? A operadora do restaurante acaba de dizer que, quando terminar o parto de sua unidade na China, no final deste ano, vai abrir seu primeiro restaurante mexicano lá.

Não há dúvida de que a China tem sido um mercado importante para a Yum! Marcas. A região responde por 53% da receita total e 39% dos lucros operacionais. O dono do restaurante tem cerca de 6.900 restaurantes no país, dos quais cerca de 5.000 são KFCs.

Em contraste, a Taco Bell, que tem cerca de 6.400 restaurantes em 20 países e tem feito grandes avanços nos mercados emergentes (principalmente na Índia), está ausente da China.

Yum! As marcas foram afetadas por problemas de qualidade dos alimentos na China no ano passado, e sofreu sua segunda crise desse tipo lá em tantos anos. Ela tinha acabado de começar a reconquistar clientes após o primeiro desastre, quando o segundo aconteceu, e está descobrindo que recuperar o terreno perdido uma segunda vez é um processo muito mais lento.

Os sucessivos escândalos fizeram com que o fundo de hedge Corvex Management tomasse uma posição na Yum! Marcas e defendem o descarregamento de sua divisão na China como um meio de reduzir sua exposição. A operadora do restaurante subseqüentemente indicou o CEO do fundo de hedge para seu conselho de diretores, e apenas alguns dias depois anunciou que iria se separar da unidade da China.

Os sucessivos escândalos da qualidade dos alimentos dificultaram os negócios da Yum! Brands, que está desmembrando sua divisão na China ainda este ano.

Mas Yum! As marcas não são as únicas a sentir a necessidade de minimizar os riscos associados à gestão de um negócio na Ásia. McDonald's (NYSE: MCD) supostamente também está procurando encerrar seus negócios asiáticos, que foram atingidos pelo mesmo escândalo de qualidade de alimentos relacionado com o fornecedor que afligiu a Yum! Marcas pela segunda vez. A principal diferença é que foi a divisão japonesa do Golden Arches que foi atingida. O McDonald's possui cerca de metade desse negócio, e os danos o levaram a relatar sua primeira perda em mais de uma década.

Embora os dois operadores de restaurantes tenham tido um sucesso fabuloso em suas investidas no Oriente, o fato de terem sido as únicas redes de fast food a realizar isso mostra como é difícil para uma multinacional administrar um negócio lá. Por exemplo, Wendy's não tem presença na China, enquanto a controladora do Burger King Restaurant Brands International (NYSE: QSR) tem modestos 450 restaurantes no país, embora tenha um plano de expansão em vigor.

Portanto, pode ter sido mais surpreendente que o Yum! Brands estava "saindo" da China ao desmembrar a divisão, então a Taco Bell estaria abrindo seus primeiros restaurantes lá. Talvez a verdadeira pergunta que deva ser feita seja: Por que demoraram tanto?

Apesar das dificuldades e contratempos Yum! Brands enfrentou recentemente no país, já teve décadas de atuação bem-sucedida por lá. Embora os escândalos de alimentos tenham sido frustrantes para a empresa e os investidores, seu longo histórico na China sugere que um maior comprometimento com o mercado é garantido.

E mesmo com o spinoff, Yum! A marca não está rompendo todos os laços - a nova empresa irá operar como franqueada da controladora. Essa pode ter sido a maior diferença entre os negócios da operadora de restaurantes lá e suas cadeias aqui. Nos EUA, é um negócio quase totalmente franqueado na China, era quase totalmente de propriedade da empresa. O modelo de franquia geralmente tem demorado para se firmar na China, mas podemos vê-lo crescer lá no futuro.

Taco Bell has enjoyed great success wherever its opened its doors (with the exception of India, where it continues to lag horribly and same-store sales seem to continuously go from bad to worse), s o rather than viewing this move as a mistake, investors should commend Yum! Brands for making sure it still has a direct connection to China.


Is Yum! Brands About to Repeat Its Mistakes in China?

Rich has been a Fool since 1998 and writing for the site since 2004. After 20 years of patrolling the mean streets of suburbia, he hung up his badge and gun to take up a pen full time. Having made the streets safe for Truth, Justice, and Krispy Kreme donuts, he now patrols the markets looking for companies he can lock up as long-term holdings in a portfolio. His coverage reflects his passion for motorcycles, booze, and guns (though typically not all exercised at the same time), but his writing also covers the broader sectors of consumer goods, technology, and industrials. So follow along as he tries to break down complex topics to make them more understandable and useful to the average investor. Have a story idea? Contact Rich here. I may not be able to respond to every suggestion, but I do read them all! Think an article needs a correction? Reach Rich here.

Yum! Brands wants China to step up to the chalupa. It plans to open its first Taco Bell in the country by the end of 2016.

Didn't Yum! Brands (NYSE:YUM) just resolve to reduce its exposure risk in China by agreeing to spin off the division that operates its KFC and Pizza Hut restaurants in the country? So what's it doing expanding the Taco Bell chain there? The restaurant operator just said that about the time it finishes calving off its China unit at the end of this year, it will open its first Mexican restaurant there.

There's no doubt that China has been an important market for Yum! Brands. The region accounts for 53% of total revenue and 39% of operating profits. The restaurateur has about 6,900 restaurants in the country, about 5,000 of which are KFCs.

By contrast, Taco Bell, which has some 6,400 restaurants in 20 countries and has been making big pushes in emerging markets (primarily India), is absent from China.

Yum! Brands has been plagued by food-quality issues in China last year, it suffered its second such crisis there in as many years. It had just managed to start winning back customers after the first debacle when the second one hit, and it's finding that regaining that lost ground a second time is a much slower process.

The successive scandals caused hedge fund Corvex Management to take a position in Yum! Brands and advocate offloading its China division as a means of reducing its exposure. The restaurant operator subsequently appointed the hedge fund's CEO to its board of directors, and only days later announced it would be spinning off the China unit.

Successive food quality scandals have made business difficult for Yum! Brands, which is spinning off its China division later this year.

But Yum! Brands isn't alone in feeling the need to minimize the risks associated with running a business in Asia. McDonald's (NYSE:MCD) has reportedly also been looking to calve off its Asian business, which was hammered by the same supplier-related food quality scandal that afflicted Yum! Brands the second time. The main difference was that it was the Golden Arches ' Japanese division that got hit. McDonald's owns about half of that business, and the damage led to it reporting its first loss in over a decade.

While both restaurant operators have been fabulously successful with their forays into the Orient, the fact they've largely been the only fast food chains to accomplish that speaks to how difficult it is for a multinational to run a business there. Por exemplo, Wendy's has no presence in China, while Burger King's parent Restaurant Brands International (NYSE:QSR) has a modest 450 restaurants in the country, though it does have an expansion plan in place.

So it may have been more surprising that Yum! Brands was "exiting" China by spinning off the division than that Taco Bell would be opening its first restaurants there. Perhaps the real question that should be asked is: What took them so long?

Despite the difficulties and setbacks Yum! Brands has faced recently in the country, it has had decades of successful operations there. While the food scandals have been frustrating for the company and investors, its long record in China suggests further commitment to the market is warranted.

And even with the spinoff, Yum! Brands is not severing all ties the new company will operate as a franchisee for the parent. That may have been the biggest different between the restaurant operator's business there and its chains here. In the U.S., it's an almost wholly franchised business in China, it was almost entirely company-owned. The franchise model generally has been slow to take hold in China, but we may see it grow there in the future.

Taco Bell has enjoyed great success wherever its opened its doors (with the exception of India, where it continues to lag horribly and same-store sales seem to continuously go from bad to worse), s o rather than viewing this move as a mistake, investors should commend Yum! Brands for making sure it still has a direct connection to China.


Is Yum! Brands About to Repeat Its Mistakes in China?

Rich has been a Fool since 1998 and writing for the site since 2004. After 20 years of patrolling the mean streets of suburbia, he hung up his badge and gun to take up a pen full time. Having made the streets safe for Truth, Justice, and Krispy Kreme donuts, he now patrols the markets looking for companies he can lock up as long-term holdings in a portfolio. His coverage reflects his passion for motorcycles, booze, and guns (though typically not all exercised at the same time), but his writing also covers the broader sectors of consumer goods, technology, and industrials. So follow along as he tries to break down complex topics to make them more understandable and useful to the average investor. Have a story idea? Contact Rich here. I may not be able to respond to every suggestion, but I do read them all! Think an article needs a correction? Reach Rich here.

Yum! Brands wants China to step up to the chalupa. It plans to open its first Taco Bell in the country by the end of 2016.

Didn't Yum! Brands (NYSE:YUM) just resolve to reduce its exposure risk in China by agreeing to spin off the division that operates its KFC and Pizza Hut restaurants in the country? So what's it doing expanding the Taco Bell chain there? The restaurant operator just said that about the time it finishes calving off its China unit at the end of this year, it will open its first Mexican restaurant there.

There's no doubt that China has been an important market for Yum! Brands. The region accounts for 53% of total revenue and 39% of operating profits. The restaurateur has about 6,900 restaurants in the country, about 5,000 of which are KFCs.

By contrast, Taco Bell, which has some 6,400 restaurants in 20 countries and has been making big pushes in emerging markets (primarily India), is absent from China.

Yum! Brands has been plagued by food-quality issues in China last year, it suffered its second such crisis there in as many years. It had just managed to start winning back customers after the first debacle when the second one hit, and it's finding that regaining that lost ground a second time is a much slower process.

The successive scandals caused hedge fund Corvex Management to take a position in Yum! Brands and advocate offloading its China division as a means of reducing its exposure. The restaurant operator subsequently appointed the hedge fund's CEO to its board of directors, and only days later announced it would be spinning off the China unit.

Successive food quality scandals have made business difficult for Yum! Brands, which is spinning off its China division later this year.

But Yum! Brands isn't alone in feeling the need to minimize the risks associated with running a business in Asia. McDonald's (NYSE:MCD) has reportedly also been looking to calve off its Asian business, which was hammered by the same supplier-related food quality scandal that afflicted Yum! Brands the second time. The main difference was that it was the Golden Arches ' Japanese division that got hit. McDonald's owns about half of that business, and the damage led to it reporting its first loss in over a decade.

While both restaurant operators have been fabulously successful with their forays into the Orient, the fact they've largely been the only fast food chains to accomplish that speaks to how difficult it is for a multinational to run a business there. Por exemplo, Wendy's has no presence in China, while Burger King's parent Restaurant Brands International (NYSE:QSR) has a modest 450 restaurants in the country, though it does have an expansion plan in place.

So it may have been more surprising that Yum! Brands was "exiting" China by spinning off the division than that Taco Bell would be opening its first restaurants there. Perhaps the real question that should be asked is: What took them so long?

Despite the difficulties and setbacks Yum! Brands has faced recently in the country, it has had decades of successful operations there. While the food scandals have been frustrating for the company and investors, its long record in China suggests further commitment to the market is warranted.

And even with the spinoff, Yum! Brands is not severing all ties the new company will operate as a franchisee for the parent. That may have been the biggest different between the restaurant operator's business there and its chains here. In the U.S., it's an almost wholly franchised business in China, it was almost entirely company-owned. The franchise model generally has been slow to take hold in China, but we may see it grow there in the future.

Taco Bell has enjoyed great success wherever its opened its doors (with the exception of India, where it continues to lag horribly and same-store sales seem to continuously go from bad to worse), s o rather than viewing this move as a mistake, investors should commend Yum! Brands for making sure it still has a direct connection to China.


Is Yum! Brands About to Repeat Its Mistakes in China?

Rich has been a Fool since 1998 and writing for the site since 2004. After 20 years of patrolling the mean streets of suburbia, he hung up his badge and gun to take up a pen full time. Having made the streets safe for Truth, Justice, and Krispy Kreme donuts, he now patrols the markets looking for companies he can lock up as long-term holdings in a portfolio. His coverage reflects his passion for motorcycles, booze, and guns (though typically not all exercised at the same time), but his writing also covers the broader sectors of consumer goods, technology, and industrials. So follow along as he tries to break down complex topics to make them more understandable and useful to the average investor. Have a story idea? Contact Rich here. I may not be able to respond to every suggestion, but I do read them all! Think an article needs a correction? Reach Rich here.

Yum! Brands wants China to step up to the chalupa. It plans to open its first Taco Bell in the country by the end of 2016.

Didn't Yum! Brands (NYSE:YUM) just resolve to reduce its exposure risk in China by agreeing to spin off the division that operates its KFC and Pizza Hut restaurants in the country? So what's it doing expanding the Taco Bell chain there? The restaurant operator just said that about the time it finishes calving off its China unit at the end of this year, it will open its first Mexican restaurant there.

There's no doubt that China has been an important market for Yum! Brands. The region accounts for 53% of total revenue and 39% of operating profits. The restaurateur has about 6,900 restaurants in the country, about 5,000 of which are KFCs.

By contrast, Taco Bell, which has some 6,400 restaurants in 20 countries and has been making big pushes in emerging markets (primarily India), is absent from China.

Yum! Brands has been plagued by food-quality issues in China last year, it suffered its second such crisis there in as many years. It had just managed to start winning back customers after the first debacle when the second one hit, and it's finding that regaining that lost ground a second time is a much slower process.

The successive scandals caused hedge fund Corvex Management to take a position in Yum! Brands and advocate offloading its China division as a means of reducing its exposure. The restaurant operator subsequently appointed the hedge fund's CEO to its board of directors, and only days later announced it would be spinning off the China unit.

Successive food quality scandals have made business difficult for Yum! Brands, which is spinning off its China division later this year.

But Yum! Brands isn't alone in feeling the need to minimize the risks associated with running a business in Asia. McDonald's (NYSE:MCD) has reportedly also been looking to calve off its Asian business, which was hammered by the same supplier-related food quality scandal that afflicted Yum! Brands the second time. The main difference was that it was the Golden Arches ' Japanese division that got hit. McDonald's owns about half of that business, and the damage led to it reporting its first loss in over a decade.

While both restaurant operators have been fabulously successful with their forays into the Orient, the fact they've largely been the only fast food chains to accomplish that speaks to how difficult it is for a multinational to run a business there. Por exemplo, Wendy's has no presence in China, while Burger King's parent Restaurant Brands International (NYSE:QSR) has a modest 450 restaurants in the country, though it does have an expansion plan in place.

So it may have been more surprising that Yum! Brands was "exiting" China by spinning off the division than that Taco Bell would be opening its first restaurants there. Perhaps the real question that should be asked is: What took them so long?

Despite the difficulties and setbacks Yum! Brands has faced recently in the country, it has had decades of successful operations there. While the food scandals have been frustrating for the company and investors, its long record in China suggests further commitment to the market is warranted.

And even with the spinoff, Yum! Brands is not severing all ties the new company will operate as a franchisee for the parent. That may have been the biggest different between the restaurant operator's business there and its chains here. In the U.S., it's an almost wholly franchised business in China, it was almost entirely company-owned. The franchise model generally has been slow to take hold in China, but we may see it grow there in the future.

Taco Bell has enjoyed great success wherever its opened its doors (with the exception of India, where it continues to lag horribly and same-store sales seem to continuously go from bad to worse), s o rather than viewing this move as a mistake, investors should commend Yum! Brands for making sure it still has a direct connection to China.


Is Yum! Brands About to Repeat Its Mistakes in China?

Rich has been a Fool since 1998 and writing for the site since 2004. After 20 years of patrolling the mean streets of suburbia, he hung up his badge and gun to take up a pen full time. Having made the streets safe for Truth, Justice, and Krispy Kreme donuts, he now patrols the markets looking for companies he can lock up as long-term holdings in a portfolio. His coverage reflects his passion for motorcycles, booze, and guns (though typically not all exercised at the same time), but his writing also covers the broader sectors of consumer goods, technology, and industrials. So follow along as he tries to break down complex topics to make them more understandable and useful to the average investor. Have a story idea? Contact Rich here. I may not be able to respond to every suggestion, but I do read them all! Think an article needs a correction? Reach Rich here.

Yum! Brands wants China to step up to the chalupa. It plans to open its first Taco Bell in the country by the end of 2016.

Didn't Yum! Brands (NYSE:YUM) just resolve to reduce its exposure risk in China by agreeing to spin off the division that operates its KFC and Pizza Hut restaurants in the country? So what's it doing expanding the Taco Bell chain there? The restaurant operator just said that about the time it finishes calving off its China unit at the end of this year, it will open its first Mexican restaurant there.

There's no doubt that China has been an important market for Yum! Brands. The region accounts for 53% of total revenue and 39% of operating profits. The restaurateur has about 6,900 restaurants in the country, about 5,000 of which are KFCs.

By contrast, Taco Bell, which has some 6,400 restaurants in 20 countries and has been making big pushes in emerging markets (primarily India), is absent from China.

Yum! Brands has been plagued by food-quality issues in China last year, it suffered its second such crisis there in as many years. It had just managed to start winning back customers after the first debacle when the second one hit, and it's finding that regaining that lost ground a second time is a much slower process.

The successive scandals caused hedge fund Corvex Management to take a position in Yum! Brands and advocate offloading its China division as a means of reducing its exposure. The restaurant operator subsequently appointed the hedge fund's CEO to its board of directors, and only days later announced it would be spinning off the China unit.

Successive food quality scandals have made business difficult for Yum! Brands, which is spinning off its China division later this year.

But Yum! Brands isn't alone in feeling the need to minimize the risks associated with running a business in Asia. McDonald's (NYSE:MCD) has reportedly also been looking to calve off its Asian business, which was hammered by the same supplier-related food quality scandal that afflicted Yum! Brands the second time. The main difference was that it was the Golden Arches ' Japanese division that got hit. McDonald's owns about half of that business, and the damage led to it reporting its first loss in over a decade.

While both restaurant operators have been fabulously successful with their forays into the Orient, the fact they've largely been the only fast food chains to accomplish that speaks to how difficult it is for a multinational to run a business there. Por exemplo, Wendy's has no presence in China, while Burger King's parent Restaurant Brands International (NYSE:QSR) has a modest 450 restaurants in the country, though it does have an expansion plan in place.

So it may have been more surprising that Yum! Brands was "exiting" China by spinning off the division than that Taco Bell would be opening its first restaurants there. Perhaps the real question that should be asked is: What took them so long?

Despite the difficulties and setbacks Yum! Brands has faced recently in the country, it has had decades of successful operations there. While the food scandals have been frustrating for the company and investors, its long record in China suggests further commitment to the market is warranted.

And even with the spinoff, Yum! Brands is not severing all ties the new company will operate as a franchisee for the parent. That may have been the biggest different between the restaurant operator's business there and its chains here. In the U.S., it's an almost wholly franchised business in China, it was almost entirely company-owned. The franchise model generally has been slow to take hold in China, but we may see it grow there in the future.

Taco Bell has enjoyed great success wherever its opened its doors (with the exception of India, where it continues to lag horribly and same-store sales seem to continuously go from bad to worse), s o rather than viewing this move as a mistake, investors should commend Yum! Brands for making sure it still has a direct connection to China.


Assista o vídeo: Os alimentos mais incomuns que existem só na China (Janeiro 2022).